Aires de Libertad

¿Quieres reaccionar a este mensaje? Regístrate en el foro con unos pocos clics o inicia sesión para continuar.

https://www.airesdelibertad.com

Leer, responder, comentar, asegura la integridad del espacio que compartes, gracias por elegirnos y participar

Estadísticas

Nuestros miembros han publicado un total de 1043141 mensajes en 47680 argumentos.

Tenemos 1574 miembros registrados

El último usuario registrado es Sabina Saulés

¿Quién está en línea?

En total hay 72 usuarios en línea: 3 Registrados, 0 Ocultos y 69 Invitados :: 3 Motores de búsqueda

Juan Martín, Maria Lua, Siby


El record de usuarios en línea fue de 1156 durante el Mar 05 Dic 2023, 12:39

Últimos temas

» LA POESÍA PORTUGUESA - LA LITERATURA PORTUGUESA
Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 EmptyHoy a las 16:48 por Maria Lua

» Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004)
Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 EmptyHoy a las 16:31 por Maria Lua

» JOSÉ RÉGIO (1901-1969)
Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 EmptyHoy a las 16:28 por Maria Lua

» Florbela Espanca (Vila Viçosa, Portugal, 8 de diciembre de 1894 - Matosinhos, Portugal, 8 de diciembre de 1930)
Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 EmptyHoy a las 16:19 por Maria Lua

» Luís Vaz de Camões (c.1524-1580)
Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 EmptyHoy a las 16:17 por Maria Lua

»  FERNANDO PESSOA II (!3/ 06/1888- 30/11/1935) )
Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 EmptyHoy a las 16:11 por Maria Lua

» Rosa Lentini (1957-
Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 EmptyHoy a las 10:08 por Pedro Casas Serra

» 2014-09-26 a 2014-11-26 SONETOS GRIEGOS: BAUCIS Y FILEMÓN
Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 EmptyHoy a las 09:54 por Pedro Casas Serra

» NO A LA GUERRA 3
Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 EmptyHoy a las 09:43 por Pascual Lopez Sanchez

» SE ESTA RUA FOSSE MINHA
Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 EmptyHoy a las 05:53 por Maria Lua

Mayo 2024

LunMarMiérJueVieSábDom
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Calendario Calendario

Conectarse

Recuperar mi contraseña

Galería


Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty

3 participantes

    Fabricio Carpinejar (1972-

    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Sáb 16 Sep 2023, 16:09

    A chuva é a única chama
    que caminha contra o vento.
    Refaço seu lastro
    com a insônia dos sapatos.

    Enlouqueço de ternura,
    indeciso entre o furor e o fulgor.
    Desperto amarrado em alguma estrela,
    servindo de referência
    para o alinhamento das esferas.



    – Fabrício Carpinejar, no livro “Biografia de uma árvore”. 2002.

    §


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Sáb 16 Sep 2023, 16:09

    O riacho é um cavalo líquido,
    a pedra é um cavalo preso.
    As borboletas são flores com abelhas dentro.
    Liberdade é apenas mudar a forma,
    o que não diminui a solidão
    do nascimento.



    – Fabrício Carpinejar, no livro “Como no céu/Livro de visitas”. 2005.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Dom 01 Oct 2023, 18:49

    ABANDONADA NUMA CAIXINHA DE SAPATOS

    Fabrício Carpinejar

    Eu não tenho como saber o que virá das perguntas do público em minhas palestras. Devo estar preparado para enfrentar as mais profundas questões existenciais.
    Vejo que não condiz com a realidade a crença de que as pessoas temem abrir os seus tormentos pessoais em público.
    Recentemente, em palestra no interior de Minas Gerais a respeito do meu novo livro Manual do Luto, que aborda a despedida e a saudade, uma senhora de cerca de sessenta anos pediu a palavra.
    Ela enfrentava dificuldades para terminar o raciocínio, entrecortado por soluços de um verdadeiro desabafo. Havia uma sinceridade represada que transpunha os diques de proteção e assumia a força inabalável de uma explosão das águas do choro.
    — Eu vivo uma rejeição profunda. Ao nascer, fui abandonada pelos pais numa caixinha de sapatos. Envolvida numa manta, como se fosse um cachorrinho. Eles me largaram de volta no hospital em que eu nasci. Nunca me recuperei de ter sido negada, posta de lado, à sombra, por quem me deu à luz.
    Talvez esperasse de mim uma reação de desamparo, de concordância espantada, de comiseração. Mas eu não senti pena, emergiu uma clareza determinada da minha intuição.
    Aproximei-me dela no meio da plateia e falei, com as minhas mãos encostadas em seus ombros:
    — Está enganada. Você foi salva da rejeição em vida, que é muito pior do que a rejeição do nascimento. Seus pais a amaram o suficiente para que não quisessem que você fosse infeliz com eles e como eles. Tanto que tiveram o cuidado de deixá-la no hospital, onde poderia ser cuidada. Careciam de recursos emocionais mais do que de recursos financeiros para sustentá-la. Desfrutavam da difícil e rara consciência de que não serviam para você, de que merecia uma chance melhor. Não havia amor e acolhimento naquele lar, nada que pudesse suprir o que você buscava. Escapou de um ambiente tóxico e opressivo, de ouvir brigas e discussões a todo instante, de ser recriminada e censurada, de perder qualquer liberdade sobre seu futuro. Não se veria indesejada uma vez, mas se veria indesejada diariamente.
    Ela suspendeu as suas lágrimas. Entendeu que não precisava de outra vida — escoltada no momento pela ternura cúmplice do marido, dos filhos e da sua família adotiva —, que apenas devia mudar o seu ponto de vista.
    Assim o seu sofrimento acenou para nós e virou as costas. Ocupando o seu lugar, surgiu um sorriso lindo, que se esboçou primeiramente no brilho dos olhos, para depois se espalhar pela boca.
    Ela me abraçou e sussurrou:
    — Eu nasci de novo hoje.
    Eu também ri, e concordei:
    — Agora você vai nascer sempre, já que você se escolheu para sempre.


    Coluna no jornal Zero Hora, GZH, última página, Porto Alegre (RS), 28/9/2023:


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Dom 01 Oct 2023, 18:52

    A palavra é falível
    posta em outra boca:
    o horizonte deitou

    o fuzil dos pássaros.
    Volta, pai, que a fundura
    não está nos passos,

    a tapera dispersa
    a caça e o paradeiro
    das pegadas.

    A queda atalha a subida,
    o homem permanece
    uma pronúncia inacabada.

    Tantas vezes caí
    em teu lugar,
    que descobri o inferno

    ao repetir a salvação.
    Tantas vezes caíste
    em meu lugar,

    que descobriste a salvação
    ao repetir o inferno.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Mar 17 Oct 2023, 16:34

    Não há quem não feche os olhos ao cantar a música favorita.
    Não há quem não feche os olhos ao beijar, não há quem não feche os olhos ao abraçar.
    Fechamos os olhos para garantir a memória da memória.
    É ali que a vida entra e perdura, naquela escuridão mínima, no avesso das pálpebras.
    Concentramo-nos para segurar a dispersão, para segurar a barca ao calor do remo.
    O rosto é uma estrutura perfeita do silêncio. Os cílios se mexem como pedais da memória.
    Experimenta-se uma vez mais aquilo que não era possível.
    Viver é boiar, recordar é nadar.



    *************



    No hay nadie que no cierre los ojos mientras canta su canción favorita.
    No hay quien no cierre los ojos al besar, no hay quien no cierre los ojos al abrazar.
    Cerramos los ojos para asegurar la memoria de la memoria.
    Es allí donde entra y perdura la vida, en aquella mínima oscuridad, al revés de los párpados.
    Nos concentramos para aguantar la dispersión, para aguantar la barca al calor del remo.
    El rostro es una estructura perfecta de silencio. Las pestañas se mueven como pedales de memoria.
    Experimenta una vez más lo que no era posible.
    Vivir es flotar, recordar es nadar.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Vie 27 Oct 2023, 16:00

    Não venderei a minha casa



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Poema


    Tenho 76 anos, moro sozinha,
    mas não sou inválida,
    sei me defender com a ironia.

    Comigo pedra não é pedra,
    pedra é cada uma de minhas perdas,
    pedra é a lembrança ainda intacta.

    Eis comigo nas paredes
    o meu casamento,
    o nascimento das crias,
    três gerações, o divórcio.

    Vocês não enxergam
    os meus fantasmas?
    Sequer condeno, fantasmas são pessoais e intransferíveis.
    Não despejarei as minhas assombrações de amor,
    elas não têm onde dormir.

    Não venha pedir que me desapegue,
    não venha sugerir que vire a página
    e comece nova história.
    Só saio daqui morta.

    Familiares desejam me convencer
    da seriedade dos próprios problemas,
    como se eu não me conhecesse o suficiente.
    Que o custo de manutenção da casa é caro,
    que é uma demência estar desacompanhada,
    que é uma residência enorme para limpar,
    que posso cair e me machucar sem socorro,
    que não tenho idade para consertar
    a bomba d'água que enche o porão,
    que não tenho idade para lacrar de noite o portão.

    Desde quando a o excesso de idade é acusação?

    O que ficarei fazendo em um apartamento?
    Assistindo novela?

    Pelo menos, estou no chão,
    presa ao chão,
    enraizada no chão.
    A terra é o meu espelho de nuvens.
    Só é possível tocar o céu
    com o pé descalço.

    Não dependo de eletricidade
    para abrir e fechar a porta.
    Não há escadas entre a rua e a minha cama.

    Não me tornarei refém de síndico e zelador,
    Não seguirei regras de condomínio,
    Não pedirei que ninguém baixe a música
    e me deixe dormir em paz.

    Não é não, não venderei a casa,
    conversa encerrada.

    Não adesivarei as janelas com telefones desconhecidos.
    Não desistirei de mim.
    Não aguentarei até onde deu, como a maioria faz.

    Onde mexerei na terra?
    Onde estenderei as roupas?
    Onde a rede de pescar livros?
    Onde colocarei a biblioteca?
    Onde cumprimentarei os vizinhos
    que passam pela minha varanda?
    Onde a liberdade de passear de pijama pelas árvores?
    Onde?

    Num cubículo aéreo?
    Não fui criada para morar em cabines
    de helicóptero e aviões de concreto.
    Minha vista é de mim mesma.
    Não invento segredos para ser importante.

    Sou rasa, rasteira, chapa do fogão a lenha.
    Meus chapéus são as panelas pregadas na cozinha,
    meu vestido é o caule do vento.

    Como filha do interior,
    eu sinto a chuva vindo nos ossos,
    anuncio as visitas com os talheres caindo.
    Eu me contento com um tanque de pedra
    e os prendedores de madeira.

    O pouco é muito para quem nunca
    precisou de mais nada.


    Fabrício Carpinejar nasceu em Caxias do Sul (RS), em 1972. É jornalista e poeta, autor de As solas do sol, Um terno de pássaros ao sul, Terceira sede e Biografia de uma árvore. O poema publicado pelo Cândido faz parte do livro inédito Não venderei a minha casa.



    https://www.bpp.pr.gov.br/Candido/Pagina/POEMA-Fabricio-Carpinejar-0


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Dom 12 Nov 2023, 08:48

    Las rocas encuentran

    Las rocas encuentran
    alas en la espuma.
    Ninguna despedida compensa

    la fidelidad de la casa.
    ¿Cómo devolverá tú memoria
    las calles prestadas

    para interrumpir la infancia?
    ¿Qué eclipse, o calendario,
    va a mitigar

    la nostalgia del futuro?
    ¿Quién inventará el fuego
    sin el estilo del creador?


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Dom 12 Nov 2023, 08:49

    Obedecías únicamente

    Obedecías únicamente
    al instinto de resucitar,
    resplandeciendo

    una ensenada a lo lejos.
    Entrelazabas con misterio
    versículos y frases,

    las cuerdas de la embarcación
    en el interior del frasco.
    Transparente del combate,

    viril en su fragilidad,
    recogido en el exilio
    de estar pleno de si.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Lun 20 Nov 2023, 12:54

    Segunda elegía



    Ser íntegro cuesta caro.
    Me dividí por no dividirme.
    Atrás de la apariencia, hay una pizca de miseria,
    es el gusto por las sobras.

    Parto en expedición hacia las pruebas de que viví.
    Excavo boletines, cartas, álbumes
    —el gesto reaccionario de mi letra de gancho.

    EI pasado tiene sentido si permanece en desorden.
    La verdad organizada es una mentira.

    El musgo envanece las reliquias. Los dedos retiran las telarañas,
    y asisto al revuelo de insectos que se vieron atrapados.
    Huyo de la claridad, resplandece el polvo.
    El par de rodillas permanece inmóvil como una roca.

    Reviso el testamento, alisando la textura
    como un gramático de la seda.
    Descubro mi herencia de tajo.

    No tengo lo que ansiaba
    y tropiezo con objetos desposeídos de lógica
    que me encuentran antes de que los busque.

    Mi vida cabe en una caja de zapatos.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Dom 03 Dic 2023, 04:10

    E que se ponha a roupa do vento
    O jogo é inventar a goleira
    mais do que a bola.
    Garagens são traves,
    lápides são traves,
    cercas são traves,
    chinelos são traves.
    O que pode ser levado
    com uma mão,
    adivinhado pelas pernas.
    Postes de luz são traves,
    placas são traves,
    lixeiras são traves,
    bancos são traves.
    Marcar o chão numa linha imaginária,
    daqui pra ali é o campo.
    E o mundo não existe mais
    fora do giz branco.
    Um quarto está pronto a céu aberto.
    Um quintal no meio da casa.
    Uma rua cortando a praça.
    Corra no jardim sonâmbulo,
    pise a grama com raiva, raízes
    são cadarços amarrados
    nos tornozelos das árvores.
    Há coices, quedas, uivos:
    nada termina a vida,
    essa explosão suspirada.
    É um transe, a trave;
    trânsito parado, feriado.
    O defensor descansa
    na tranca dos joelhos.
    O pássaro voa de cabeça a cabeça,
    descasca a chuva, espalha os cabelos.
    A trave é montinho, formigueiro,
    capuz de ciscos, ninhos.
    Formigas transportam alimento
    por dentro dos seus riscos.
    Que seja capacete de moto,
    um tijolo, um toco,
    qualquer troco de mato e entulho.
    Dez passos ao lado e uma altura infinita,
    fazer endereço para receber cartas,
    desenhar gol de letra.
    Trave é o quadro-negro dos pés.
    Caroço de brilho, queimadura de cometa.
    Na praia, no calçadão, no descampado.
    Tudo o que foi costurado pelo invisível
    entre o corpo e uma porta.
    Pedras são traves,
    bambus são traves,
    frutas são traves.
    Até crianças são traves
    para o adulto passar
    de volta à infância.




    – Fabrício Carpinejar, poema publicado na “Revista Serafina”, na “Folha de São Paulo”, em 6.2010.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Dom 03 Dic 2023, 04:11


    As horas são amargas,
    derradeiras,
    os anjos perderam









    a escala dos teus ouvidos,
    O destino nos assemelha
    mais que o nascimento.

    Tuas passadas são curtas,
    o perfil, enviesado.
    Há uma parelha sendo

    levada nas costas.
    Fermentas o funcho,
    o fungo e o estrume.



    – Fabrício Carpinejar, no livro “Um terno de pássaros ao sul”. 2000.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Dom 03 Dic 2023, 04:11

    Ocultemos-nos um pouco. Que separes lembranças
    a confiar aos outros. Que reserves aos amigos
    noites de bar. Que não me aborreças
    com pormenores de relações passadas.
    Que eu não mexa em tua correspondência.
    não reviste na tua bolsa.
    Que seja homem de uma única mulher,
    como uma banda de um único sucesso.
    como um poeta de uma único livro.
    Que não me digam: a poesia é hereditária.
    Os filhos não merecem nossa culpa.

    Que segredo não seja amaldiçoado em degredo.
    Que a confissão não apague a avidez dos pecados.
    Que a reconciliação faça desabar crenças.
    Que envelope do sereno feche nossa rua.
    Que eu entenda ainda que tarde, agora sem ti.
    Deus improvisa.



    – Fabrício Carpinejar, no livro “Terceira sede”. 2001.




    mais
    https://www.revistaprosaversoearte.com/fabricio-carpinejar-poemas/


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Lun 04 Dic 2023, 11:59

    Versos de Fabrício Carpinejar inspiram tatuagens Brasil afora


    “Eu vejo uma esperança quando a literatura se torna carne”, declara o poeta

    “Depois é nunca”, anunciam os versos marcados na pele da artista plástica Vanessa Marin, de Três de Maio. Acima das veias de Cleanto Amorim, chef de Curitiba, um encorajamento: “Se você não tem coragem de falar, não terá também coragem de viver”. Enquanto no pulso do fotógrafo Paulo Pinto, de Salvador, pulsa o veredicto: “Se a porta não abre, serei a própria porta. A porta aberta para alguém como eu”.


    Linhas invisíveis unem esses três estranhos com tantos outros, que encontraram na poesia de Fabrício Carpinejar verdades que mereciam ser eternizadas como tatuagens em seus corpos. Fenômeno que segue uma surpresa para o próprio poeta, que conta ter recebido inúmeras fotos das tatuagens pelos últimos anos:

    — Eu fico impactado com a afluência, com o volume de tatuagens. Já daria para fazer uma antologia apenas com elas — brinca Carpinejar.



    E não são quaisquer versos que ganham os corações e a pele dos leitores. A maior parte das tatuagens é fruto da poesia em guardanapos proposta pelo escritor, que há anos encontrou no material pouco usual uma tela perfeita para algumas de suas obras-primas. Para ele, trata-se tanto de um desafio, quanto de uma metáfora:

    — A folha do guardanapo é fina. Tanto que se você usa uma caneta com ponta muito fina, vai furar. E pensei: "Meu deus, o guardanapo é como a poesia: descartável, é o momento, é o agora, é o presente. E se a gente transformasse o guardanapo em algo definitivo a partir de uma frase?" Ou seja: lutar contra o esquecimento.

    Nasceu naquele momento, então, a ideia de criar guardanapos cujo destino não seria jogar fora, mas sim trazer para dentro de si. Um dia efêmeros, os pedaços de papel ganhariam uma longevidade impensável, como quando ilustraram as páginas do livro Liberdade na Vida é Ter um Amor Para se Prender.

    — Nunca imaginei que o guardanapo viraria pele. Ou seja, encontraria uma superfície ainda mais indelével. Do descartável ao eterno, foi essa a travessia do guardanapo — reflete o poeta.


    Epitáfio em vida
    Cicatrizes impostas por vontade própria, como diria Carpinejar, as tatuagens marcam diferentes momentos para cada leitor: uma homenagem a alguém que partiu, o fim de um relacionamento, uma amizade que vingou com o tempo. Para o escritor, elas ainda são uma forma única de particularizar seu corpo, customizá-lo, de guardar uma porção para revelar apenas a quem você quiser.

    Veterano no assunto, com nove tatuagens — incluindo um mapa da cidade de Porto Alegre nas costas — Carpinejar conta não ter nenhum verso entre elas, até o momento. O que não quer dizer que não estaria aberto à possibilidade:

    — Colocaria uma frase da Maria Carpi e uma frase do Carlos Nejar. Um verso de um e um verso do outro — revela, citando seus pais. Porém, em seguida, completa, rindo: — Só não coloquei até hoje porque eles odeiam tatuagem.

    E que mais pessoas encontrem na arte das palavras uma resposta digna o suficiente para levar consigo para o resto da vida, é um alento para Carpinejar:

    — Vejo uma esperança quando a literatura se torna carne. Quando alguém espelha sua vida em um livro ou em um pensamento, dá uma esperança. Porque, assim como existe o epitáfio para a morte, existe a tatuagem para a vida.




    Ver imágenes de los tatuajes en

    https://gauchazh.clicrbs.com.br/cultura-e-lazer/livros/noticia/2021/04/versos-de-fabricio-carpinejar-inspiram-tatuagens-brasil-afora-cknzd2yto00ea0198cjsp4n2l.html


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Miér 06 Dic 2023, 13:25

    Não há quem não feche os olhos ao cantar a música favorita.
    Não há quem não feche os olhos ao beijar, não há quem não feche os olhos ao abraçar.
    Fechamos os olhos para garantir a memória da memória.
    É ali que a vida entra e perdura, naquela escuridão mínima, no avesso das pálpebras.
    Concentramo-nos para segurar a dispersão, para segurar a barca ao calor do remo.
    O rosto é uma estrutura perfeita do silêncio. Os cílios se mexem como pedais da memória.
    Experimenta-se uma vez mais aquilo que não era possível.
    Viver é boiar, recordar é nadar.


    ************* ************* ****************


    No hay nadie que no cierre los ojos mientras canta su canción favorita.
    No hay quien no cierre los ojos al besar, no hay quien no cierre los ojos al abrazar.
    Cerramos los ojos para asegurar la memoria de la memoria.
    Es allí donde entra y perdura la vida, en aquella mínima oscuridad, al revés de los párpados.
    Nos concentramos para aguantar la dispersión, para aguantar la barca al calor del remo.
    El rostro es una estructura perfecta de silencio. Las pestañas se mueven como pedales de memoria.
    Experimenta una vez más lo que no era posible.
    Vivir es flotar, recordar es nadar.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Sáb 16 Dic 2023, 03:02

    Postes de luz são traves,
    placas são traves,
    lixeiras são traves,
    bancos são traves.

    Marcar o chão numa linha imaginária,
    daqui pra ali é o campo.
    E o mundo não existe mais
    fora do giz branco.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Miér 20 Dic 2023, 04:25

    O Riacho é um Cavalo líquido
    |

    O riacho é um cavalo líquido,
    a pedra é um cavalo preso.
    As borboletas são flores com abelhas dentro.
    Liberdade é apenas mudar a forma,
    o que não diminui a solidão
    do nascimento.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Miér 20 Dic 2023, 04:25

    A chuva é a Única Chama


    A chuva é a única chama
    que caminha contra o vento.
    Refaço seu lastro
    com a insônia dos sapatos.

    Enlouqueço de ternura,
    indeciso entre o furor e o fulgor.
    Desperto amarrado em alguma estrela,
    servindo de referência
    para o alinhamento das esferas.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Miér 20 Dic 2023, 04:26

    Ocultemos-nos um Pouco


    Ocultemos-nos um pouco. Que separes lembranças
    a confiar aos outros. Que reserves aos amigos
    noites de bar. Que não me aborreças
    com pormenores de relações passadas.
    Que eu não mexa em tua correspondência.
    não reviste na tua bolsa.
    Que seja homem de uma única mulher,
    como uma banda de um único sucesso.
    como um poeta de uma único livro.
    Que não me digam: a poesia é hereditária.
    Os filhos não merecem nossa culpa.

    Que segredo não seja amaldiçoado em degredo.
    Que a confissão não apague a avidez dos pecados.
    Que a reconciliação faça desabar crenças.
    Que envelope do sereno feche nossa rua.
    Que eu entenda ainda que tarde, agora sem ti.
    Deus improvisa.




    https://recantodopoeta.com/fabricio-carpinejar/


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Miér 03 Ene 2024, 07:43


    Nenhuma ferida


    Nenhuma ferida
    separava teus pesadelos.
    Quando vagaste em meia-idade

    pela selva escura, fiquei
    a conversar com tuas camisas,
    aprumando boinas

    que afogavam os cabelos.
    Tinha sete anos ao certo
    e uma lua vadia disputando

    corridas comigo.
    Fiquei a entreter
    os tecidos alinhados,

    como um exército em revista,
    procurando convencer
    uma peça ao menos

    a delatar tua deserção.
    Quando vagaste em meia-idade
    pela selva escura, fiquei

    alimentando o aquário
    das gravatas.
    Pedia privacidade às traças.

    Vestia tua camisa,
    copiando o ritmo
    dos teus traços,

    a respiração copiosa,
    sendo meu próprio
    e definitivo pai.


    “Um Terno de Pássaros ao Sul” (Escrituras, 2000)


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Miér 03 Ene 2024, 07:44

    Testamento


    Sou também um livro
    que levantou
    dos teus olhos deitados.

    Em tudo o que riscavas,
    queria um testamento.
    Assim recolhia os insetos

    de tua matança,
    o alfabeto abatido
    nas margens.

    Folheava os textos,
    contornando as pedras
    de tuas anotações.

    Retraído,
    como um arquipélago
    nas fronteiras azuis.

    Desnorteado,
    como um cão
    entre a velocidade

    e os carros.
    Descia o barranco úmido
    de tua letra,

    premeditando
    os tropeços.
    Sublinhavas de caneta,

    visceral,
    impaciente com o orvalho,
    a fúria em devorar as idéias,

    cortar as linhas em estacas da cruz,
    marcá-las com a estada.
    Tua pontuação delgada,

    um oceano
    na fruta branca.
    Pretendias impressionar

    o futuro com a precocidade.
    A mãe remava
    em tua devastação,

    percorria os parágrafos a lápis.
    O grafite dela, fino,
    uma agulha cerzindo

    a moldura marfim.
    Calma e cordata,
    sentava no meio-fio da tinta,

    descansando a fogueira
    das folhas e grilos.
    Cheguei tarde

    para a ceia.
    Preparava o jantar
    com as sobras do almoço.

    Lia o que lias,
    lia o que a mãe lia.
    Era o último a sair da luz.


    “Um Terno de Pássaros ao Sul” (Escrituras, 2000)


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Sáb 06 Ene 2024, 06:01

    POEMAS ENGARRAFADOS

    Eu tenho costume de reaproveitar as garrafas de suco de uva. Passei a remanejar os cascos bonitos, encorpados e verdes para escrever meus poemas mais conhecidos. Cada lado é empregado para uma frase e todos juntos formam uma mensagem de amor e de esperança. Virou uma marca em meu apartamento: criei vasos poéticos para as minhas flores prediletas. Jarros de gérberas encantam as visitas.



    ******************


    POEMAS EMBOTELLADOS

    Tengo la costumbre de reutilizar las botellas de zumo de uva. Empecé a reorganizar los hermosos cascos verdes y con mucho cuerpo para escribir mis poemas más conocidos. Cada lado se utiliza para una frase y todos juntos forman un mensaje de amor y esperanza. Se convirtió en un elemento básico de mi apartamento: creé jarrones poéticos para mis flores favoritas. Los tarros de gerberas deleitan a los visitantes.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Sáb 13 Ene 2024, 06:49

    PAPEL CARBONO

    Ela reclama de minha fraca memória.
    Fala alguma coisa, escuto, mas não guardo.
    Juro que escuto, a deficiência não é auditiva.
    É que não encontro um local seguro para guardar.

    Há muito tempo deixei
    de ser um esconderijo confiável.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Sáb 13 Ene 2024, 06:50





    PAPEL CARBONIZADO

    Ela não reclama de minha fraca memória.
    Agradece quando esqueço para aperfeiçoar a história.
    Agradece porque nunca será repetitiva para mim.
    Estou sempre interessado quando sua voz emudece.

    Ela perdoa homens sem memória,
    mas não perdoa homens sem imaginação.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Sáb 13 Ene 2024, 06:51

    OPORTUNISTA (ou Chamfort)

    O fim ainda é um meio.
    O político vê em seu cadafalso
    mais uma chance de subir ao palco.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Jue 18 Ene 2024, 03:06

    “Estou Cansado Da Tristeza. De Olhar O Dia Lindo E Não Achar Que É Meu” – Fabrício Carpinejar




    Até os pássaros têm mais esperança do que nós, beliscando a pedra para ver se é pão.
    Estou cansado da intolerância, da impaciência diante de pensamentos contrários, da execução sumária das aparências.

    Estou cansado da ausência da delicadeza, de como não nos comovemos mais com os sons de casa: da chaleira chiando e juntando as pessoas na cozinha, do clique do grampeador juntando papéis velhos, do rádio tocando uma música aleatória e juntando saudades.
    Estou cansado de me proteger e de me defender da própria sensibilidade. Estamos ilhados pela raiva, no mesmo naufrágio, evitando que o outro se salve primeiro, dispersando os sinais de fumaça de quem pede ajuda.

    Que mundo é este que não para de omitir socorro? Em que mal nos acordamos e temos inimigos e desafetos inexplicáveis, por uma questão de opinião?

    Opiniões mudam, caráter não. Não se pode atacar o caráter de alguém pela fragilidade das opiniões.

    Dê silêncio ao tempo, para não cometer injustiças.

    O ódio é sério, só deveria acontecer depois de muitas chances.

    Onde está a poesia? De olhar os pés no fundo cristalino das palavras? De confiar primeiro, discutir em último caso?

    Será que ninguém pega um bebê no colo para esquecer as mágoas? Será que ninguém deita a cabeça nas pernas de quem gosta para trocar de perspectiva? Será que não existem mais beijos e carícias no rosto para apequenar as aflições?

    Será que ninguém mais elege prioridades em sua vida, não luta pelos seus objetivos além das circunstâncias adversas?

    Venho sobrevivendo para poder ver os meus pais de oitenta anos e os meus filhos adolescentes – estamos separados há mais de um ano. Nada é mais importante para mim. Botei em minha cabeça que irei conseguir abraçá-los novamente. Não me distraio do caminho por qualquer notícia ruim. Ajo com cordialidade para chegar lá, para não ser tragado pelo medo e pelo ódio, para não desperdiçar a minha saúde emocional com aborrecimentos.

    Cuidar das nossas atitudes é tudo o que nos resta.

    Quando criança, lembro que o meu grande dilema na escola era entregar a redação para o professor sem as pontas da folha que havia sido arrancada do caderno. Eu limpava as sobras do espiral. Despetalava uma por uma das arestas. Não alteraria a minha nota, mas eu me sentia caprichando nos detalhes.

    Os detalhes são decisivos: aquilo que não se vê, mas faz a maior diferença em nossa vontade de amar.



    https://www.tribaladas.com.br/noticias/onde-esta-a-poesia-texto-de-fabricio-carpinejar/


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Jue 18 Ene 2024, 03:14

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 C1BIdXeWQAIrdmZ?format=jpg&name=900x900


    cambiar de año
    aparentemente

    no cambia nada
    pero tenemos todas

    las nuestras esperanzas
    devueltas



    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Miér 31 Ene 2024, 03:35

    Você não sente que algo quebrou no interior de si? Um elástico se
    soltou? Uma inteireza desapareceu? Uma sensação de
    pertencimento não foi mais recuperada? Como se a sua vida não
    pudesse ser a mesma em linha reta, porém em zigue-zague, aos
    trancos, aos empurrões?
    Você não tem notado essa ruptura de naturalidade: você ri com
    culpa, chora do nada sem saber o motivo? Está evitando o contato
    mais intenso para não se afogar na saudade? Tornou-se alguém com
    menos palavras do que antes? Parece que alguns sinônimos foram
    cancelados, que não tem mais o dicionário emocional de sempre,
    que ele encolheu pela falta de uso? Até tem vontade de telefonar
    para os amigos, mas para ficar em silêncio? E não o faz pelo medo
    de suspirar em excesso?
    Por mais que alguém negue a realidade, não assuma a grandeza
    da tragédia, não compreenda o que significa milhões de vítimas de
    uma pandemia, acabará atingido pelo mal-estar em sua rotina.
    Se não for pelo luto por tantas mortes, acontecerá pela inflação,
    pela recessão, pela falta de gasolina nos postos, pela ausência de
    trabalho.
    Ainda que seja por uma hora, por um minuto, por um flash. Não
    existem paredes que nos isolem definitivamente dos outros.
    Mesmo que não tenha nenhum parente falecido, nenhum amigo,
    nenhum conhecido mais direto, ainda que não se assuste com os
    gemidos e tosses ao redor, faça pouco caso e se veja dotado da
    onipotência da saúde, ficará, pelo menos, incomodado que não se
    fala de outro assunto.
    Quem não enxerga os urubus e corvos sobrevoando o céu ainda
    verá as suas sombras pelo solo.
    A verdade é que, por dentro, ninguém mais será igual. Não
    haverá a normalidade costumeira. Amores e amizades não serão
    mais iguais. Nossa família não será mais igual. Nosso emprego não
    será mais igual.
    Não tem como fingir que nada aconteceu. Todos cairão em si,
    inevitavelmente. Todos perceberão, em algum momento, que o
    modo de enfrentar a morte é somando as partes quebradas dentro
    de nós.
    O pior não é perder o olfato, e sim o tato.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Miér 31 Ene 2024, 03:36

    A morte não leva tudo.
    Há algo que não daremos. Uma manta com o cheiro da pessoa,
    uma carta com a caligrafia, uma fotografia com a data rascunhada
    atrás. Pode ser um pijama ou um casaco. Um travesseiro ou um
    relógio. Pode ser uma xícara lascada ou um copinho de cachaça. Um
    pertence sublime ou banal.
    Não são pagas todas as prestações do fim — uma se encontrará
    pendente, em aberto. Um pouquinho da presença restará conosco.
    Tanto faz que soe como possessividade, apego, resistência em se
    despedir.
    Nem todo luto precisa ser completo. Nem toda doação precisa
    ser integral.
    A saudade é tátil, depende de um objeto para reconstituir a
    memória. Temos que tocar em uma superfície já que não podemos
    abraçar a pele e fungar o cangote como antes.
    Escolhemos um talismã para dizer a nós mesmos que ficamos
    com um pedaço, uma parte viva de quem partiu. Para lutar contra a
    extinção sumária de uma vida, contra o desaparecimento ingrato de
    uma hora para outra.
    É uma lembrança para nos inspirar a viver, para um dia — se
    Deus quiser — contar com condições de agradecer o tempo lado a
    lado, manuseando novamente as alegrias com leveza, sem culpa,
    sem medo do futuro.
    Que os terapeutas nos perdoem, mas roubamos, descaradamente,
    os bolsos e gavetas de nossos mortos para manter um fragmento de
    sua existência por perto.




    file:///E:/Maria%20Lua/Downloads/Depois%20%C3%89%20Nunca%20Fabr%C3%ADcio%20Carpinejar.pdf


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Mar 06 Feb 2024, 05:59

    E que se ponha a roupa do vento
    O jogo é inventar a goleira
    mais do que a bola.
    Garagens são traves,
    lápides são traves,
    cercas são traves,
    chinelos são traves.
    O que pode ser levado
    com uma mão,
    adivinhado pelas pernas.
    Postes de luz são traves,
    placas são traves,
    lixeiras são traves,
    bancos são traves.
    Marcar o chão numa linha imaginária,
    daqui pra ali é o campo.
    E o mundo não existe mais
    fora do giz branco.
    Um quarto está pronto a céu aberto.
    Um quintal no meio da casa.
    Uma rua cortando a praça.
    Corra no jardim sonâmbulo,
    pise a grama com raiva, raízes
    são cadarços amarrados
    nos tornozelos das árvores.
    Há coices, quedas, uivos:
    nada termina a vida,
    essa explosão suspirada.
    É um transe, a trave;
    trânsito parado, feriado.
    O defensor descansa
    na tranca dos joelhos.
    O pássaro voa de cabeça a cabeça,
    descasca a chuva, espalha os cabelos.
    A trave é montinho, formigueiro,
    capuz de ciscos, ninhos.
    Formigas transportam alimento
    por dentro dos seus riscos.
    Que seja capacete de moto,
    um tijolo, um toco,
    qualquer troco de mato e entulho.
    Dez passos ao lado e uma altura infinita,
    fazer endereço para receber cartas,
    desenhar gol de letra.
    Trave é o quadro-negro dos pés.
    Caroço de brilho, queimadura de cometa.
    Na praia, no calçadão, no descampado.
    Tudo o que foi costurado pelo invisível
    entre o corpo e uma porta.
    Pedras são traves,
    bambus são traves,
    frutas são traves.
    Até crianças são traves
    para o adulto passar
    de volta à infância.




    – Fabrício Carpinejar, poema publicado na “Revista Serafina”, na “Folha de São Paulo”, em 6.2010.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 69742
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Maria Lua Mar 06 Feb 2024, 06:00

    As horas são amargas,
    derradeiras,
    os anjos perderam

    a escala dos teus ouvidos,
    O destino nos assemelha
    mais que o nascimento.

    Tuas passadas são curtas,
    o perfil, enviesado.
    Há uma parelha sendo

    levada nas costas.
    Fermentas o funcho,
    o fungo e o estrume.


    – Fabrício Carpinejar, no livro “Um terno de pássaros ao sul”. 2000.


    _________________



    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Marialuaf


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Luna7

    Contenido patrocinado


    Fabricio Carpinejar (1972- - Página 5 Empty Re: Fabricio Carpinejar (1972-

    Mensaje por Contenido patrocinado


      Fecha y hora actual: Mar 21 Mayo 2024, 16:51