Aires de Libertad

¿Quieres reaccionar a este mensaje? Regístrate en el foro con unos pocos clics o inicia sesión para continuar.

https://www.airesdelibertad.com

Leer, responder, comentar, asegura la integridad del espacio que compartes, gracias por elegirnos y participar

Estadísticas

Nuestros miembros han publicado un total de 1034200 mensajes en 47370 argumentos.

Tenemos 1564 miembros registrados

El último usuario registrado es Nicolaz

¿Quién está en línea?

En total hay 96 usuarios en línea: 2 Registrados, 0 Ocultos y 94 Invitados :: 3 Motores de búsqueda

cecilia gargantini, Maria Lua


El record de usuarios en línea fue de 1156 durante el Mar 05 Dic 2023, 16:39

Temas similares

    Últimos temas

    » 2011-10-01 COCÓ, MI AMIGO Y YO
    VINICIUS DE MORAES  - Página 22 EmptyHoy a las 18:39 por cecilia gargantini

    » Rabindranath Tagore (1861-1941)
    VINICIUS DE MORAES  - Página 22 EmptyHoy a las 17:18 por Maria Lua

    » MARIO QUINTANA ( 30/07/1906... 05/05/1994)
    VINICIUS DE MORAES  - Página 22 EmptyHoy a las 16:53 por Maria Lua

    » VINICIUS DE MORAES
    VINICIUS DE MORAES  - Página 22 EmptyHoy a las 16:44 por Maria Lua

    » CECILIA MEIRELES (7 de noviembre de 1901, Río de Janeiro/9 de noviembre de 1964, Río de Janeiro/Brasil
    VINICIUS DE MORAES  - Página 22 EmptyHoy a las 16:42 por Maria Lua

    » CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
    VINICIUS DE MORAES  - Página 22 EmptyHoy a las 16:38 por Maria Lua

    » Yalal ad-Din Muhammad Rumi (1207-1273)
    VINICIUS DE MORAES  - Página 22 EmptyHoy a las 16:35 por Maria Lua

    » William Shakespeare (1564-1616)
    VINICIUS DE MORAES  - Página 22 EmptyHoy a las 16:32 por Maria Lua

    »  DOSTOYEVSKI
    VINICIUS DE MORAES  - Página 22 EmptyHoy a las 16:26 por Maria Lua

    » POESÍA DE REPÚBLICA ÁRABE SAHARAUI
    VINICIUS DE MORAES  - Página 22 EmptyHoy a las 14:51 por Pascual Lopez Sanchez

    Febrero 2024

    LunMarMiérJueVieSábDom
       1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    26272829   

    Calendario Calendario

    Conectarse

    Recuperar mi contraseña

    Galería


    VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty

    +13
    Evangelina Valdez
    Beatrice
    Lluvia Abril
    isabel nuñez jimenez
    Walter Faila
    Pascual Lopez Sanchez
    cecilia gargantini
    Pedro Casas Serra
    Adriana Pardo (Luia)
    Miguel Garza
    Horacio Oliveira
    Antonietta Valentina
    Juan Martín
    17 participantes

      VINICIUS DE MORAES

      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Mar 15 Nov 2022, 08:07

      A AUSENTE



      Amiga, infinitamente amiga
      Em algum lugar teu coração bate por mim
      Em algum lugar teus olhos se fecham à ideia dos meus.
      Em algum lugar tuas mãos se crispam, teus seios
      Se enchem de leite, tu desfaleces e caminhas
      Como que cega ao meu encontro...
      Amiga, última doçura
      A tranquilidade suavizou a minha pele
      E os meus cabelos. Só meu ventre
      Te espera, cheio de raízes e de sombras.
      Vem, amiga
      Minha nudez é absoluta
      Meus olhos são espelhos para o teu desejo
      E meu peito é tábua de suplícios
      Vem. Meus músculos estão doces para os teus dentes
      E áspera é minha barba. Vem mergulhar em mim
      Como no mar, vem nadar em mim como no mar
      Vem te afogar em mim, amiga minha
      Em mim como no mar...



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Miér 16 Nov 2022, 08:28

      A ROSA DE HIROXIMA


      Pensem nas crianças
      Mudas telepáticas
      Pensem nas meninas
      Cegas inexatas
      Pensem nas mulheres
      Rotas alteradas
      Pensem nas feridas
      Como rosas cálidas
      Mas oh não se esqueçam
      Da rosa da rosa
      Da rosa de Hiroxima
      A rosa hereditária
      A rosa radioativa
      Estúpida e inválida
      A rosa com cirrose
      A antirrosa atômica
      Sem cor sem perfume
      Sem rosa sem nada.


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Jue 17 Nov 2022, 21:25

      O CROCODILO


      O crocodilo que do Nilo
      Ainda apavora a cristandade
      Pode ser dócil como o filho
      Que chora ao ver-se desamado.

      Mas nunca como ele injusto
      Que se ergue hediondo de manhã
      E vai e espeta um grampo justo
      No umbigo de sua própria mãe.

      O crocodilo espreita a garça
      Sim, mas por fome, e se restringe
      Mas e o filho, que à pobre ave
      Acompanha no Y do estilingue?

      A lama pode ser um berço
      Para um crocodiliano
      No entanto o filho come o esterco
      Apenas porque a mãe diz não.

      Tem o crocodilo um amigo
      Num pássaro que lhe palita
      Os dentes e o alerta ao perigo:
      Mas no filho, quem acredita?

      O filho sai e esquece a mãe
      E insulta o outro e o outro o insulta
      É ver o simples caimão
      Que nunca diz: filho da puta!

      O crocodilo tem um sestro
      De cio: guia-se pelo olfato
      Mas o filho pratica o incesto
      Absolutamente ipso-facto.

      Chamam ao pequeno crocodilo
      Paleosuchus palpebrosus
      Porém o que me admira é o filho
      Que vive em pálpebras de ócio.

      O filho é um monstro. E uma vos digo
      Ainda por píssico me tomem:
      Nunca verei um crocodilo
      Chorando lágrimas de homem.





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Dom 20 Nov 2022, 07:01

      HISTÓRIA PASSIONAL, HOLLYWOOD, CALIFÓRNIA



      Preliminarmente, telegrafar-te-ei uma dúzia de rosas
      Depois te levarei a comer um shop-suey
      Se a tarde também for loura abriremos a capota
      Teus cabelos ao vento marcarão oitenta milhas.

      Dar-me-ás um beijo com batom marca indelével
      E eu pegarei tua coxa rija como a madeira
      Sorrirás para mim e eu porei óculos escuros
      Ante o brilho de teus dois mil dentes de esmalte.

      Mascaremos cada um uma caixa de goma
      E iremos ao Chinese cheirando a hortelã-pimenta
      A cabeça no meu ombro sonharás duas horas
      Enquanto eu me divirto no teu seio de arame.

      De novo no automóvel perguntarei se queres
      Me dirás que tem tempo e me darás um abraço
      Tua fome reclama uma salada mista
      Verei teu rosto através do suco de tomate.

      Te ajudarei cavalheiro com o abrigo de chinchila
      Na saída constatarei tuas nylon 57
      Ao andares, algo em ti range em dó sustenido
      Pelo andar em que vais sei que queres dançar rumba.

      Beberás vinte uísques e ficarás mais terna
      Dançando sentirei tuas pernas entre as minhas
      Cheirarás levemente a cachorro lavado
      Possuis cem rotações de quadris por minuto.

      De novo no automóvel perguntarei se queres
      Me dirás que hoje não, amanhã tens filmagem
      Fazes a cigarreira num clube de má fama
      E há uma cena em que vendes um maço a George Raft.

      Telegrafar-te-ei então uma orquídea sexuada
      No escritório esperarei que tomes sal de frutas
      Vem-te um súbito desejo de comida italiana
      Mas queres deitar cedo, tens uma dor de cabeça!

      À porta de tua casa perguntarei se queres
      Me dirás que hoje não, vais ficar dodói mais tarde
      De longe acenarás um adeus sutilíssimo
      Ao constatares que estou com a bateria gasta.

      Dia seguinte esperarei com o rádio do carro aberto
      Te chamando mentalmente de galinha e outros nomes
      Virás então dizer que tens comida em casa
      De avental abrirei latas e enxugarei pratos.

      Tua mãe perguntará se há muito que sou casado
      Direi que há cinco anos e ela fica calada
      Mas como somos moços, precisamos divertir-nos
      Sairemos de automóvel para uma volta rápida.

      No alto de uma colina perguntar-te-ei se queres
      Me dirás que nada feito, estás com uma dor do lado
      Nervoso meus cigarros se fumarão sozinhos
      E acabo machucando os dedos na tua cinta.

      Dia seguinte vens com um suéter elástico
      Sapatos mocassim e meia curta vermelha
      Te levo pra dançar um ligeiro jitterbug
      Teus vinte deixam os meus trinta e pouco cansados.

      Na saída te vem um desejo de boliche
      Jogas na perfeição, flertando o moço ao lado
      Dás o telefone a ele e perguntas se me importo
      Finjo que não me importo e dou saída no carro.

      Estás louca para tomar uma coca gelada
      Debruças-te sobre mim e me mordes o pescoço
      Passo de leve a mão no teu joelho ossudo
      Perdido de repente numa grande piedade.

      Depois pergunto se queres ir ao meu apartamento
      Me matas a pergunta com um beijo apaixonado
      Dou um soco na perna e aperto o acelerador
      Finges-te de assustada e falas que dirijo bem.

      Que é daquele perfume que eu te tinha prometido?
      Compro o Chanel 5 e acrescento um bilhete gentil
      “Hoje vou lhe pagar um jantar de vinte dólares
      E se ela não quiser, juro que não me responsabilizo...”

      Vens cheirando a lilás e com saltos, meu Deus, tão altos
      Que eu fico lá embaixo e com um ar avacalhado
      Dás ordens ao garçom de caviar e champanha
      Depois arrotas de leve me dizendo I beg your pardon.

      No carro distraído deixo a mão na tua perna
      Depois vou te levando para o alto de um morro
      Em cima tiro o anel, quero casar contigo
      Dizes que só acedes depois do meu divórcio.

      Balbucio palavras desconexas e esdrúxulas
      Quero romper-te a blusa e mastigar-te a cara
      Não tens medo nenhum dos meus loucos arroubos
      E me destroncas o dedo com um golpe de jiu-jítsu.

      Depois tiras da bolsa uma caixa de goma
      E mascas furiosamente dizendo barbaridades
      Que é que eu penso que és, se não tenho vergonha
      De fazer tais propostas a uma moça solteira.

      Balbucio uma desculpa e digo que estava pensando...
      Falas que eu pense menos e me fazes um agrado
      Me pedes um cigarro e riscas o fósforo com a unha
      E eu fico boquiaberto diante de tanta habilidade.

      Me pedes para te levar a comer uma salada
      Mas de súbito me vem uma consciência estranha
      Vejo-te como uma cabra pastando sobre mim
      E odeio-te de ruminares assim a minha carne.

      Então fico possesso, dou-te um murro na cara
      Destruo-te a carótida a violentas dentadas
      Ordenho-te até o sangue escorrer entre meu dedos
      E te possuo assim, morta e desfigurada.

      Depois arrependido choro sobre o teu corpo
      E te enterro numa vala, minha pobre namorada...
      Fujo mas me descobrem por um fio de cabelo
      E seis meses depois morro na câmara de gás.


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Dom 20 Nov 2022, 07:02

      EPITALÂMIO


      Esta manhã a casa madruguei.
      Havia elfos alados nos gelados
      Raios de sol da sala quando entrei.
      Sentada na cadeira de balanço
      Resplendente, uma fada balançava-se
      Numa poça de luz. Minha chegada
      Gigantesca assustou os gnomos mínimos
      Que vertiginosamente se escoaram
      Pelas frinchas dos rodapés. A estranha
      Presença matinal do ser noturno
      Desencadeou no cerne da matéria
      O entusiasmo dos átomos. Coraram
      Os móveis decapês, tremeram os vidros
      Estalaram os armários de alegria.
      Eram os claros cristais de luz tão frágeis
      Que ao tocar um, desfez-se nos meus dedos
      Em poeira translúcida, vibrando
      Tremulinas e harpejos inefáveis.
      Era o inverno, ainda púbere. Bebi
      Sofregamente um grande copo de ar
      E recitei o meu epitalâmio.
      Nomes como uma flor, uma explosão
      De flor, vieram da infância envolta em trevas
      Penetrados de vozes. Num segundo
      Pensei ver o meu próprio nascimento
      Mas fugi, tive medo. Não devera
      A poesia...
      Tão extremo era o transe matutino
      Que pareceu-me haver perdido o peso
      E esquecido dos meus trinta e quatro anos
      Da clássica ruptura do menisco
      E das demais responsabilidades
      Pus-me a correr à volta do sofá
      Atrás de prima Alice, a que morreu
      De consumpção e me deixava triste.
      Infelizmente acrescentei em quilos
      E logo me cansei; mas as asinhas
      Nos calcanhares eram bimotores
      A querer arrancar. Pé ante pé
      Fui esconder-me atrás da geladeira
      O corpo em bote, os olhos em alegria
      Para esperar a entrada de Maria
      A empregada da Ilha, também morta
      Mas de doença de homem — que era aquela
      Confusão de querer-se e malquerer-se
      Aquela multiplicação de seios
      Aquele desperdício de saliva
      E mãos, transfixiantes, nomes feios
      E massas pouco a pouco se encaixando
      Em decúbito, até a grande inércia
      Cheia de mar (Maria era mulata!).
      Depois foi Nina, a plácida menina
      Dos pulcros atos sem concupiscência
      Que me surgiu. Mandava-me missivas
      Cifradas que eu, terrível flibusteiro
      Escondia no muro de uma casa
      (Esqueci de que casa...) Mas surpresa
      Foi quando vi Alba surgir da aurora
      Alba, a que me deixou examiná-la
      Grande obstetra, com a lente de aumento
      Dos textos em latim de meu avô
      Alba, a que amava as largatixas secas
      Alba, a ridícula, morta de crupe.
      Milagre da manhã recuperada!
      A infância! Sombra, és tu? Até tu, Sombra...
      Sombra, contralto, entre os paralelepípedos
      Do coradouro do quintal. Oh, tu
      Que me violaste, negra, sobre o linho
      Muito obrigado, tenebroso Arcanjo
      De ti me lembrarei! Bom dia, Linda
      Como estás bela assim descalça, Linda
      Vem comigo nadar! O mar é agora
      A piscina de Onã, de lodo e alga...
      Quantos cajus tu me roubaste, feia
      Quanto silêncio em teus carinhos, Linda
      Longe, nas águas...Sim! é a minha casa
      É a minha casa, sim, a um grito apenas
      Da praia! Alguém me chama, é a gaivota
      Branca, é Marina! (A doida já chegava
      Desabotoando o corpete de menina...)
      Marina, como vais, jovem Marina
      Deslembrada Marina... Vejo Vândala
      A rústica, a operária, a compulsória
      Que nos levava aos dez para os baldios
      Da Fábrica, e como aos bilros, hábil
      Aos dez de uma só vez manipulava
      Em francas gargalhadas, e dizia
      De mim: Ai, que este é o mais levado!
      (Pela mulher, sim, Vândala, obrigado...)

      E tu, Santa, casada, que me deste
      O Coração, posto que de De Amicis
      Tu que calçavas longamente as meias
      Pretas que me tiraram o medo à treva
      E às aranhas... some, jetatura
      Masturbação, desassossego, insônia!
      Mas tu, pequena Maja, sê bem-vinda:
      Lembra-me tuas tranças; recitavas
      Fazias ponto-à-jour, tocavas piano
      Pequena Maja... Foi preciso um ano
      De namoro fechado, irmão presente
      Para me dares, louco, de repente
      Tua mão, como um pássaro assustado.
      No entanto te esqueci ao ver Altiva
      Princesa absurda, cega, surda e muda
      Ao meu amor, embora me adorando
      De adoração tão pura. Tua cítara
      Me ensinou um ódio estúpido à Elegia
      De Massenet. Confesso, dispensava a cítara
      Ia beber desesperado. Mas
      Foi contigo, Suave, que o poeta
      Apreendeu o sentido da humildade.
      Estavas sempre à mão. Telefonava:
      Vamos? Vinhas. Inda virias. Tinhas
      Um riso triste. Foi o nada quereres
      Que tão pouco te deu, tristonha ave...
      Quanta melancolia! No cenário
      Púrpura, surges, Pútrida, luética
      Deusa amarela, circunscrita imagem...
      Obrigado no entanto pelos êxtases
      Aparentes; lembro-me que brilhava
      Na treva antropofágica teu dente
      De ouro, como um fogo em terra firme
      Para o homem a nadar-te, extenuado.
      Mas que não fuja ainda a enunciada
      Visão... Clélia, adeus minha Clélia, adeus!
      Vou partir, pobre Clélia, navegar
      No verde mar... vou me ausentar de ti!
      Vejo chegar alguém que me procura
      Alguém à porta, alguma desgraçada
      Que se perdeu, a voz no telefone
      Que não sei de quem é, a com que moro
      E a que morreu... Quem és, responde!
      És tu a mesma em todas renovada?


      Sou Eu! Sou Eu! Sou Eu! Sou Eu! Sou Eu!


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Dom 20 Nov 2022, 07:03

      ONJUGAÇÃO DA AUSENTE


      Foram precisos mais dez anos e oito quilos
      Muitas cãs e um princípio de abdômen
      (Sem falar na Segunda Grande Guerra,
      na descoberta da penicilina e na desagregação do átomo)
      Foram precisos dois filhos e sete casas
      (Em lugares como São Paulo, Londres, Cascais, Ipanema e Hollywood)
      Foram precisos três livros de poesia e uma operação de apendicite
      Algumas prevaricações e um exequatur
      Fora preciso a aquisição de uma consciência política
      E de incontáveis garrafas; fora preciso um desastre de avião
      Foram precisas separações, tantas separações
      Uma separação...

      Tua graça caminha pela casa
      Moves-te blindada em abstrações, como um T. Trazes
      A cabeça enterrada nos ombros qual escura
      Rosa sem haste. És tão profundamente
      Que irrelevas as coisas, mesmo do pensamento.
      A cadeira é cadeira e o quadro é quadro
      Porque te participam. Fora, o jardim
      Modesto como tu, murcha em antúrios
      A tua ausência. As folhas te outonam, a grama te
      Quer. És vegetal, amiga...
      Amiga! direi baixo o teu nome
      Não ao rádio ou ao espelho, mas à porta
      Que te emoldura, fatigada, e ao
      Corredor que para
      Para te andar, adunca, inutilmente
      Rápida. Vazia a casa
      Raios, no entanto, desse olhar sobejo
      Oblíquos cristalizam tua ausência.
      Vejo-te em cada prisma, refletindo
      Diagonalmente a múltipla esperança
      E te amo, te venero, te idolatro
      Numa perplexidade de criança.



      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Dom 20 Nov 2022, 07:04

      O FILHO DO HOMEM


      O mundo parou
      A estrela morreu
      No fundo da treva
      O infante nasceu.

      Nasceu num estábulo
      Pequeno e singelo
      Com boi e charrua
      Com foice e martelo.

      Ao lado do infante
      O homem e a mulher
      Uma tal Maria
      Um José qualquer.

      A noite o fez negro
      Fogo o avermelhou
      A aurora nascente
      Todo o amarelou.

      O dia o fez branco
      Branco como a luz
      À falta de um nome
      Chamou-se Jesus.

      Jesus pequenino
      Filho natural
      Ergue-te, menino
      É triste o Natal.

      Natal de 1947



      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Dom 20 Nov 2022, 07:05

      SONETO DE ANIVERSÁRIO


      Passem-se dias, horas, meses, anos
      Amadureçam as ilusões da vida
      Prossiga ela sempre dividida
      Entre compensações e desenganos.

      Faça-se a carne mais envilecida
      Diminuam os bens, cresçam os danos
      Vença o ideal de andar caminhos planos
      Melhor que levar tudo de vencida.

      Queira-se antes ventura que aventura
      À medida que a têmpora embranquece
      E fica tenra a fibra que era dura.

      E eu te direi: amiga minha, esquece...
      Que grande é este amor meu de criatura
      Que vê envelhecer e não envelhece.

      Rio, 1942


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Dom 20 Nov 2022, 07:05

      POÉTICA



      De manhã escureço
      De dia tardo
      De tarde anoiteço
      De noite ardo.

      A oeste a morte
      Contra quem vivo
      Do sul cativo
      O este é meu norte.

      Outros que contem
      Passo por passo:
      Eu morro ontem

      Nasço amanhã
      Ando onde há espaço:
      — Meu tempo é quando.

      Nova York, 1950





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Miér 23 Nov 2022, 09:24

      ELEGIA NA MORTE DE CLODOALDO PEREIRA DA SILVA MORAES, POETA E CIDADÃO



      A morte chegou pelo interurbano em longas espirais metálicas.
      Era de madrugada. Ouvi a voz de minha mãe, viúva.
      De repente não tinha pai.
      No escuro de minha casa em Los Angeles procurei recompor tua lembrança
      Depois de tanta ausência. Fragmentos da infância
      Boiaram do mar de minhas lágrimas. Vi-me eu menino
      Correndo ao teu encontro. Na ilha noturna
      Tinham-se apenas acendido os lampiões a gás, e a clarineta
      De Augusto geralmente procrastinava a tarde.
      Era belo esperar-te, cidadão. O bondinho
      Rangia nos trilhos a muitas praias de distância
      Dizíamos: “E-vem meu pai!”. Quando a curva
      Se acendia de luzes semoventes, ah, corríamos
      Corríamos ao teu encontro. A grande coisa era chegar antes
      Mas ser marraio em teus braços, sentir por último
      Os doces espinhos da tua barba.
      Trazias de então uma expressão indizível de fidelidade e paciência
      Teu rosto tinha os sulcos fundamentais da doçura
      De quem se deixou ser. Teus ombros possantes
      Se curvavam como ao peso da enorme poesia
      Que não realizaste. O barbante cortava teus dedos
      Pesados de mil embrulhos: carne, pão, utensílios
      Para o cotidiano (e frequentemente o binóculo
      Que vivias comprando e com que te deixavas horas inteiras
      Mirando o mar). Dize-me, meu pai
      Que viste tantos anos através do teu óculo-de-alcance
      Que nunca revelaste a ninguém?
      Vencias o percurso entre a amendoeira e a casa como o atleta exausto no último lance da maratona.
      Te grimpávamos. Eras penca de filho. Jamais
      Uma palavra dura, um rosnar paterno. Entravas a casa humilde
      A um gesto do mar. A noite se fechava
      Sobre o grupo familial como uma grande porta espessa.

      *

      Muitas vezes te vi desejar. Desejavas. Deixavas-te olhando o mar
      Com mirada de argonauta. Teus pequenos olhos feios
      Buscavam ilhas, outras ilhas... — as imaculadas, inacessíveis
      Ilhas do Tesouro. Querias. Querias um dia aportar
      E trazer — depositar aos pés da amada as joias fulgurantes
      Do teu amor. Sim, foste descobridor, e entre eles
      Dos mais provectos. Muitas vezes te vi, comandante
      Comandar, batido de ventos, perdido na fosforescência
      De vastos e noturnos oceanos
      Sem jamais.

      Deste-nos pobreza e amor. A mim me deste
      A suprema pobreza: o dom da poesia, e a capacidade de amar
      Em silêncio. Foste um pobre. Mendigavas nosso amor
      Em silêncio. Foste um no lado esquerdo. Mas
      Teu amor inventou. Financiaste uma lancha
      Movida a água: foi reta para o fundo.
      Partiste um dia
      Para um brasil além, garimpeiro, sem medo e sem mácula.
      Doze luas voltaste. Tua primogênita — diz-se —
      Não te reconheceu. Trazias grandes barbas e pequenas águas-marinhas.
      Não eram, meu pai. A mim me deste
      Águas-marinhas grandes, povoadas de estrelas, ouriços
      E guaiamus gigantes. A mim me deste águas-marinhas
      Onde cada concha carregava uma pérola. As águas-marinhas que me deste
      Foram meu primeiro leito nupcial.

      *

      Eras, meu pai morto
      Um grande Clodoaldo
      Capaz de sonhar
      Melhor e mais alto
      Precursor do binômio
      Que reverteria
      Ao nome original
      Semente do sêmen
      Revolucionário
      Gentil-homem insigne
      Poeta e funcionário
      Sempre preterido
      Nunca titular
      Neto de Alexandre
      Filho de Maria
      Cônjuge de Lydia
      Pai da Poesia.

      *

      Diante de ti homem não sou, não quero ser. És pai do menino que eu fui.
      Entre minha barba viva e a tua morta, todavia crescendo
      Há um toque irrealizado. No entanto, meu pai
      Quantas vezes ao ver-te dormir na cadeira de balanço de muitas salas
      De muitas casas de muitas ruas
      Não te beijei em meu pensamento! Já então teu sono
      Prenunciava o morto que és, e minha angústia
      Buscava ressuscitar-te. Ressuscitavas. Teu olhar
      Vinha de longe, das cavernas imensas do teu amor, aflito
      Como a querer defender. Vias-me e sossegavas.
      Pouco nos dizíamos: “Como vai?”. Como vais, meu pobre pai
      No teu túmulo? Dormes, ou te deixas
      A contemplar acima — eu bem me lembro! — perdido
      Na decifração de como ser?
      Ah, dor! Como quisera
      Ser de novo criança em teus braços e ficar admirando tuas mãos!
      Como quisera escutar-te de novo cantar criando em mim
      A atonia do passado! Quantas baladas, meu pai
      E que lindas! Quem te ensinou as doces cantigas
      Com que embalavas meu dormir? Voga sempre o leve batel
      A resvalar macio pelas correntezas do rio da paixão?
      Prosseguem as donzelas em êxtase na noite à espera da barquinha
      Que busca o seu adeus? E continua a rosa a dizer à brisa
      Que já não mais precisa os beijos seus?
      Calaste-te, meu pai. No teu ergástulo
      A voz não é — a voz com que me apresentavas aos teus amigos:
      “Esse é meu filho FULANO DE TAL”. E na maneira
      De dizê-lo — o voo, o beijo, a bênção, a barba
      Dura rocejando a pele, ai!

      *

      Tua morte, como todas, foi simples.
      É coisa simples a morte. Dói, depois sossega. Quando sossegou —
      Lembro-me que a manhã raiava em minha casa — já te havia eu
      Recuperado totalmente: tal como te encontras agora, vestido de mim.
      Não és, como não serás nunca para mim
      Um cadáver sob um lençol.
      És para mim aquele de quem muitos diziam: “É um poeta...”
      Poeta foste, e és, meu pai. A mim me deste
      O primeiro verso à namorada. Furtei-o
      De entre teus papéis: quem sabe onde andará... Fui também
      Verso teu: lembro ainda hoje o soneto que escreveste celebrando-me
      No ventre materno. E depois, muitas vezes
      Vi-te na rua, sem que me notasses, transeunte
      Com um ar sempre mais ansioso do que a vida. Levava-te a ambição
      De descobrir algo precioso que nos dar.
      Por tudo o que não nos deste
      Obrigado, meu pai.
      Não te direi adeus, de vez que acordaste em mim
      Com uma exatidão nunca sonhada. Em mim geraste
      O Tempo: aí tens meu filho, e a certeza
      De que, ainda obscura, a minha morte dá-lhe vida
      Em prosseguimento à tua; aí tens meu filho
      E a certeza de que lutarei por ele. Quando o viste a última vez
      Era um menininho de três anos. Hoje cresceu
      Em membros, palavras e dentes. Diz de ti, bilíngue:
      “Vovô was always teasing me...”
      É meu filho, teu neto. Deste-lhe, em tua digna humildade
      Um caminho: o meu caminho. Marcha ela na vanguarda do futuro
      Para um mundo em paz: o teu mundo — o único em que soubeste viver;
      aquele que, entre lágrimas, cantos e martírios, realizaste à tua volta.


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Miér 23 Nov 2022, 09:25

      DESERT HOT SPRINGS



      Na piscina pública de Desert Hot Springs
      O homem, meu heroico semelhante
      Arrasta pelo ladrilho deformidades insolúveis.
      Nesta, como em outras lutas
      Sua grandeza reveste-se de uma humilde paciência
      E a dor física esconde sua ridícula pantomima
      Sob a aparência de unhas feitas, lábios pintados e outros artifícios de vaidade.

      Macróbios espetaculares
      Espapaçam ao sol as juntas espinhosas como cactos
      Enquanto adolescências deletérias passeiam nas águas balsâmicas
      Seus corpos, ah, seus corpos incapazes de nunca amar.
      As cálidas águas minerais
      Com que o deserto impôs às Câmaras de Comércio
      Sua dura beleza outramente inabitável
      Acariciam aleivosamente seios deflatados
      Pernas esquálidas, gótico americano
      De onde protuberam dolorosas cariátides patológicas.
      Às bordas da piscina
      A velhice engruvinhada morcega em posições fetais
      Enquanto a infância incendida atira-se contra o azul
      Estilhaçando gotas luminosas e libertando rictos
      De faces mumificadas em sofrimentos e lembranças.
      A Paralisia Infantil, a quem foi poupada um rosto talvez belo
      Inveja, de seu líquido nicho, a Asma tensa e esquelética
      Mas que conseguiu despertar o interesse do Reumatismo Deformante.
      Deitado num banco de pedra, a cabeça no colo de sua mãe, o olhar infinitamente ausente
      Um blue boy extingue em longas espirais invisíveis
      A cera triste de sua matéria inacabada — a culpa hereditária
      Transformou a moça numa boneca sem cabimento.
      O banhista, atlético e saudável
      Recolhe periodicamente nos braços os despojos daquelas vidas
      Coloca-os em suas cadeiras de rodas, devolve-os a guardiães expectantes.
      E lá se vão eles a enfrentar o que resta de mais um dia
      E dos abismos de memória, sentados contra o deserto
      O grande deserto nu e só, coberto de calcificações anômalas
      E arbustos ensimesmados; o grande deserto antigo e áspero
      Testemunha das origens; o grande deserto em luta permanente contra a morte
      Habitado por plantas e bichos que ninguém sabe como vivem
      Varado por ventos que vêm ninguém sabe donde.



      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Miér 23 Nov 2022, 09:26

      RETRATO, À SUA MANEIRA



      Magro entre pedras
      Calcárias possível
      Pergaminho para
      A anotação gráfica

      O grafito Grave
      Nariz poema o
      Fêmur fraterno
      Radiografável a

      Olho nu Árido
      Como o deserto
      E além Tu
      Irmão totem aedo

      Exato e provável
      No friso do tempo
      Adiante Ave
      Camarada diamante!









      FIN de ANTOLOGIA POÉTICA
      Rio de Janeiro, A Noite, 1954




      [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Miér 23 Nov 2022, 09:28

      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      LIVRO DE SONETOS


      Rio de Janeiro, Livros de Portugal, 1957

      Após a sua temporada na Embaixada de Paris, Vinicius é transferido para Montevidéu, com breve passagem pelo Brasil. No ano anterior, tinha encenado no Teatro Municipal a histórica montagem de Orfeu da Conceição. Vinicius estava às vésperas de iniciar sua série de composições com Antonio Carlos Jobim, canções que seriam o marco fundador da Bossa Nova.

      A primeira edição deste Livro de sonetos trazia três desenhos e um retrato (de Vinicius), feitos por Carlos Scliar (que tinha feito, no ano anterior, o programa e um dos cartazes de Orfeu). Traz também um texto introdutório de Luiz Santa Cruz. Na segunda edição, em 1967, o livro saiu pela editora Sabiá, de Rubem Braga e Fernando Sabino. A nova edição tinha o prefácio de amigo, Otto Lara Resende e continha 25 novos sonetos, inseridos por Vinicius.





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Miér 23 Nov 2022, 09:29

      SONETO DE OXFORD



      Oh, partir pela noite enluarada
      No puro anseio de chegar lá onde
      A minha doce e fugitiva amada
      Na madrugada, trêmula, se esconde...

      Oh, sentir palpitar em cada fronde
      O amor, oculto; e ouvir a voz velada
      Da última estrela que do céu responde
      Numa cintilação inesperada...

      Oh, cruzar solidões, viver soturnas
      Magias, e entre lágrimas noturnas
      Ver o tempo passar, hora por hora

      Para o instante em que, isenta de desejo
      Ela despertará sob o meu beijo
      Enquanto a treva se desfaz lá fora...

      Oxford, 1938




      [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Miér 23 Nov 2022, 14:53

      SONETINHO A PORTINARI


      O pintor pequeno
      O grande pintor
      Ruim como um veneno
      Bom como uma flor

      Vi-o da Inglaterra
      Uma tarde, vi-o
      No ermo, vadio
      Brodóvski onde a terra

      É cor de pintura
      Muito louro, vi-o
      Dentro da moldura

      De um quadro de aurora
      O olhar azul frio:
      — Lá ia ele embora...

      Oxford, 1939


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Miér 23 Nov 2022, 14:53

      SONETO A LASAR SEGALL



      De inescrutavelmente no que pintas
      Como num amplo espaço de agonias
      Imarcescível música de tintas
      A arder na lucidez das coisas frias:

      Tão patéticas sois, tão sonolentas
      Cores que o meu olhar mortificais
      Entre verdes crestados e cinzentas
      Ferrugens no prelúdio dos metais.

      Que segredo recobre a velha pátina
      Por onde a luz se filtra quase tímida
      Do espaço silencioso que esculpiste

      Para pintar sem gritos de escalarte
      Na profunda revolta contra o crime
      Daqueles que fizeram a vida triste?...

      Rio, 1942


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Miér 23 Nov 2022, 14:54

      SONETO DE UM DOMINGO



      Em casa há muita paz por um domingo assim.
      A mulher dorme, os filhos brincam, a chuva cai...
      Esqueço de quem sou para sentir-me pai
      E ouço na sala, num silêncio ermo e sem fim,

      Um relógio bater, e outro dentro de mim...
      Olho o jardim úmido e agreste: isso distrai
      Vê-lo, feroz, florir mesmo onde o sol não vai
      A despeito do vento e da terra que é ruim.

      Na verdade é o infinito essa casa pequena
      Que me amortalha o sonho e abriga a desventura
      E a mão de uma mulher fez simples, pura e amena.

      Deus que és pai como eu e a estimas, porventura:
      Quando for minha vez, dá-me que eu vá sem pena
      Levando apenas esse pouco que não dura.

      Rio, setembro de 1944


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Miér 23 Nov 2022, 14:55

      TRÍPTICO NA MORTE DE SERGEI MIKHAILOVITCH EISENSTEIN
      I

      Camarada Eisenstein, muito obrigado
      Pelos dilemas, e pela montagem
      De Canal de Ferghama, irrealizado
      E outras afirmações. Tu foste a imagem

      Em movimento. Agora, unificado
      À tua própria imagem, muito mais
      De ti, sobre o futuro projetado
      Nos hás de restituir. Boa viagem

      Camarada, através dos grandes gelos
      Imensuráveis. Nunca vi mais belos
      Céus que esses sob que caminhas, só

      E infatigável, a despertar o assombro
      Dos horizontes com tua câmara ao ombro...
      Spasibo, tovarishch. Khorosho.


      II

      Pelas auroras imobilizadas
      No instante anterior; pelos gerais
      Milagres da matéria; pela paz
      Da matéria; pelas transfiguradas

      Faces da História; pelo conteúdo
      Da História e em nome de seus grandes idos
      Pela correspondência dos sentidos
      Pela vida a pulsar dentro de tudo

      Pelas nuvens errantes; pelos montes
      Pelos inatingíveis horizontes
      Pelos sons; pelas cores; pela voz

      Humana; pelo Velho e pelo Novo
      Pelo misterioso amor do povo
      Spasibo, tovarishch, Khorosho.


      III

      O cinema é infinito — não se mede.
      Não tem passado nem futuro. Cada
      Imagem só existe interligada
      À que a antecedeu e à que a sucede.

      O cinema é a presciente antevisão
      Na sucessão de imagens. O cinema
      É o que não se vê, é o que não é
      Mas resulta: a indizível dimensão.

      Cinema é Odessa, imóvel na manhã
      À espera do masssacre; é Nevski; é Ivan
      O Terrível; és tu, mestre! Maior

      Entre os maiores, grande destinado...
      Muito bem, Eisenstein. Muito obrigado.
      Spasibo, tovarishch. Khorosho.

      Los Angeles, 12/2/1948




      [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Miér 23 Nov 2022, 20:26

      SONETO DE FLORENÇA


      Florença... que serenidade imensa
      Nos teus campos remotos, de onde surgem
      Em tons de terracota e de ferrugem
      Torres, cúpulas, claustros: renascença

      Das coisas que passaram mas que urgem...
      Como em teu seio pareceu-me densa
      A selva oscura onde silêncios rugem
      No meio do caminho da descrença...

      Que tristes sombras nos teus céus toscanos
      Onde, em meu crime e meu remorso humanos
      Julguei ver, na colina apascentada

      Na forma de um cipreste impressionante
      O grande vulto secular de Dante
      Carpindo a morte da mulher amada...

      Rio, janeiro de 1953


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Sáb 26 Nov 2022, 08:01

      OS QUATRO ELEMENTOS
      I – O FOGO

      O sol, desrespeitoso do equinócio
      Cobre o corpo da Amiga de desvelos
      Amorena-lhe a tez, doura-lhe os pelos
      Enquanto ela, feliz, desfaz-se em ócio.

      E ainda, ademais, deixa que a brisa roce
      O seu rosto infantil e os seus cabelos
      De modo que eu, por fim, vendo o negócio
      Não me posso impedir de pôr-me em zelos.

      E pego, encaro o Sol com ar de briga
      Ao mesmo tempo que, num desafogo
      Proibo-a formalmente que prossiga

      Com aquele dúbio e perigoso jogo...
      E para protegê-la, cubro a Amiga
      Com a sombra espessa do meu corpo em fogo.


      II – A TERRA

      Um dia, estando nós em verdes prados
      Eu e a Amada, a vagar, gozando a brisa
      Ei-la que me detém nos meus agrados
      E abaixa-se, e olha a terra, e a analisa

      Com face cauta e olhos dissimulados
      E, mais, me esquece; e, mais, se interioriza
      Como se os beijos meus fossem mal dados
      E a minha mão não fosse mais precisa.

      Irritado, me afasto; mas a Amada
      À minha zanga, meiga, me entretém
      Com essa astúcia que o sexo lhe deu.

      Mas eu que não sou bobo, digo nada...
      Ah, é assim... (só penso) Muito bem:
      Antes que a terra a coma, como eu.


      III –O AR

      Com mão contente a Amada abre a janela
      Sequiosa de vento no seu rosto
      E o vento, folgazão, entra disposto
      A comprazer-se com a vontade dela.

      Mas ao tocá-la e constatar que bela
      E que macia, e o corpo que bem-posto
      O vento, de repente, toma gosto
      E por ali põe-se a brincar com ela.

      Eu a princípio, não percebo nada...
      Mas ao notar depois que a Amada tem
      Um ar confuso e uma expressão corada

      A cada vez que o velho vento vem
      Eu o expulso dali, e levo a Amada:
      Também brinco de vento muito bem!


      IV – A ÁGUA

      A água banha a Amada com tão claros
      Ruídos, morna de banhar a Amada
      Que eu, todo ouvidos, ponho-me a sonhar
      Os sons como se foram luz vibrada.

      Mas são tais os cochichos e descaros
      Que, por seu doce peso deslocada
      Diz-lhe a água, que eu friamente encaro
      Os fatos, e disponho-me à emboscada.

      E aguardo a Amada. Quando sai, obrigo-a
      A contar-me o que houve entre ela e a água:
      — Ela que me confesse! Ela que diga!

      E assim arrasto-a à câmara contígua
      Confusa de pensar, na sua mágoa
      Que não sei como a água é minha amiga.

      Montevidéu, abril de 1960







      [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Dom 27 Nov 2022, 09:06

      SONETO DA HORA FINAL


      Será assim, amiga: um certo dia
      Estando nós a contemplar o poente
      Sentiremos no rosto, de repente
      O beijo leve de uma aragem fria.

      Tu me olharás silenciosamente
      E eu te olharei também, com nostalgia
      E partiremos, tontos de poesia
      Para a porta de treva aberta em frente.

      Ao transpor as fronteiras do Segredo
      Eu, calmo, te direi: — Não tenhas medo
      E tu, tranquila, me dirás: — Sê forte.

      E como dois antigos namorados
      Noturnamente triste e enlaçados
      Nós entraremos nos jardins da morte.

      Montevidéu, julho de 1960


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Dom 27 Nov 2022, 09:07

      SONETO A PABLO NERUDA


      Quantos caminhos não fizemos juntos
      Neruda, meu irmão, meu companheiro...
      Mas este encontro súbito, entre muitos
      Não foi ele o mais belo e verdadeiro?

      Canto maior, canto menor — dois cantos
      Fazem-se agora ouvir sob o Cruzeiro
      E em seu recesso as cóleras e os prantos
      Do homem chileno e do homem brasileiro

      E o seu amor — o amor que hoje encontramos...
      Por isso, ao se tocarem nossos ramos
      Celebro-te ainda além, Cantor Geral

      Porque como eu, bicho pesado, voas
      Mas mais alto e melhor do céu entoas
      Teu furioso canto material!

      Atlântico Sul, a caminho do Rio, 1960


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Dom 27 Nov 2022, 09:08

      SONETO NO SESSENTENÁRIO DE RAFAEL ALBERTI



      A luminosa lágrima que verte
      Hoje de ti saudosa a tua Espanha
      Quero bebê-la em forma de champanha
      Na mesma taça em que bebeste, Alberti.

      E brindaremos para que desperte
      Num ímpeto feroz de touro em sanha
      Sedenta de viver a tua Espanha
      Que um mau toureiro derrotou inerte.

      Beberemos, irmão, por que bem haja
      Teu povo malferido, e que reaja
      E do encontro final, rútilo e forte

      Reste na arena o touro sobranceiro
      E pela arena, o sangue do toureiro
      Conte que a vida renasceu da morte.

      Petrópolis, 10/12/1962


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Dom 27 Nov 2022, 09:09

      SONETO DA ESPERA


      Aguardando-te, amor, revejo os dias
      Da minha infância já distante, quando
      Eu ficava, como hoje, te esperando
      Mas sem saber ao certo se virias.

      E é bom ficar assim, quieto, lembrando
      Ao longo de milhares de poesias
      Que te estás sempre e sempre renovando
      Para me dar maiores alegrias.

      Dentro em pouco entrarás, ardente e loura
      Como uma jovem chama precursora
      Do fogo a se atear entre nós dois

      E da cama, onde em ti me dessedento
      Tu te erguerás como o pressentimento
      De uma mulher morena a vir depois.

      Rio, abril de 1963




      [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Lun 28 Nov 2022, 18:32

      SONETO DA ROSA TARDIA


      Como uma jovem rosa, a minha amada...
      Morena, linda, esgalga, penumbrosa
      Parece a flor colhida, ainda orvalhada
      Justo no instante de tornar-se rosa.

      Ah, porque não a deixas intocada
      Poeta, tu que és pai, na misteriosa
      Fragrância do seu ser, feito de cada
      Coisa tão frágil que perfaz a rosa...

      Mas (diz-me a Voz) por que deixá-la em haste
      Agora que ela é rosa comovida
      De ser na tua vida o que buscaste

      Tão dolorosamente pela vida?
      Ela é rosa, poeta... assim se chama…
      Sente bem seu perfume... Ela te ama...

      Rio, julho de 1963


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Lun 28 Nov 2022, 18:33

      SONETO DO GATO MORTO


      Um gato vivo é qualquer coisa linda
      Nada existe com mais serenidade
      Mesmo parado ele caminha ainda
      As selvas sinuosas da saudade

      De ter sido feroz. À sua vinda
      Altas correntes de eletricidade
      Rompem do ar as lâminas em cinza
      Numa silenciosa tempestade.

      Por isso ele está sempre a rir de cada
      Um de nós, e a morrer perde o veludo
      Fica torpe, ao avesso, opaco, torto

      Acaba, é o antigato; porque nada
      Nada parece mais com o fim de tudo
      Que um gato morto.



      Florença, novembro de 1963


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Lun 28 Nov 2022, 18:33

      ANFIGURI


      Aquilo que eu ouso
      Não é o que quero
      Eu quero o repouso
      Do que não espero.

      Não quero o que tenho
      Pelo que custou
      Não sei de onde venho
      Sei para onde vou.

      Homem, sou a fera
      Poeta, sou um louco
      Amante, sou pai.

      Vida, quem me dera...
      Amor, dura pouco...
      Poesia, ai!...

      Rio, 1965


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Lun 28 Nov 2022, 18:35

      SONETO DE MAIO


      Suavemente Maio se insinua
      Por entre os véus de Abril, o mês cruel
      E lava o ar de anil, alegra a rua
      Alumbra os astros e aproxima o céu.

      Até a lua, a casta e branca lua
      Esquecido o pudor, baixa o dossel
      E em seu leito de plumas fica nua
      A destilar seu luminoso mel.

      Raia a aurora tão tímida e tão frágil
      Que através do seu corpo transparente
      Dir-se-ia poder-se ver o rosto

      Carregado de inveja e de presságio
      Dos irmãos Junho e Julho, friamente
      Preparando as catástrofes de Agosto...

      Ouro Preto, maio de 1967





      FIN DEL LIBRO DE SONETOS


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Mar 29 Nov 2022, 07:29



      POEMA DE NACIMIENTO


      Para eso fuimos hechos:
      Para recordar y ser recordados
      Para llorar y hacer llorar
      Para enterrar nuestros muertos --
      Por eso tenemos brazos
      largos para los adioses

      Manos para coger lo que fue dado
      Dedos para cavar la tierra.
      Asi será nuestra vida:
      Una tarde siempre olvidándose
      Una estrella apagándose en la sombra
      Un camino entre dos túmulos —
      Por eso precisamos velar

      Hablar bajo, pisar leve, ver
      La noche dormir en silencio.
      No hay mucho que decir:
      Una canción sobre una cuna
      Un verso, tal vez, de amor
      Una oración por quien se va —
      Que esa hora no se olvide

      Y por ella nuestros corazones
      Se entreguen, graves y sim,ples.
      Pues para eso fuimos hechos:
      Para esperar el milagro
      Para participar de la poesía
      Para ver la cara de la muerte —
      De repente nunca más esperaremos...
      Hoy la noche es joven; de la muerte sólo
      Nacemos, inmensamente.





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
      Maria Lua
      Maria Lua
      Administrador-Moderador
      Administrador-Moderador


      Cantidad de envíos : 67212
      Fecha de inscripción : 12/04/2009
      Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Maria Lua Mar 29 Nov 2022, 07:32

      LA MASCARA DE LA NOCHE


      5/, esa tarde conoce todos mis pensamientos
      Todos mis secretos y todos mis patéticos anhelos
      Bajo ese cielo como visión azul de incienso
      Las estrellas son pasados perfumes que me llegan..
      .
      Si, esa tarde que no conozco es una mujer que me llama
      Y he aquí que es sólo una ciudad, una ciudad dorada de astros
      Aves, hojas silenciosas, sonidos perdidos en colores
      Nubes como velas abiertas para el tiempo...

      No sé, toda esa evocación perdida, toda esa música perdida
      Es como un presentimiento de inocencia, como un llamado...
      Mas para qué buscar si la forma quedó desvanecida en el gesto
      Si la poesía quedó durmiendo en los brazos del ayer.
      ..
      ¿Cómo saber si es tarde, si habrá mañana para el crepúsculo
      En este entorpecimiento, en este filtro mágico de lágrimas?
      ¡Rocío, rocío! desciende sobre mis ojos, sobre mi sexo
      ¡Haz que surjan diamantes en el sol!

      Me acuerdo... como si fuese la hora de la memoria
      Otras tardes, otras ventanas, otras criaturas en el alma
      La mirada abandonada de un lago y el temblor del viento
      Senos creciendo hacia el poniente como salmos...

      ¡Oh, la dulce tarde! Sobre mares de hielo ardientes de reflejos
      Vagan plácidamente navios fantásticos de plata
      Y en grandes castillos de color de oro, serenos ángeles azules
      Tañen campanas de cristal que vibran en la inmensa transparencia.

      Yo siento que esa tarde me está viendo, que esa serenidad me está viendo
      Que el momento de la creación me está viendo en este doloroso
      instante de quietud en mí mismo
      ¡Oh creación que me estás viendo, tórnate mujer y bésame los ojos

      Acaricia mis cabellos, canta una canción para dormirme!
      Tú eres el bien, máscara de la noche, con tu rósea carne
      Con tus largos chales campestres y tus cánticos
      ¡Tú eres el bien! oigo tus faunos acribillando las aguas de sones de flautas

      En largas y fragantes escalas cromáticas...
      Ah, mi verso tiene palpitaciones dulcísimas! —¡primaveras!
      Sueños bucólicos nunca soñlados por el desespero
      ¡ Visiones de ríos plácidos y bosques adormecidos

      Sobre el panorama crucificado y monstruoso de los tejados!
      ¿Por qué vienes, noche? ¿Por qué no aduermes tu crespón?
      ¿Por qué no te evaporas --espectro— en ese tierno perfiíme de rosas?
      ¡Deja que la tarde envuelva eternamente el rostro de los dioses

      Noche, dolorosa noche, misteriosa noche!
      ¡Oh, tarde, máscara de la noche, tú eres la presciencia
      Sólo tú conoces y acoges todos mis pensamientos!
      ¡Tu cielo, tu luz, tu calma
      Son, en mi, la palabra de la muerte y del sueño!


      _________________



      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


      "Ser como un verso volando
      o un ciego soñando
      y en ese vuelo y en ese sueño
      compartir contigo sol y luna,
      siendo guardián en tu cielo
      y tren de tus ilusiones."
      (Hánjel)





      [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]

      Contenido patrocinado


      VINICIUS DE MORAES  - Página 22 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

      Mensaje por Contenido patrocinado


        Fecha y hora actual: Miér 28 Feb 2024, 19:30