https://www.airesdelibertad.com

Leer, responder, comentar, asegura la integridad del espacio que compartes, gracias por elegirnos y participar

Estadísticas

Nuestros miembros han publicado un total de 918592 mensajes en 43300 argumentos.

Tenemos 1466 miembros registrados

El último usuario registrado es Fiama Gallini

Últimos temas

» X. SONETOS POETAS ESPAÑOLES SIGLO XX (III)
La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 EmptyHoy a las 01:00 por Pascual Lopez Sanchez

» AGITAR TU CANDIDEZ
La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 EmptyAyer a las 14:49 por Ernesto Lovera

» ARTEMISA
La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 EmptyAyer a las 14:41 por Ernesto Lovera

» SUPLICO SU CANDOR
La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 EmptyAyer a las 14:05 por Ernesto Lovera

» ANHELO DE LUZ
La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 EmptyAyer a las 13:41 por Pedro Casas Serra

» SOY TU TROVADOR
La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 EmptyAyer a las 13:38 por Pedro Casas Serra

» ACIAGO EXISTIR
La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 EmptyAyer a las 13:36 por Pedro Casas Serra

» POESÍA SOCIAL XVI
La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 EmptyAyer a las 13:34 por Pascual Lopez Sanchez

» Fernando Pessoa: Libro del desasosiego
La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 EmptyAyer a las 02:53 por Pedro Casas Serra

» FRANCISCO BRINES
La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 EmptyDom 20 Jun 2021, 14:47 por Pascual Lopez Sanchez

Clik Boton derecho y elige abrir en pestaña nueva- DICC. R.A.E

¿Quién está en línea?

En total hay 39 usuarios en línea: 2 Registrados, 0 Ocultos y 37 Invitados :: 2 Motores de búsqueda

Angel Salas, Pascual Lopez Sanchez


El record de usuarios en línea fue de 360 durante el Sáb 02 Nov 2019, 06:25

Clik Boton derecho y elige abrir en pestaña nueva- DICC. R.A.E

Junio 2021

LunMarMiérJueVieSábDom
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930    

Calendario Calendario

Conectarse

Recuperar mi contraseña

Galería


La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Mar 12 Ene 2021, 08:07

Gracias, querida Cecilia!
La Literatura de Cordel en nordeste de Brasil
es algo muy interesante y original.
Besos
Maria Lua


Mira en las páginas abajo las ilustraciones de las cartas del tarot
dibujadas por un "cordelista"

https://howance.wordpress.com/2016/07/21/ilustrador-desenha-cartas-de-tarot-em-versao-literatura-de-cordel/

http://www.redefolkcom.org/ilustrador-faz-releitura-de-cartas-de-taro-com-tematica-nordestina/


Dejo algunas aquí:

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 D2b3d938605923-57685e421df63-724x10241


La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 98501938605923-57685e421732b-724x1024







La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Amorte

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 B9838e38605923-57685e421ef04-724x1024

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 D0a01d38605923-57685e421face-724x1024

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 406bcd38605923-57685e421880a-724x1024


_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7
cecilia gargantini
cecilia gargantini
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 33491
Fecha de inscripción : 25/04/2009
Edad : 67
Localización : buenos aires

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por cecilia gargantini Mar 12 Ene 2021, 14:41

Qué bueno!!!!!!!!!!!!!!!Me encantaron esas cartas de tarot!!!!!!!!!!!!!!
Muchas gracias, amiga
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Jue 14 Ene 2021, 06:18

Un género naif e ingenuo, sin duda, pero también adaptado a las necesidades de un público que todavía existe.

No se trata de un ejemplo único: cuando
en septiembre de 2001 ocurre el ataque de Al Qaeda contra las torres gemelas en
Nueva York, la literatura de cordel brasileña se apresta a recogerlo en términos
similares, tal como ha sido estudiado por Candace Slater (Slater, 2003):

“Como
poeta repórter / Nordestino Brasileiro / descrevo neste cordel / um lamentável
roteiro / Do mais cruel fanatismo / Num ato de terrorismo / Que abalou o
mundo enteiro”, dice José João dos Santos, Mestre Azulão, que relata cómo fue
invitado por la propia Candace Slater (“Candace disse, Azulão, / venho convidar
você / para ir a Nova York”).

Pero incluso estos cordeles noticiosos, escritos por
hombres con una cierta cultura, no pueden, o no quieren, evitar recurrencias temáticas como las ambiguas referencias al bandido, de las que son buena prueba
estas estrofas, del mencionado folleto de Dos Santos:


Bin Laden está bem guardado
Em caverna ou fortaleza
Cercado por homens fortes
Com armas para defesa
Não sofre nem vai ser morto
Gozando o maior conforto
Porque tem muita riqueza.


Ni evita referencias —como en el folleto sobre los atentados de Madrid— al
poder establecido:


George Bush irredutível
Na vingança permanece
Destruindo o Oriente
E um povo que padece
Fome e jogado na rua
Mas a guerra continua
Matando quem não merece.

No se evita en ningún caso la propia visión de las cosas, por ingenua que
pueda parecer, porque, finalmente, y como dice Candace Slater, los consumidores de literatura de cordel consideran al poeta o cordelista un portavoz del
pueblo “whose job was to express a collective vision”, lo que supone, en palabras
de otro cordelista, Manuel d’Almeida Filho, que gane la firmeza y se denuncie
la falsedad (Slater, 2003: 57).




https://ddd.uab.cat/pub/caplli/2015/144719/stuarmon_a2015n6p447.pdf


_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Vie 15 Ene 2021, 08:14

Literatura de cordel en Brasil


Se conoce como literatura de cordel, a un tipo especial de poesía, que originariamente fuera de carácter oral, pero que luego pasó a la escritura, en “pliegos de cordel”, llamados así, porque se exponían para la venta en tendederos de cuerdas. Esta forma es típica de Portugal y España, pero tuvo mayor éxito en Brasil.

La escritura es rimada, y algunos de los poemas vienen acompañados con xilografías. En general se presentan en estrofas de diez y seis versos. Los propios autores (cordelista), recitaban los versos acompañados por guitarra.

Esta modalidad tiene sus inicios en el romancero luso-español, durante la Edad Media y el Renacimiento.

En Portugal, muchas de las obras de cordel fueron presentadas como piezas teatrales. Como las de Gil Vicente.

Es a través de Portugal, que el cordel llega a Brasil en el siglo XIX. Eran expuestos en balcones, en forma horizontal. No hay muchos textos en prosa en la modalidad de cordel.

Esta forma literaria también está presente en España, Sicilia y México.

Obras de la literatura de cordel:
La temática principal de la literatura de cordel son las escenas cotidianas, hechos históricos, religión, leyendas. Estas composiciones surgían cuando sucedía un hecho de importancia.

En la zona nordeste de Brasil se encuentra la mayor producción de esta poesía, principalmente en Pernambuco, Paraíba y Ceará. Se vendían en ferias y mercados, y eran leídos por los sus autores. También eran exportados hacia otros estados.

Los principales exponentes de este género son: Leandro Gomes Barros (1865-1918), y João Martins de Athayde (1880-1959).

Los textos de los folletos eran simples y coloquiales, por lo que fueron despreciados durante mucho tiempo. Pero presenta ciertos aspectos interesantes: Las xilografías que acompañaban ciertos textos, eran dignas representantes de imaginario popular. Eran divulgadores de las tradiciones populares, del arte cotidiano y de los autores locales, lo que servía mantener la identidad local y el folklore nacional. Estos textos contribuían a motivar los hábitos de lectura en la gente humilde, contribuyendo en la lucha contra el analfabetismo. La temática de cordel, por ser de crítica política y social, adquirió estatus de obra didáctica y educativa.

En Brasil aún está presente este género literario y goza de la protección estatal y del interés de los investigadores. Existen organizaciones encargadas de recuperar y reeditar los principales textos de cordel.



http://www.viajeabrasil.com/cultura/literatura-de-cordel-en-brasil.php


_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Vie 15 Ene 2021, 08:22

BRASIL CULTURA


Brasil declara su Literatura de Cordel como Patrimonio Cultural Inmaterial


EFERío de Janeiro19 sep. 2018

La Literatura de Cordel, un género poético muy popular en diferentes regiones brasileñas difundido mediante folletos de colores y con ilustraciones, fue declarada hoy como Patrimonio Cultural Inmaterial de Brasil.

Su inclusión en la lista de bienes inmateriales del Patrimonio Cultural fue aprobada por decisión unánime de los miembros del Consejo Consultivo del Instituto de Patrimonio Histórico y Artístico Nacional (Iphan) en una reunión este miércoles en Río de Janeiro.

La Literatura de Cordel tuvo su origen en España y Portugal en el siglo XVI pero alcanzó su mayor difusión en el nordeste de Brasil, la región más pobre del país y en donde aún tiene gran importancia como instrumento de difusión cultural y hasta informativa.

Se trata de poesías populares sobre los más diversos asuntos, publicadas en hojas sueltas o folletos que son colgados en cuerdas en puestos callejeros, costumbre de la que procede su nombre.

Los miembros del Consejo Consultivo del Ipham, entre los cuales el ministro de Cultura de Brasil, Sergio Sá Leitao, destacaron que se trata no sólo de un género literario sino también del oficio y el medio de supervivencia de numerosos brasileños.

"Poetas, declamadores, editores, ilustradores (dibujantes, artistas plásticos, productores de xilograbados) y folleteros (como son conocidos los vendedores de las obras) ya pueden conmemorar debido a que la Literatura de Cordel fue declarada Patrimonio Cultural Inmaterial Brasileño", según el comunicado del Iphan.

La entidad agregó que, pese a que comenzó en el norte y en el nordeste de Brasil, este género se diseminó por todo el país, principalmente por la migración de los habitantes de esas regiones, y hoy es practicado con intensidad en al menos 13 de los 27 estados del país.

"En todos esos estados es posible encontrar esta expresión cultural, que refleja el imaginario colectivo, la memoria social y el punto de vista de los poetas sobre hechos vividos o imaginados", explicó el Instituto.

Entre las características de la Literatura de Cordel destacan su métrica y rimas específicas y su difusión en medios artesanales y baratos.


https://www.efe.com/efe/america/cultura/brasil-declara-su-literatura-de-cordel-como-patrimonio-cultural-inmaterial/20000009-3755037


_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Vie 15 Ene 2021, 08:29

La literatura de cordel es un tipo de poesía, originalmente oral, y después escrita en los llamados pliegos de cordel puestos en venta en tendederos de cuerdas, de ahí su nombre. Fueron típicas en España y Portugal y tuvieron mayor éxito aún en Brasil. Están escritos en forma de rima y algunos poemas están ilustrados con xilografías. Las estrofas más comunes son de diez, y otras de seis. Los autores, o cordelistas, recitaban los versos de forma melodiosa acompañados de viola.
La historia de la literatura cordel comienza con el romancero luso-español de la Edad media y del Renacimiento. El nombre de cordel esta ligado a la forma de comercialización de los folletos en Portugal, donde eran colgados en cuerdas. Inicialmente también fueron expuestas como piezas de teatro, como los de autoría de Gil Vicente. Son los portugueses los que transladan la literatura cordel hacia Brasil en el siglo XIX. Los folletos en este país eran expuestos horizontalmente en balcones. Hay pocas composiciones de prosa de este tipo de literatura. También existe en España (muchas compuestas por relatos de ciegos y sobre todo en Extremadura), Sicilia, México, Chile y por supuesto, Portugal.
Los temas tratados son mayoritariamente de hechos cotidianos, episodios históricos, leyendas y religión. Los autores creaban estas composiciones cuando un hecho de importancia tenía lugar, como el suicidio del presidente de Brasil, Getúlio Vargas. En Brasil la producción era típica de la Región Nordeste, sobre todo los estados de Pernambuco, de Paraíba y Ceará. Eran vendidos de forma habitual en mercados y ferias por los propios autores. Había además exportación hacia otros estados.
Los poetas Leandro Gomes de Barros (1865-1918) y João Martins de Athayde (1880-1959) son los principales autores de este género.
La expresión escrita de estos folletos era bastante simple y coloquial y fue durante mucho tiempo despreciada. Todavía este tipo de literatura presenta varios aspectos interesantes y dignos de destacar:
Las xilografías represantan un importante reflejo del imaginario popular.
Sirven como divulgadores del arte cotidiano, de las tradiciones populares y de autores locales, sirviendo para la manutención de la identidad local y del folclore nacional.
Ayudaban a la expansión de los hábitos de lectura entre la gente humilde y lucha contra la analfabetización.
La tipología de los asuntos a los que hacen referencia, crítica social y política, elevaron a la literatura de cordel a estandarte de obras didácticas y educativas.




http://www.geifco.org/actionart/actionart03/ediciones/archivos/fundacionBoschICardellac.htm



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Literaturadecordel-2


_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Vie 15 Ene 2021, 08:32

Literatura de cordel


Lúcia Gaspar
Bibliotecaria de la Fundación Joaquim Nabuco
pesquisaescolar@fundaj.gov.br  



La literatura de cordel es así llamada por la forma como son vendidos los folletos, colgados en cordones (cordón), en las ferias, mercados, plazas y puestos de periódico, principalmente de las ciudades del interior y en los suburbios de las grandes ciudades. Esa denominación fue dada por los intelectuales y es como aparece en algunos diccionarios. El pueblo se refiere a la literatura de cordel apenas como folleto.
La tradición de esas publicaciones populares, generalmente en versos, viene de la Europa. Em el siglo XVIII, ya era común entre los portugueses la expresión literatura de ciego, por causa de la ley promulgada por Don João V, en 1789, permitiendo a la Hermandad de los Hombres Ciegos de Lisboa negociar con ese tipo de publicación.

Ese tipo de literatura no existe apenas en Brasil, sino, también, en Sicilia (Italia), en España, en México y en Portugal. En España es llamada de pliego de cordel y pliegos sueltos (hojas sueltas). En todos esos locales hay literatura popular en versos.

Según Luís da Cámara Cascudo, en el libro Vaqueros y cantantes (Porto Alegre: Globo, 1939. p.16) los folletos fueron introducidos en Brasil por el cantante Silvino Pirauá de Lima y después por el dúo Leandro Gomes de Barros y Francisco das Chagas Batista. Em el inicio de la publicación de la literatura de cordel en el País, muchos autores de folletos eran también cantantes, que improvisaban versos, viajando por las haciendas, villas y ciudades pequeñas del semi desierto. Con la creación de imprentas particulares en casas y Tiendas de campañas de poetas, cambió el sistema de divulgación. El autor del folleto podía quedarse en un lugar la mayor parte del tiempo, porque sus obras eran vendidas por folleteros o revendedores empleados por él.

El poeta popular es el representante del pueblo, el reportero de los sucesos de la vida en el Nordeste de Brasil. No hay límite en la elección de los temas para la creación de un folleto. Puede narrar los hechos de Lampião, las "extravagancias" de héroes como João Grilo o Cancão de Fogo, una historia de amor, sucesos importantes de interés público.

Según Ariano Suassuna, un estudioso del asunto, la literatura popular en versos del Nordeste brasileño puede ser clasificada en los siguientes ciclos: el heroico, el maravilloso, el religioso o moral, el satírico y el histórico.

Actualmente, la literatura de cordel no tiene un buen mercado en Brasil, como sucedía en la década de 50, cuando fueron impresos y vendidos dos millones de folletos sobre la muerte de Getúlio Vargas, en un total de 60 títulos.

Hoy, los folletos pueden ser encontrados en algunos mercados públicos, como el Mercado de São José, en Recife, en ferias, como la de Caruaru, y en sebos (venta de libros usados). Hay una colección de folletos de cordel disponible para consulta, en el acervo de la Biblioteca Central Blanche Knopf de la Fundación Joaquim Nabuco.

Recife, 18 de julio de 2003.

(Actualizado el 28 de noviembre de 2009).

FUENTES CONSULTADAS:

CURRAN, Mark J. A página editorial do poeta popular. Revista Brasileira de Folclore, Rio de Janeiro, a. 12, n.32, p.5-16, jan./abr. 1972.

VILA NOVA, Sebastião. Literatura de cordel. Recife: IJNPS. Instituto de Pesquisas
Sociais, 1976. (Folclore 19).


_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Vie 15 Ene 2021, 09:01

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Pop_cordel_035



História de José do Egito.




João Martins de Athayde

Jacob foi um patriarca
De uma vida exemplar
Teve Raquel como esposa
Uma jovem singular
Pai de José do Egito
De quem pretendo falar.

Foram pais de onze filhos
De uma só geração
Não quero falar de todos
Pra não fazer confusão
Falo em José do Egito
Benjamim e Simião.

José era o mais moço
De Jacob era estimado
Devido essa simpatia
Pelos outros era odiado
Esse ódio aumentou tanto
Que o velho tinha cuidado.

José conhecendo isso
A todos ele temia
A intriga aumentou mais
Porque José disse um dia
Um crime que tinham feito
De cujo ninguém sabia.

Eles pensavam consigo
O que deviam fazer
Para dar fim a José
Sem o velho conhecer
Vivia o pobre menino
Sentenciado a morrer.

Disse José aos irmãos:
– Eu essa noite sonhei
Que nós andávamos juntos
E por um lugar passei
Vi onze adorando um
Quem era, também não sei.

Disse José outra vez:
– Eu tive outro sonho assim
Que me achava no deserto
Dum oceano sem fim
O sol, a lua, onze estrelas
Estavam adorando a mim.

Ficaram encolerizados
De inveja e de paixão
Vendo que aqueles sonhos
Eram a predestinação
Entre si todos juraram
De assassinar o irmão.

Eles pastoravam gado
Distante da moradia
Já o velho impaciente
Por não vê-los todo dia
Mandou José saber deles
Sem se lembrar da porfia.

Quando avistaram José
Criaram tanto rancor
Olhavam uns para os outros
Com olhos de traidor
Dizendo: – Vamos matá-lo
Porque ele é um sonhador.

Disse Rubens aos outros:
– Cá na minha opinião
Eu acho uma cousa triste
Assassinar um irmão
Botem ele na cisterna
Não lhe dê água nem pão.

Assim mesmo eles fizeram
Quando o menino chegou
Tiraram o roupa toda
Ele despido ficou
Botaram ele na cisterna
Ali mais ninguém passou.

Depois que José estava
Naquela horrenda prisão
Passaram uns israelitas
E tiveram compaixão
E chamaram os assassinos
Para comprar-lhes o irmão

Por vinte moedas em prata
Foi o menino vendido
Todos que assistiram a venda
Consideravam perdido
Numa nação estrangeira
Como escravo desvalido.








(continuará)


_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Vie 15 Ene 2021, 09:03

Depois pegaram a túnica
Que José tinha deixado
Quando entrou na cisterna
Que eles tinham tirado
Mandaram levar ao velho
E dar-lhe mais um recado.

Botaram sangue na túnica
E mandaram o velho ver
Dizia assim o recado:
– Meu pai, procure a saber
De quem era essa túnica
Não podemos conhecer.

Quando o velho viu a túnica
Começou logo a chorar
Oh! Meu Deus, perdi meu filho
Como é que hei de passar?!
Foram as feras do deserto
Que o quiseram matar!

Enquanto Jacob chorava
A morte do filho amado
Ele entrava no Egito
Para onde foi levado
Foi vendido a Putifar
Intendente do reinado.

José que era um moço
Dotado de consciência
Putifar encontrou nele
Força de inteligência
Confiou da sua casa
Toda superintendência.

Em poucos dias depois
A mulher de Putifar
Intentou gozar-se dele
Não pode realizar
Por meio da falsidade
Prometeu de se vingar.

Disse ela a Putifar:
– Seu empregado é ruim
Inda ontem aquele infame
Dirigiu pilhéria a mim
Sendo eu sua esposa
Não posso ficar assim.

Putifar logo afobou-se
Ficou sego de paixão
E mandou chamar José
Na mesma ocasião
Foi duas praças com ele
Pra remetê-lo à prisão.

Entrou José na prisão
Dele ninguém tinha dó
Depois ficou mais contente
Porque não estava só
Se achava mais um copeiro
Da corte de Faraó.

Depois chegou um padeiro
Que preso também ficou
Um deles teve um sonho
E outro também sonhou
Todos mistérios dos sonhos
Foi José quem decifrou.

Disse o padeiro a José
Tudo que tinha sonhado
Por ordem de Faraó
Ia ser crucificado
E pelas aves de rapina
Seu corpo era devorado.


(continuará)


_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Vie 15 Ene 2021, 09:05

Disse o copeiro a José
Prometendo não faltar
– Pela sua liberdade
Eu tenho de trabalhar
Só terei algum descanso
Quando você se soltar.

Apesar dessa promessa
Ser de tão boa vontade
Porém como a tal prisão
Foi feita com falsidade
José passou mais dois anos
Sem gozar da liberdade.

Faraó teve dois sonhos
Que o impressionaram
Vendo sete vacas gordas
Que dele se aproximaram
Vinham outras sete magras
Que as gordas devoraram.

Quando foi no outro dia
Faraó mandou chamar
Todos os sábios que haviam
Residentes no lugar
Cada um disse uma asneira
Não puderam decifrar.

O copeiro então lembrou-se
Do que tinha se passado
De um sonho que tinha tido
E José tinha decifrado
Mandaram soltar José
E trouxeram para o reinado.

José chegando na corte
Foi muito em recebido
Para decifrar o sonho
Que o Faraó tinha tido
José explicou tudo
Sem ter de nada sabido.

– Senhor; lhe disse José
Os sonhos são verdadeiros
Essas vacas gordas
São sete anos primeiros
Serão de tanta fartura
De abarrotar os celeiros.

– E as sete vacas magras
Por minha vez também cismo
São sete anos de seca
De miséria e cataclismo
A nação que descuidar-se
Cairá sobre o abismo.

– Eu acho conveniente
Que a vossa majestade
Procure um bom ministro
Que tenha capacidade
Para comprar todo trigo
Que aparecer na cidade.

– Se acaso rei meu senhor
Este conselho não tome
Chegando o tempo da crise
O Egito muda de nome
Se acabam os pobres na rua
Todos morrendo de fome.

Faraó vendo a conversa
Anti-tradicional
Vendo que o cataclismo
Se torna universal
Disse a José: És ministro
Pela ordem imperial.

O rei lhe dizendo isso
Entregou-lhe um anelão
Dizendo: Pega esta jóia
Que te dou por distinção
Dora em diante serás chefe
De toda esta nação.

Tinha José nesse tempo
Trinta e um anos de idade
Tomou conta da missão
Tinha plena liberdade
De fazer naquele reino
O que tivesse vontade.

Chegou o tempo abundante
José pegou a comprar
Trigo, feijão e farinha
Vindos de todo lugar
Depois dos celeiros cheios
Não teve onde botar.

Mandou fazer um depósito
De muito grande extensão
Num dos pontos da cidade
Prevendo a ocasião
Pra socorro da pobreza
Sendo da sua nação.

Um tempo assim como aquele
Nunca se viu outro igual
As nações tinham fartura
De um modo descomunal
Findou o tempo abundante
Entrou a crise fatal.

Já depois de quatro anos
Que o cataclismo assolava
O povo das caravanas
Que no Egito passava
Via que nesse lugar
Em fome nem se falava.

Vagou aquela notícia
Que no Egito inda tinha
Recurso para a pobreza
Trigo, feijão e farinha
Todo dia vinha gente
Da região mais vizinha.

A fome assolava o mundo
O grande também sofria
Substância de alimento
Em parte alguma se via
O rico morrendo à fome
E o dinheiro não vali.

Jacob, o pai de José
Vendo o tempo muito ruim
Mandou os filhos ao Egito
Naquelas estradas sem fim
Mandou os outros mais velhos
E ficou com Benjamim

Chegando eles no Egito
Depressa foram levados
À presença de José
Para serem interrogados
José conheceu bem eles
Logo que foram chegados

José fingiu-se inimigos
Vendo aqueles condições
Que os irmãos se achavam
Sabendo que eram bons
Lhes disse: de onde vêm
Que me parecem uns ladrões?


( continuará)


_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Vie 15 Ene 2021, 09:07

Responderam com espanto:
É horrível a nossa sina
Somos filhos de Jacob
Natural da Palestina
Viemos comprar legumes
Que a fome lá é canina.

José ficou comovido
Porque tinha compaixão
Apesar de ter sofrido
Deles aquela traição
Então perguntou a eles:
Sua irmandade quais são?

– Nós éramos 12 irmãos
O caçula não quis vir
Porque meu pai já é velho
Só ele o pode servir
Quanto ao nosso irmão José
Esse deixou de existir.

Disse José para eles:
Eu só posso acreditar
Desse seu irmão mais novo
Se vocês forem buscar
Ficando um de vós preso
Até o outro chegar.

Disseram: rei meu senhor
Nós não fazemos questão
Nos venda um pouco de trigo
Temos muita precisão
Quanto ao que fica preso
Deixo ficar Simião

José mostrou-se contente
Deu a resposta que sim
Mas disse a eles depois:
O tempo inda está ruim
Quando vier comprar trigo
Me traga o tal Benjamim

Aí voltaram os outros
Porém sem consolação
Chegaram na Palestina
O patriarca ancião
Foi perguntando aos filhos:
Onde ficou Simião?

– Simião ficou lá preso
Agora é que está ruim
Porque quando nós saímos
O rei nos disse assim:
Quando vier comprar trigo
Me traga o tal Benjamim

Dizia o velho chorando:
Chegou o meu triste fim
Porque é esse um dos filhos
Que não se aparta de mim
Como viverei no mundo
Ficando sem Benjamim?!

Judá insistiu com ele
Contando o que foi passado
– Eu tomo conta de tudo
Meu pai, não tenha cuidado;
Dizia o velho: ele indo
Para mim foi sepultado!

– Se eu digo estas palavras
É porque tenho razão
José os bichos comeram
Nas brenhas da solidão
Agora sem haver crime
Ficou preso Simião!

Judá pelejou com ele
Até o velho aceitar
Se Benjamim lá não fosse
Nada podia arranjar
Só no Egito é que tinha
O que eles iam comprar.

Eles seguiram viagem
O velho ficou sentido
Judá chegou no Egito
Foi muito em recebido
Porque levou Benjamim
Que José tinha pedido.

José vendo Benjamim
Conheceu logo também
Perguntou com cara feia
(porém os tratando bem):
É este o irmão mais novo
Que vocês dizem que têm?

Judá lhe disse que sim
Partido de comoção
Dizendo: – Rei, meu senhor
Nos conceda a permissão
Para que possamos ir
Aonde está Simião?

Disse José: podem ir
Visitar o seu irmão
Ele até aqui não teve
Nenhuma perturbação;
José só tinha ele preso
Fazendo a comparação.

José diante essas coisas
Não podia se conter
Chorava em seu aposento
Que só faltava morrer
Pois inda não era tempo
De se dar a conhecer.

Todos irmãos de José
De nada tinha sabido
Vendo José como rei
Dum país desconhecido
Sendo ele o tal irmão
Que eles tinham vendido


(continuará)


_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Vie 15 Ene 2021, 09:09

Depois José chamou eles
Dando plena liberdade
Dizendo: vão passear
Pelas ruas da cidade;
Só assim José podia
Fazer a sua vontade.

Eles com essas palavras
Ficaram muito contentes
Aí José mandou logo
Chamar o seu intendente
Dizendo: encha bem cheio
O saco daquela gente

– Depois dos sacos bem cheios
Faça jeito de botar
A minha taça de prata
Sem ninguém desconfiar
No saco de Benjamim
Pra quando ele for, levar

O intendente fez tudo
Como José lhe mandou
No saco de Benjamim
Ele a taça colocou
Benjamim que não sabia
No outro dia levou

Assim que eles saíram
José mandou uns soldados
Dizendo: peguem uns rapazes
Que vão ali carregados
E tragam a minha presença
Para serem interrogados

Eles iam muito alegres
Só por levar Simião
Dizia Judá: fizemos
Muito boa arrumação;
Nisto gritaram pra eles
Lhes dando voz de prisão

Logo aí foram levados
À presença de José;
– Quem roubou a minha taça
Terá prisão de galé
Faz vergonha nos senhores
Não ter um homem de fé

Disseram: rei, meu senhor
Nós nunca roubamos nada
Essa taça de que falam
Nunca pode ser achada
Mande correr nossos sacos
Só ela sendo encantada.

– Não pensei que em Palestina
Tivesse gente ruim
Passem u’a corra nos sacos;
José então disse assim
A taça foi encontrada
No saco de Benjamim

Aí caíram por terra
Botando os joelhos no chão
Dizendo: rei, meu senhor
De nós nenhum é ladrão
Porém seremos levados
À morte na prisão.

José partido de pena
Não podendo resistir
Disse ao seu intendente:
Mande este povo sair
Basta ficar estes homens
A quem preciso eu ouvir

Quando saiu todo povo
Inda mais se comoveram
José lhes disse chorando:
– Inda nao me conheceram?
Eu sou vosso irmão José
O tal que vocês venderam

Que hora amarga e feliz
Para quem compreender!
Toda tristeza que havia
Foi transformar-se em prazer
Ficaram todos felizes
Dessa data até morrer

José mandou vir também
O seu pai idolatrado
Quem trouxe foi seu irmão
Com muito zelo e cuidado
Jacob findou os seus dias
Vivendo sempre ao seu lado.


( fin)


_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Vie 15 Ene 2021, 09:35

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 UUpE8T-wguq2s62gHcWmFV-xs4cIp-7B9s55Mvd6y4fknhGjo1MNDrKGRm2e0thWVrfA79D_8bXIMyYCidtBBdEsxJdISR2QOLFzbIqm7puQFVVDhCfooCStKXinUq3TJggslZ7AtLDgQtCtnZgegwOtInjI07SP3Hvm-7niwFM6xqWEZi9drbRGgc44M2oVQu-tUhf8n1OsD_UTafiqfvQeTz4TXlqT_jgSf8EjpJsMzgQa5s-QIYQUnkmMWiaJ6bfi


La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Cordel-




_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7
cecilia gargantini
cecilia gargantini
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 33491
Fecha de inscripción : 25/04/2009
Edad : 67
Localización : buenos aires

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por cecilia gargantini Vie 15 Ene 2021, 14:56

Este tema es muy interesante!!!!!!!!!!!!!!
Gracias Maria
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Dom 17 Ene 2021, 06:47

Dom Quixote em cordel – adaptado da obra de Miguel de Cervantes



Em 2005, ano da celebração do IV Centenário da publicação da primeira
parte do Dom Quixote, uma discreta e curiosa homenagem ao texto cervantino
foi publicada em terras brasileiras. Dom Quixote em cordel – adaptado da obra
de Miguel de Cervantes foi editado com ilustrações a cargo de Jô Oliveira,
artista conterrâneo do famoso xilogravador pernambucano J. Borges.

Antes de ir ao texto de J. Borges, é importante lembrar que o lastro deixado
pela literatura espanhola na arte brasileira de inspiração popular, sobretudo na
do Nordeste brasileiro, não data dos nossos dias. Em alguns reconhecidos
nomes da literatura brasileira, tal como Ariano Suassuna, o diálogo entre
elementos da tradição cultural peninsular (entre eles os do romance picaresco
espanhol, por exemplo) e a cultura popular do Nordeste brasileiro chegaram a
configurar uma verdadeira estética, que rende frutos para além das obras do
romancista paraibano.

Se bem é verdade que no poema de J. Borges o tema central é a viagem do
Cavaleiro da Triste Figura ao Brasil, também é certo que, desde o ponto de
vista formal, a recepção ficcional da fábula cervantina opera no seu texto uma
aproximação entre a personagem do fidalgo manchego e o imaginário popular
do Nordeste brasileiro a partir da figura do cangaceiro, compreendido como
“imagem de síntese” (Pernambucano de Mello, 2010: 21) de toda uma cultura.


Desta forma, o poema se constitui como uma interlocução transatlântica entre
imaginários distanciados no espaço e no tempo, a partir de idas e vindas entre
as culturas brasileira e espanhola, propondo uma releitura criativa de distintas
mentalidades, que apesar das diferenças detectáveis alcançam uma integração
bem ao gosto dos diversos e reiterados sincretismos brasileiros.


Em linhas gerais, estes são os ingredientes básicos de Dom Quixote em
cordel, que se identifica arquetipicamente com a literatura espanhola dos
pliegos de cordel da época de Cervantes, bem como com vários personagens
surgidos da sua pluma, entre eles Sancho Pança, o inesquecível companheiro de
Dom Quixote.

Na literatura de cordel do Brasil, os embates entre personagens
do imaginário nordestino com grandes figuras da cultura universal são
recorrentes.

Os cordéis vendidos nas feiras e centros de cultura popular
referem-se especialmente a personalidades conhecidas, sejam eles figuras de
caráter religioso, célebres autores da literatura universal ou personagens de
tradições mais ou menos remotas, tal como Pedro Malasartes, Marcelino Pão e
Vinho e outros, numa tendência que aproxima o Brasil popular do cotidiano a
algumas de suas longínquas origens peninsulares.

Apesar do Dom Quixote em cordel não seguir exatamente a mesma forma
dos cordéis tradicionais, já que foi publicado numa cuidada edição de
dimensões razoáveis, o poema de J. Borges remonta a um gênero clássico da
literatura de cordel: trata-se das histórias relativas aos enfrentamentos entre
Virgulino Ferreira da Silva (1898-1938), um dos arquetípicos cangaceiros
conhecido como Lampião, e os mais variados opositores, reais ou fictícios.

Os cordéis dedicados aos embates de Lampião, legendária figura do cangaço
brasileiro, apontam para a sobrevivência dessa personalidade histórica no
imaginário popular brasileiro, e ao mesmo tempo aproximam seu mito literário
de personagens consagrados em outras latitudes. Na adaptação de J. Borges,
Dom Quixote cochila em território manchego e termina despertando no meio do
cangaço, seguindo viagem até se enfrentar com Lampião, que faz o papel de
Cavaleiro da Branca Lua ao derrotar o anti-herói cervantino.


Grosso modo, o fenômeno social do cangaço tem suas raízes nos grupos de
irridentes que assaltavam o sertão nordestino desde os tempos do Império, mas
seu auge e crise final no primeiro terço do século XX, e tem na figura de
Lampião e na de sua companheira, Maria Gomes de Oliveira (1911-1938), a
famosa Maria Bonita, dois modelos paradigmáticos cujos ecos ressoam ainda
nos dias de hoje, especialmente na arte de matriz popular como é o caso do
cordel criado por J. Borges.


Antes de adentrar nos versos de J. Borges, é preciso destacar a importância
das ilustrações de Jô de Oliveira para compreender o Dom Quixote em Cordel.
Oliveira representa o embate entre Dom Quixote e Lampião através de uma
série de ilustrações que complementam a história contada por Borges bem
como dialogam com ela. Desta forma, há relação direta entre os versos do
cordelista e as representações das imagens dos cangaceiros na edição de sua
adaptação.

As ilustrações de Oliveira são uma homenagem a Cervantes, mas
principalmente à estética da literatura de cordel, cujos traços típicos se baseiam
na técnica da xilogravura popular brasileira, linguagem artística da qual J.
Borges é um dos mais exímios representantes. O Dom Quixote estilizado de Jô
Oliveira toma também como referência direta a chamada “estética do
cangaço”19, na medida em que a figura do Cavaleiro Andante bem como a de
seu fiel escudeiro se insere quadro maior da iconografia relativa ao cangaço e
aos cangaceiros.

Um Dom Quixote cangaceiro é o que se vê (escuta e lê) em Dom Quixote em
cordel? Não exatamente. O que surge nas suas páginas é um fidalgo vestido
com hábitos de camponês brasileiro, com seu chapéu de couro, figura bastante
distinta à de Lampião e aos demais cangaceiros com seus trajes característicos.



_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Dom 17 Ene 2021, 06:53

Dom Quixote em cordel ( fragmentos)


Existia uma grande aldeia
Igual a outras que havia
E lá tinha um fidalgo
Magro, mas sempre comia
Carne, fritos e lentilhas
Ovos e tudo que existia

Devorou sua fortuna
Terminou ficando pobre
Mas se mantinha elegante
E vestia roupa de nobre
E quem via sua aparência
Pensava que tinha cobre

Tinha pouca gente em casa
Ele e uma governanta
Uma sobrina com vinte anos
Linda igual uma santa
E um garoto que cuidava
Da casa e também das plantas.




Borges utiliza a métrica mais comum entre os cordelistas, que é o da
sextilha, com rimas que se repetem nos versos pares. Essa métrica é sintomática
no diz respeito ao caráter popular dado pelo poeta a sua obra, pois a sextilha
valoriza especialmente a dimensão sonora e musical dos versos. É também
reconhecida como métrica característica do repente, ou arte da composição dos
cantadores populares das feiras no Nordeste, e também do baião, gênero
musical que toma como base a marcação dos versos pares para fazer valer o
discurso dos seus intérpretes. É importante enfatizar este aspecto do poema de
Borges porque ele nos remete às marcas da oralidade popular numa poesia
letrada.


***************************


O poema tema ao todo 83 estrofes compostas cada uma de 6 versos, e vem
acompanhado de 20 ilustrações. Apesar da liberdade na hora de criar seu Dom
Quixote vaqueiro, cuja imagem se cristaliza nos desenhos de Jô Oliveira, J.
Borges respeita em linhas gerais o enredo relativo ao fidalgo manchego. O
poeta organiza seu material narrativo deixando marcadas as três saídas de Dom
Quixote, com um episódio de seu poema dedicado a cada uma.

Esses episódios
são intercalados com outros em que o sertão aparece abruptamente no texto, a
começar do sonho que leva o Quixote ao Nordeste brasileiro, passando pelas
aventuras por onde desfilam diversos cangaceiros até chegar ao clímax do
embate com o Lampião e a morte do Cavaleiro da Triste Figura.


A primeira saída de Dom Quixote é representada no poema de Borges pelo
episodio da hospedagem na pousada em que o herói cervantino é armado
cavaleiro. O cordelista não toca no tema da consagração do fidalgo, mas conta
como este é expulso dali pelo vendeiro, por quem é chamado de louco (ação
inexistente no Dom Quixote de Cervantes).



É logo depois dessa aventura primeira que Dom Quixote deita à sombra de
uma árvore, e é a partir de então que sua história se ligará ao espaço do sertão:


No dia seguinte partiu
Para onde Dulcinéia estava
Levado pelo amor
Os obstáculos enfrentava
E a qualquer hora do dia
Em Dulcinéia pensava

Uma noite ele deitado
Pensando em seu destino
Pensou em seus descendentes
Aprimorou o seu tino
E descobriu que ele era
Brasileiro e Nordestino

Da Espanha veio ao Brasil
Junto com seu escudeiro
E avistaram dois homens
Pensaram ser feiticeiros
Mais logo reconheceram
Que eram dois cangaceiros. (Borges, 2005:15-16)



( continuará)


_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Jue 21 Ene 2021, 06:52

O amor cavaleiresco termina levando o louco fidalgo a um espaço de
encantamento. J. Borges se refere aos cangaceiros como feiticeiros, pois desta
maneira consegue relacionar a ficção cervantina e o mundo do cangaço. É
interessante notar que na ilustração relativa a essa passagem, o cavaleiro
manchego aparece dos céus retratado como se parecesse um verdadeiro
fantasma, e já não fica mais tão claro qual dos dois mundos, o de Cervantes ou
o do sertão, é, por assim dizer, mais real. Este jogo de espelhos é a estratégia
que utiliza o cordelista para fazer dialogar esses mundos diversos.

Finalmente, os dois cangaceiros que topam com Dom Quixote (ou que são
encontrados por ele) estão escoltando uma dama, que é ninguém menos que
Maria Bonita, também apelidada como “rainha do cangaço”. A aventura
prossegue com o Cavaleiro Andante enfrentando seus opositores e recebendo
uma sova, até descobrir a verdadeira identidade da dama dentro de carruagem
atacada por ele, desenganando-se da sua idéia inicial de se tratar de sua amada
Dulcinéia.

O despertar de Sancho e seu amo para a realidade do sertão se dá numa
paisagem repleta de mandacarus, o cacto que caracteriza nas ilustrações a aridez
do Nordeste. Vestidos como vaqueiros dessa região, cavaleiro e escudeiro
seguem seu destino não sem antes o segundo transformar uma vara tirada de
uma árvore numa lança.
O poema continua com as aventuras dos monges beneditinos, a do vendeiro
biscainho e a dos moinhos de ventos, selecionadas por J. Borges entre aquelas
que pertencem à chamada segunda saída do Quixote.

Dom Quixote cheio de mesuras
Encontrava realmente
Uma dama na carruagem
Que tinha um riso atraente
A qual lhe perguntou o nome
Muito alegre e sorridente

Disse ele: sou Dom Quixote
Com um gesto de salvador
Disse para dama: eu preciso
De um especial favor
Me diga onde está
Dulcinéia meu amor

Disse a dama eu a conheço
Dulcinéia é mina amiga
E vive em Campina Grande
É necessário que eu diga
Ela mora na favela
E trabalha numa pocilga.

(Borges, 2005: 27)





(continuará)



https://www.redalyc.org/pdf/162/16229723010.pdf


_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Dom 24 Ene 2021, 08:37

O combate final entre Lampião e o Quixote expõe um dos paradoxos
fundamentais da adaptação de Borges, que é a que opõe quixotismo e cangaço.
Em certa medida, é o mesmo paradoxo que aparece na segunda parte do Dom
Quixote de Cervantes quando às portas de Barcelona, quase ao término de suas
aventuras, o Cavaleiro Andante se encontra com o bandoleiro catalão chamado
Roque Guinart (aventura que transcorre na II Parte do Dom Quixote, capítulo
60).
No caso do poema de Borges, a aparição de Lampião se celebra da seguinte
maneira:


Certa manhã Dom Quixote
Passeando numa praça
Lá mesmo em Campina Grande
Sem pensar em arruaça
Viu um cavaleiro vir
Ele pensou na desgraça
O cavaleiro vinha em frente
Mesmo em sua direção

O cavaleiro vinha em frente
Mesmo em sua direção
E em seu escudo pintada
Uma lua com perfeição
Resplandecente e bonita
Que lhe chamou atenção

O cavaleiro lhe disse
Tu és grande escudeiro
Dom Quixote de La Mancha
E eu sou o cavaleiro
Da lua aqui do nordeste
Sou mais forte bandoleiro. (Borges, 2005: 35)




Na ilustração relativa a esta passagem, o chapéu de Lampião é despido da
estrela de Davi tradicional e aparece nele o símbolo do Cavaleiro da Branca
Lua. São característicos da literatura de cordel esses enfrentamentos dos heróis
populares brasileiros com personagens de outras paragens culturais. De certa
maneira, as vitórias desses heróis representam uma autoafirmação da cultura
popular, em um dos poucos espaços em que ela pode se manifestar livremente e
ao seu modo.
O paradoxal desta obra de Borges é a oposição de motivos do cangaço ao
modelo literário de Dom Quixote, visto que a figura dos cangaceiros se
harmonizaria perfeitamente com a do anti-herói moderno que é o Quixote de
Cervantes, pelo menos a princípio. Neste sentido, é preciso abrir um pequeno
parêntese para destacar as complexas relações entre literatura e história na
recepção de Cervantes por J. Borges. Tanto o fidalgo manchego como os
cangaceiros nordestinos representaram ideais de justiça, ainda que de formas
distintas. Os personagens históricos de Lampião e Maria Bonita foram elevados
à categoria de verdadeiros mitos populares exatamente porque seu irredentismo
simbolizou a revolta dos camponeses e das classes populares contra o
mandonismo local que fundamentou tanto a chamada República Velha quanto
os primeiros anos do período Vargas.
No texto de J. Borges, a representação elaborada do cavaleiro manchego
apresenta a sua figura através da imagem romântica do mesmo como buscador
de um ideal inacessível, o que é mostrado no cordel por sua derrota e pela
substituição de Dulcinéia pela figura de Maria Bonita, não tanto como
Diálogos Latinoamericanos 21, diciembre/2013
169
cangaceira que foi, mas como uma verdadeira dama escoltada por cangaceiros.
Fica então a pergunta: não seria o ideal de justiça destes bandoleiros semelhante
à busca da Idade do Ouro tão sonhada pelo Cavaleiro Andante de Cervantes?
Em Dom Quixote em cordel, J. Borges propõe a aproximação entre dois
motivos culturais distintos através do que se pode chamar de “identificação por
oposição”. A homenagem prestada à Cervantes no IV Centenário da sua obra
prima passa pela sugestão de uma síntese que, apenas num primeiro momento,
parece contraditória. Entretanto, ao vencer Dom Quixote, Lampião não se
distancia do ideal quixotesco, apesar do herói cervantino ser apresentado como
modelo antagônico ao modelo de herói do cordel, coisa comum nesse tipo de
literatura.
Por fim, o que se destaca na obra de Borges é o sincretismo entre dois
universos imaginários que se dão as mãos e que refletem um fundo comum. Na
sua adaptação do Dom Quixote, cordelista e ilustrador se aproximam ao
universo cervantino com o intuito de propagá-lo em paragens desconhecidas ou,
como diria o poeta, por “mares nunca dantes navegados”. É através do sonho
que Dom Quixote e Sancho conquistam o sertão nordestino, apesar da derrota
de do Cavaleiro da Triste Figura diante do Rei do Cangaço, e apesar da morte
do fidalgo Alonso Quijano.




https://www.redalyc.org/pdf/162/16229723010.pdf





_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51491
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Maria Lua Lun 25 Ene 2021, 14:54

O ABC DO JOGO DO BICHO E SUAS REVELAÇÕES


Apolônio Alves dos Santos




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Pop_cordel_007

AVESTRUZ ave bonita
a sua numeração
é a letra 1 primeira
da sua composição
no jogo do caipira
quanto mais joga mais tira
jogando com atenção

Bom número 2 é a Águia
uma ave de valia
porém quem sonhar com ela
depende muito do dia
sabendo bem revelar
seu sonho para jogar
ganhará boa quantia

Cabeça de jogador
tem um mapa desenhado
o qual está resumido
em um só ponto indicado
sua sorte é sempre clara
com um ponteiro que pára
no seu número premiado

Desde o começo do mundo
que existe farra e jogo
quem joga de vez em quando
aparece um desafogo
o jogo não é defeito
só fala dele o sujeito
que é muito demagogo

Eu também jogo no bicho
e sempre me desaperto
só queria que o jogo
do bicho fosse liberto
há tantos crimes fatais
que o criminoso faz
e nunca é descoberto

Fazer fé não é pecado
hoje muita gente faz
até as autoridades
joga, ganha e satisfaz
bicheiros são lutadores
portanto governadores
deixem o bicheiro em paz

Governadores não dão
prioridade a bicheiros
chamam de contraventores
no entanto os brasileiros
Com seus ideais ativos
vivem sofrendo cativos
a vez é dos estrangeiros

Hoje em dia o jogo está
na alta sociedade
cassinos de gabaritos
de cartaz e qualidade
por não ser ato sinistro
deveria ter registro
com toda legalidade

Ignoram-se os direitos
dos escreventes bicheiros
por terem trazido a sorte
de serem aventureiros
eles não são malfeitores
apenas contraventores
mas também são brasileiros

Jogo já é tradição
já vem do século passado
hoje todo mundo joga
joga solteiro e casado
e até o desordeiro
que está prisioneiro
joga até o delegado

Kadú também. joga bicho
porque o jogo é esporte
uma distração da vida
não ofende, é o seu forte
quem sempre vive a jogar
um dia acerta o milhar
vem melhorar sua sorte

Leão é um bicho forte
o seu número é dezesseis
por ser rei dos animais
ajuda sempre o freguês
dá sorte ao jogador
seja mulato ou de cor
italiano ou francês

Mulher também joga bicho
tem suas aptidões
embora não tenha prática
para as revelações
mas quando a sorte lhe ajuda
seu pensamento não muda
acerta com seus milhões

Nas cidades nos cantões
sempre se encontra bicheiros
escrevendo às escondidas
nos trabalhos rotineiros
pois a fiscalização
sempre faz perseguição
a esses aventureiros

Os pobres também precisam
apesar dos impecilhos
precisam dar os sustentos
das esposas e de seus filhos
e não possui outro oficio
vivem neste sacrifício
enxotados por caudilhos

Porco é um bicho útil
tem a carne saborosa
o seu toucinho e a banha
dár comida apetitosa
quem vê-lo de manhãzinha
pode fazer uma fezinha
a hora é venturosa

Qualquer jogador conhece
sua boa intuição
quando seu carro se choca
com ônibus ou caminhão
em qualquer lugar que seja
vá na sua placa e veja
a sua numeração

Rapaz solteiro que joga
não pode se viciar
tem que pensar no futuro
para quando se casar
não pode ser submisso
cuidar do seu compromisso
pra nada em casa faltar

Sonhar chorando a pessoa
revela muito prazer
poderá jogar no bicho
que a sorte vem trazer
pode arriscar no cavalo
no elefante ou no galo
que é para enriquecer

Todos os bons jogadores
nunca perdem a esperança
vivem sempre de jogar
todo dia e não se cansam
num dia vem prejuízo
no outro vem o sorriso
na vida tudo se alcança

Unidos nós venceremos
quem joga e quem dá valor
ao joguinho do bicho
seja no lugar que for
não se pode proibir
para não diminuir
a sorte do jogador

Valorizamos o jogo
com apoio e precisão
a Loteria Esportiva
também entrou em ação
o bicho também influiu
esse também contribui
com a renda da nação

Xadrez é para bandidos
e criminosos também
não para quem é bicheiro
que crime nenhum não tem
porque só joga quem quer
quem tem dinheiro e poder
ninguém obriga a ninguém

Zombe quem quiser zombar
de mim, com meu dialeto
aqui estou terminando
as letras do alfabeto
mas sigo em outro caminho
para este meu livrinho
não terminar incompleto

Agora falo nos sonhos
com suas revelações
conforme as astrologias
dão as suas previsões
com palpites de valores
dando para os jogadores
boas orientações

Quem sonhar com abandono
que esteja abandonado
por sua noiva ou esposa
não fique preocupado
que é um sonho excelente
dois trinta e seis certamente (236)
é seu número premiado

E quem sonhar com abelhas
a sorte traz a doçura
este sonho é favorável
para qualquer criatura
sonhar com circo ou teatro
jogue cinco meia quatro (564)
que lhe traz boa aventura

Sonhar com açúcar é
um sonho de realeza
este sonho é formidável
significa pureza
pode jogar com afinco
número três quatro e cinco (345)
que ganhará com. certeza

Sonhando com arco-íris
é sonho muito excelente
quanto mais vivo melhor
é saúde permanente
sem impecilho nenhum
jogue cinco zero um (501)
que a sorte é sorridente

Quem sonhar se afogando
é sinal de casamento
sendo a pessoa solteira
terá um feliz momento
sendo casada repete
jogue dois cinquenta e sete (257)
que terá contentamento

Pra quem sonhar com arroz
é abundância e riqueza
saúde boa e dinheiro
muita comida na mesa
jogando três e noventa (390)
o tempo ruim se afugenta
seu prêmio vem de surpresa

Ameixa boa saúde
Abacaxi lealdade
Legumes vida bem longa
Videira fidelidade
Estátua se orienta
Seu número dois e quarenta (240)
Saúde e prosperidade.



_________________



La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Marialuaf


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Luna7

Contenido patrocinado

La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil - Página 2 Empty Re: La poesía de Cordel en Nordeste de Brasil

Mensaje por Contenido patrocinado


    Fecha y hora actual: Mar 22 Jun 2021, 01:06