Aires de Libertad

¿Quieres reaccionar a este mensaje? Regístrate en el foro con unos pocos clics o inicia sesión para continuar.

https://www.airesdelibertad.com

Leer, responder, comentar, asegura la integridad del espacio que compartes, gracias por elegirnos y participar

Estadísticas

Nuestros miembros han publicado un total de 1046824 mensajes en 47809 argumentos.

Tenemos 1578 miembros registrados

El último usuario registrado es Gonzalo

¿Quién está en línea?

En total hay 80 usuarios en línea: 4 Registrados, 1 Ocultos y 75 Invitados :: 3 Motores de búsqueda

clara_fuente, ingrid zetterberg, Pedro Casas Serra, Simon Abadia


El record de usuarios en línea fue de 1156 durante el Mar 05 Dic 2023, 16:39

Últimos temas

» Metáfora. Especial Fin de curso 2024
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 EmptyHoy a las 13:19 por Pedro Casas Serra

» POETAS LATINOAMERICANOS
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 EmptyHoy a las 10:46 por Maria Lua

» LA LITERATURA BRASILEÑA
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 EmptyHoy a las 10:39 por Maria Lua

» CLARICE LISPECTOR II
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 EmptyHoy a las 09:58 por Maria Lua

» MARIO QUINTANA ( Brasil: 30/07/1906 -05/05/1994)
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 EmptyHoy a las 09:53 por Maria Lua

» CECILIA MEIRELES
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 EmptyHoy a las 09:52 por Maria Lua

» Rabindranath Tagore (1861-1941)
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 EmptyHoy a las 09:51 por Maria Lua

» CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 EmptyHoy a las 09:50 por Maria Lua

»  FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 EmptyHoy a las 09:44 por Maria Lua

» Khalil Gibran (1883-1931)
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 EmptyHoy a las 09:42 por Maria Lua

Junio 2024

LunMarMiérJueVieSábDom
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Calendario Calendario

Conectarse

Recuperar mi contraseña

Galería


CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty

+15
Juan Martín
Samara Acosta
cecilia gargantini
Ligia Rafaela Gómez Deroy
helena
JuanPablo
Pedro Casas Serra
José Antonio Carmona
Ann Louise Gordon
Carmen Parra
MARI CRUZ VEGA
Elen Lackner
Pascual Lopez Sanchez
claudieta cabanyal
Andrea Diaz
19 participantes

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Lun 06 Mar 2023, 09:26

    LOS HOMBROS SOPORTAN EL MUNDO


    Llega una época en que no se dice más: Dios mío.
    Época de absoluta depuración.
    Época en que no se dice más: amor mío.
    Porque el amor resultó inútil.
    Y los ojos no lloran.
    Y las manos tejen apenas su rudo trabajo.
    Y el corazón está seco.

    En vano mujeres golpean la puerta: no abrirás.
    Te quedaste solo; la luz se apagó,
    pero en la sombra tus ojos brillan enormes,
    Eres todo certeza; ya no sabes sufrir
    y de tus amigos no esperas nada.

    Poco importa que llegue la vejez, ¿qué es la vejez?
    Tus hombros soportan el mundo:
    y no pesa más que la mano de un niño.
    Las guerras, las hambres, las discusiones dentro de los
    edificios
    prueban apenas que la vida prosigue
    y no todos se liberan todavía.
    Algunos, encontrando bárbaro el espectáculo,
    preferirían (los delicados) morir.
    Llegó una época en que da igual morir.
    Llegó una época en que la vida es una orden.
    La vida apenas, sin mistificación.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Lun 06 Mar 2023, 09:27

    CON LAS MANOS ENLAZADAS


    No seré el poeta de un mundo caduco.
    Tampoco cantaré el mundo futuro.
    Estoy preso a la vida y observo a mis compañeros:
    están taciturnos mas nutren grandes esperanzas.
    Junto a ellos considero la enorme realidad.
    El presente es tan grande, no nos apartemos.
    No nos apartemos mucho, vayamos con las manos
    enlazadas.

    No seré el cantor de una mujer, de una historia;
    no hablaré de suspiros al anochecer, el paisaje visto
    desde la ventana,
    no distribuiré enervantes o cartas de suicida.
    No huiré a las islas ni seré raptado por serafines.
    El tiempo es mi materia, el tiempo presente, los
    hombres presentes,
    la vida presente.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Lun 06 Mar 2023, 09:28

    EL LUCHADOR


    La lucha más vana
    es luchar con las palabras.
    Mientras tanto luchamos
    mal rompe el alba.
    Son muchas, yo solitario.
    Algunas, tan fuertes
    como el jabalí.
    No me juzgo loco.
    Si lo fuera, tendría
    el poder de encantarlas.
    Mas frío y lúcido,
    aparezco y quiero
    asir algunas
    para mi aumento
    en un día de vida.

    Se dejan enlazar,
    tontas a la caricia
    y de súbito huyen
    y no hay un mal presagio
    y no hay crueldad
    que las traiga de nuevo
    al centro de la plaza.
    Insisto, astuto
    Busco persuadirlas.
    Fingirme esclavo
    de rara humildad.
    Guardaré sigilo
    de nuestro comercio.
    En la voz, ningún amargor
    de aversión o disgusto.
    Sin oírme se deslizan,
    continúan levísimas
    y me vuelven el rostro.
    Luchar con las palabras
    parece sin fruto.
    No tienen carne ni sangre…
    Entretanto, lucho.
    Palabra, palabra
    (digo exasperado),
    si me desafías,
    acepto el combate.
    Quisiera poseerte
    en este descampado,
    sin seña de uña
    o marca de diente
    en esa piel clara.
    Prefieres el amor
    de una pose impía
    y que venga el gozo
    de la mayor tortura.
    Lucho cuerpo a cuerpo,
    lucho todo el tiempo,
    sin mayor provecho
    que el de la caza al viento

    No encuentro indumentaria
    ni formas seguras,
    es fluido enemigo
    que me dobla los músculos
    y se ríe de las normas
    de la buena pelea.
    Me eludo a veces,
    presiento que la entrega
    se consumará.
    Ya veo palabras
    en coro sumiso:
    ésta ofreciéndome
    su viejo calor,
    otra su gloria
    y su misterio,
    otra su desdén,
    otra sus celos;
    y un experto amor
    me enseña a disfrutar
    de cada palabra
    su esencia,
    el sutil gemido.
    Mas es ¡ay! el instante
    de entreabrir los ojos:
    entre beso y boca,
    todo se evapora.
    El ciclo del día
    ora se concluye
    y el inútil duelo
    jamás se resuelve.
    Tu bello rostro,
    oh palabra, resplandece
    en la curva de la noche
    que me envuelve.
    Tamaña pasión
    y ningún peculio.
    Cerradas las puertas,
    la lucha prosigue
    en las calles del sueño.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Lun 06 Mar 2023, 09:31

    CONSIDERACIÓN SOBRE EL POEMA


    No rimaré la palabra sueño,
    con la inadecuada palabra otoño.
    Rimaré con la palabra carne
    o cualquier otra: todas me convienen.
    Las palabras no nacen amarradas,
    ellas saltan, se besan, se disuelven;
    en el cielo libre a veces un diseño;
    son puras, largas, auténticas, indestructibles.
    Una piedra en medio del camino
    o apenas un rastro, no importa.

    Estos poetas son míos. Con todo orgullo,
    con toda precisión se incorporaron
    a mi fatal lado izquierdo. Hurto a Vinicius
    su más límpida elegía. Bebo en Murilo.
    Que Neruda me dé su corbata
    flameante. Me pierdo en Apollinaire. Adiós Maiakovski.
    Todos son hermanos míos, no son periódicos
    ni se deslizan en lancha entre camelias:
    son la vida que arriesgué.

    Estos poemas son míos. Son mi tierra
    y son todavía más que ella. Son cualquier hombre
    al mediodía en cualquier plaza. Son la linterna
    de cualquier posada, si todavía las hay.
    —¿Hay muertos? ¿Hay mercados, hay dolencias?
    Todo es mío. Ser explosivo, sin fronteras;
    ¿Por qué falsa mezquindad me afligiría?
    Que se depositen los besos en la faz blanca, en las
    principiantes arrugas.

    El beso aún es un signo ausente
    de comercio,
    flotando en tiempos sucios.
    Poeta de lo finito y de la materia,
    cantor sin piedad, sí, sin frágiles lágrimas,
    boca tan seca, pero ardor tan casto.
    Dar todo por la presencia de los distantes,
    sentir que hay ecos, pocos, mas cristal,
    no sólo roca; peces circulando
    bajo el navío que lleva este mensaje,
    y aves de pico largo verificando
    su derrota, y dos o tres faroles
    últimos: ¡esperanza del mar negro!
    Comenzar este viaje es mortal.

    Saber que hay todo. Y moverse en medio
    de millones y millones de formas raras,
    secretas, duras. He aquí mi canto.
    Es tan bajo que apenas lo escucha
    el oído pegado al suelo. Pero es tan alto
    que las piedras lo absorben. Está en la mesa:
    en libros, cartas y remedios.
    Se filtró por la pared. El camión, la calle,
    el uniforme del colegio se transforman:
    son oleadas de cariño envolviéndote.

    ¿Cómo huir al objeto mínimo
    o negarse al grande? Los temas pasan,
    Yo sé que pasarán, pero tú resistes,
    y creces como fuego, como casa,
    como rocío entre los dedos
    de la hierba en que reposan.
    Ahora te sigo a todas partes,
    y te deseo y te pierdo; estoy completo,
    me destino, me hago tan sublime,
    tan natural y lleno de secretos,
    tan firme, tan fiel… Como un cuchillo,
    el pueblo, mi poema, te atraviesa.



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


    17


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Jue 09 Mar 2023, 08:51

    PROCURA DE POESÍA


    No hagas versos sobre acontecimientos.
    No hay creación ni muerte frente a la poesía.
    18
    Ante ella la vida es un sol estático:
    no calienta ni ilumina.
    Las afinidades, los aniversarios, los incidentes
    personales no cuentan.
    No hagas poesía con el cuerpo:
    ese excelente, completo y confortable cuerpo tan
    indefenso a la efusión lírica.
    Tu gota de bilis, tu máscara de gozo o de dolor en lo
    oscuro son indiferentes.
    No me reveles tus sentimientos
    que se aprovechan de lo equívoco e inducen al largo
    viaje.
    Lo que piensas y sientes, eso todavía no es poesía.

    No cantes tu ciudad, déjala en paz.
    El canto no es el movimiento de las máquinas ni es el
    secreto de las casas.
    No es música oída de paso; rumor del mar en las calles
    junto a la línea de espuma.
    El canto no es la naturaleza
    ni los hombres en sociedad.
    Para él, lluvia y noche, fatiga y esperanza nada significan.
    La poesía (no saques poesía de las cosas)
    elude sujeto y objeto.
    No dramatices, no invoques,
    no indagues. No pierdas tiempo en mentir.
    No te aborrezcas.

    Tu yate de marfil, tu zapato de diamante,
    vuestras mazurcas y supersticiones, esqueletos de
    familia
    desaparecen en la curva del tiempo: es algo fútil.
    No reconstruyas
    tu sepulta y melancólica infancia.
    No osciles entre el espejo y la
    memoria en desaparición.
    Se disipó: no era poesía.
    Se partió: cristal no era.
    Penetra sordamente en el reino de las palabras.
    Allí están los poemas que esperan ser escritos.
    Están paralizados, pero no hay desesperación,

    hay calma y frescura en su superficie intacta.
    Helos solos y mudos, en estado de diccionario.
    Convive con tus poemas antes de escribirlos.
    Ten paciencia, si oscuros. Calma, si te provocan.
    Espera que cada uno se realice y consuma
    con su poder de palabra
    y su poder de silencio.

    No fuerces al poema a desprenderse del limbo.
    No recojas del suelo el poema que se perdió.
    No adules al poema. Acéptalo,
    como él aceptará su forma definitiva y concentrada
    en el espacio.
    Inclínate y contempla las palabras.
    Cada una
    tiene mil fases secretas bajo la faz neutra,
    y te pregunta, sin interés por la respuesta
    pobre o terrible que le des:
    ¿Trajiste la llave?

    Observa:
    Yermas de melodía y sentido
    ellas se refugian en la noche, las palabras.
    Todavía húmedas e impregnadas de sueño,
    fluyen en un río difícil y se transforman en desprecio.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Jue 09 Mar 2023, 08:54

    LA FLOR Y LA NÁUSEA

    Pertenezco a mi clase y a algunas ropas,
    voy de blanco por las calles sucias.
    Melancolías, mercaderías me acechan.
    ¿Debo seguir hasta la náusea?
    ¿Puedo rebelarme sin armas?

    Ojos turbios en el reloj de la tarde:
    no, no ha llegado el tiempo de completa justicia.
    El tiempo aún es de heces, malos poemas,
    alucinaciones y espera.
    El tiempo pobre y el poeta pobre
    se funden en un mismo impasse.

    En vano intento explicarme. Los muros son sordos.
    Bajo la piel de las palabras hay cifras y códigos.
    El sol consuela a los enfermos y no los restablece.
    Las cosas. ¡Qué tristes son las cosas, consideradas sin
    énfasis!
    Vomitar este tedio sobre la ciudad.
    Cuarenta años y ningún problema
    resuelto, ni siquiera ubicado.
    Ninguna carta escrita ni recibida.
    Todos los hombres vuelven a casa.
    Son menos libres pero llevan periódicos
    y deletrean el mundo, sabiendo que lo pierden.
    Crímenes de la tierra, ¿cómo perdonarlos?
    Tomé parte en muchos y otros oculté.
    Algunos vi bellos, fueron publicados.
    Crímenes suaves que ayudan a vivir.
    Ración diaria de engaño distribuida en casa.
    Los feroces panaderos del mal.
    Los feroces lecheros del mal.
    Prender fuego a todo, incluso a mí.
    Al joven de 1918 lo llamaban anarquista.
    Sin embargo mi odio es lo mejor de mí.
    Con él me salvo:
    a casi nadie doy una esperanza mínima.
    ¡Una flor ha nacido en la calle!
    Pasan de largo, camiones, omnibuses, ríos de acero del
    tránsito.
    Una flor todavía descolorida
    elude a la policía: rompe el asfalto.
    ¡Guarden completo silencio, paralicen los negocios,
    aseguro que ha nacido una flor!

    Su color no se percibe.
    Sus pétalos no se abren.
    Su nombre no está en los libros.
    Es fea. Pero es realmente una flor.
    Me siento en el suelo de la capital del país a las cinco
    de la tarde
    y lentamente acaricio esta forma insegura.

    Del lado de las montañas, nubes espesas van
    agrandándose.
    Una lluvia menuda agita el mar como gallina espantada.
    Es fea. Pero es una flor. Ha roto el asfalto, el tedio, la
    náusea y el odio.




    [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Vie 10 Mar 2023, 21:22

    Doce fantasma, por que me visitas
    como em outros tempos nossos corpos se visitavam?
    Tua transparência roça-me a pele, convida
    a refazermos carícias impraticáveis: ninguém nunca
    um beijo recebeu de rosto consumido.
    Mas insistes, doçura. Ouço-te a voz,
    mesma voz, mesmo timbre,
    mesmas leves sílabas,
    e aquele mesmo longo arquejo
    em que te esvaías de prazer,
    e nosso final descanso de camurça.

    Então, convicto,
    ouço teu nome, única parte de ti que não se dissolve
    e continua existindo, puro som.
    Aperto... o quê? a massa de ar em que te converteste
    e beijo, beijo intensamente o nada.
    Amado ser destruído, por que voltas
    e és tão real assim tão ilusório?
    Já nem distingo mais se és sombra
    ou sombra sempre foste, e nossa história
    invenção de livro soletrado
    sob pestanas sonolentas.
    Terei um dia conhecido
    teu vero corpo como hoje o sei
    de enlaçar o vapor como se enlaça
    uma ideia platónica no espaço?

    O desejo perdura em ti que já não és,
    querida ausente, a perseguir-me, suave?
    Nunca pensei que os mortos
    o mesmo ardor tivessem de outros dias
    e no-lo transmitissem com chupadas
    de fogo aceso e gelo matizados.

    Tua visita ardente me consola.
    Tua visita ardente me desola.
    Tua visita, apenas uma esmola.


    *************************



    Dulce fantasma, ¿por qué me visitas
    como en otros tiempos nuestros cuerpos se visitaban?
    Me roza la piel tu transparencia, me invita
    a rehacernos caricias imposibles: nadie
    recibió nunca un beso de un rostro consumido.
    Pero insistes, dulzura. Oigo tu voz,
    la misma voz, el mismo timbre,
    las mismas leves sílabas,
    y aquel largo jadeo
    en que te desvanecías de placer,
    y nuestro final descanso de gamuza.


    (...)


    Entonces, convicto,
    oigo tu nombre, única parte tuya indisoluble
    música pura en continua existencia.
    ¿A qué me abro?, a ese aire imposible
    en que te has convertido
    y beso, beso esa nada intensamente.

    (...)


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Sáb 11 Mar 2023, 09:15

    Não se mate

    Carlos, sossegue, o amor
    é isso que você está vendo:
    hoje beija, amanhã não beija,
    depois de amanhã é domingo
    e segunda-feira ninguém sabe
    o que será.

    Inútil você resistir
    ou mesmo suicidar-se.
    Não se mate, oh não se mate,
    Reserve-se todo para
    as bodas que ninguém sabe
    quando virão,
    se é que virão.

    O amor, Carlos, você telúrico,
    a noite passou em você,
    e os recalques se sublimando,
    lá dentro um barulho inefável,
    rezas,
    vitrolas,
    santos que se persignam,
    anúncios do melhor sabão,
    barulho que ninguém sabe
    de quê, praquê.

    Entretanto você caminha
    melancólico e vertical.
    Você é a palmeira, você é o grito
    que ninguém ouviu no teatro
    e as luzes todas se apagam.
    O amor no escuro, não, no claro,
    é sempre triste, meu filho, Carlos,
    mas não diga nada a ninguém,
    ninguém sabe nem saberá.
    Não se mate


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Sáb 11 Mar 2023, 09:18

    Privilegio del mar

    En esta terraza mediocremente confortable,
    bebemos cerveza y contemplamos el mar.
    Sabemos que nada nos ocurrirá.
    El edificio es sólido y el mundo también.
    Sabemos que cada edificio abriga mil cuerpos
    que trabajan en mil compartimentos iguales.
    A veces, algunos se insertan fatigados en el ascensor
    y vienen aquí arriba a respirar la brisa del océano,
    lo cual es privilegio de los edificios.
    El mundo es realmente de cemento armado.
    Ciertamente, si hubiera un crucero loco, f
    ondeado en la bahía frente a la ciudad,
    la vida sería incierta... improbable...
    Pero en las aguas tranquilas sólo hay marineros fieles
    . ¡Qué cordial es la escuadra!
    Podemos beber honradamente nuestra cerveza




    [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Lun 13 Mar 2023, 10:40

    Cronologia


    1902 NasceCarlos Drummond deAndrade, em31 de outubro,
    na cidade de Itabira do Mato Dentro (MG), nono filho
    deCarlos de PaulaAndrade, fazendeiro, e JulietaAugusta Drummond de
    Andrade.
    1910Inicia o curso primário no Grupo Escolar Dr. Carvalho Brito.
    1916É matriculado como aluno interno no Colégio Arnaldo,
    emBelo Horizonte. Conhece Gustavo Capanema eAfonso Arinos
    de Melo Franco.Interrompe os estudos por motivo de saúde.
    1917De volta a Itabira, toma aulas particulares como professor
    Emílio Magalhães.
    1918 Aluno interno do Colégio Anchieta da Companhia de Jesus,
    emNova Friburgo, colabora na Aurora Colegial. No único
    exemplar do jornalzinho Maio…, de Itabira, o irmão Altivo
    publica o seu poema emprosa “Onda”.
    1919É expulso do colégio emconsequência de incidente com
    o professor de português. Motivo: “insubordinação mental”.
    1920Acompanha sua família emmudança para Belo Horizonte.
    1921 Publica seus primeiros trabalhos no Diário de Minas.
    Frequenta a vida literária de Belo Horizonte. Amizade
    comMilton Campos, Abgar Renault, Emílio Moura,
    Alberto Campos, Mário Casassanta, João Alphonsus,
    Batista Santiago, Aníbal Machado, Pedro Nava, Gabriel
    Passos, Heitor de Sousa e João Pinheiro Filho, habitués
    da LivrariaAlves e do Café Estrela.
    1922 Seu conto “Joaquimdo Telhado” vence o concurso
    da Novela Mineira.
    Trava contato comÁlvaro Moreyra, diretor de Para Todos…
    e Ilustração Brasileira, no Rio de Janeiro, que publica
    seus trabalhos.
    1923 Ingressa na Escola de Odontologia e Farmácia de Belo Horizonte.
    1924 Conhece, no Grande Hotel de Belo Horizonte, BlaiseCendrars, Mário de
    Andrade, Oswald deAndrade e Tarsila do Amaral,
    que regressamde excursão às cidades históricas de Minas Gerais.
    1925 Casa-se comDolores Dutra de Morais. Participa —juntamente
    comMartins deAlmeida, Emílio Moura e Gregoriano Canedo
    —do lançamento deA Revista.
    1926Seminteresse pela profissão de farmacêutico, cujo curso
    concluíra no ano anterior, e não se adaptando à vida rural,
    passa a lecionar geografia e português emItabira. Volta
    a Belo Horizonte e, por iniciativa deAlberto Campos, ocupa
    o posto de redator e depois redator-chefe do Diário de Minas.
    Villa-Lobos compõe uma seresta sobre o poema “Cantiga
    de viúvo” (que iria integrar Alguma poesia, seu livro de estreia).
    1927Nasce em22 de março seu filho, Carlos Flávio, que morre
    meia hora depois de vir ao mundo.
    1928 Nascimento de sua filha, Maria Julieta. Publica “No meio
    do caminho” na Revista de Antropofagia, de São Paulo, dando
    início à carreira escandalosa do poema. Torna-se auxiliar
    na redação da Revista do Ensino, da Secretaria de Educação.
    1929Deixa o Diário de Minas e passa a trabalhar no Minas Gerais,
    órgão oficial do estado, como auxiliar de redação e, pouco
    depois, redator.
    1930Alguma poesia, seu livro de estreia, sai comquinhentos
    exemplares sob o selo imaginário de Edições Pindorama,
    de Eduardo Frieiro. Assume o cargo de auxiliar de
    gabinete deCristiano Machado, secretário do Interior.
    Passa a oficial de gabinete quando seu amigo Gustavo
    Capanema assume o cargo.
    1931 Morre seu pai.
    1933 Redator deA Tribuna. Acompanha Gustavo Capanema
    durante os três meses emque este foi interventor
    federal emMinas.
    1934 Volta às redações: Minas Gerais, Estado de Minas, Diário
    da Tarde, simultaneamente. Publica Brejo das almas (duzentos exemplares) pela
    cooperativa Os Amigos do Livro. Transfere-se
    para o Rio de Janeiro como chefe de gabinete de Gustavo
    Capanema, novo ministro da Educação e Saúde Pública.
    1935 Responde pelo expediente da Diretoria-Geral de Educação
    e é membro da Comissão de Eficiência do Ministério da Educação.
    1937Colabora na Revista Acadêmica, de Murilo Miranda.
    1940Publica Sentimento do mundo, distribuindo entre amigos
    e escritores os 150exemplares da tiragem.
    1941 Mantémna revista Euclides, de Simões dos Reis, a seção
    “Conversa de Livraria”, assinada por “OObservador Literário”. Colabora no
    suplemento literário deA Manhã.
    1942 Publica Poesias, na prestigiosa Editora José Olympio.
    1943 Sua tradução de Thérèse Desqueyroux, de François Mauriac,
    vema lume sob o título Uma gota de veneno.
    1944 Publica Confissões de Minas.
    1945 Publica A rosa do povo e O gerente. Colabora no suplemento
    literário do Correio da Manhã e na Folha Carioca. Deixa a chefia
    do gabinete deCapanema e, a convite de Luís Carlos Prestes,
    figura como codiretor do diário comunista Tribuna Popular.
    Afasta-se meses depois por discordar da orientação do jornal. Trabalha na
    Diretoria do Patrimônio Histórico eArtístico
    Nacional (DPHAN), onde mais tarde se tornará chefe da Seção
    de História, na Divisão de Estudos e Tombamento.
    1946Recebe o Prêmio deConjunto de Obra, da Sociedade
    Felipe d’Oliveira.
    1947É publicada a sua tradução de Les liaisons dangereuses, de Laclos.
    1948 Publica Poesia até agora. Colabora emPolítica e Letras.
    Acompanha o enterro de sua mãe, emItabira. Na mesma hora,
    no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, é executado
    o “Poema de Itabira”, deVilla-Lobos, a partir do seu poema
    “Viagemna família”.
    1949Volta a escrever no Minas Gerais. Sua filha, Maria Julieta,
    casa-se como escritor e advogado argentino Manuel Graña Etcheverry e vai
    morar emBuenos Aires. Participa
    do movimento pela escolha de uma diretoria apolítica
    naAssociação Brasileira de Escritores. Contudo, juntamente
    comoutros companheiros, desliga-se da sociedade por causa
    de atritos como grupo esquerdista.
    1950Viaja a Buenos Aires para acompanhar o nascimento
    do primeiro neto, Carlos Manuel.
    1951 Publica Claro enigma, Contos de aprendiz eA mesa. Ovolume
    Poemas é publicado emMadri.
    1952 Publica Passeios na ilha eViola de bolso.
    1953 Exonera-se do cargo de redator do Minas Gerais ao ser estabilizada
    sua situação de funcionário da DPHAN. Vai a Buenos Aires
    para o nascimento do seu neto Luis Mauricio. Na capital argentina aparece o
    volume Dos poemas.
    1954 Publica Fazendeiro do ar & Poesia até agora. É publicada sua
    tradução de Les paysans, de Balzac. A série de palestras
    “Quase memórias”, emdiálogo comLia Cavalcanti, é veiculada
    pela Rádio Ministério da Educação. Dá início à série de crônicas “Imagens”, no
    Correio da Manhã, mantida até 1969.
    1955 Publica Viola de bolso novamente encordoada. Olivreiro
    Carlos Ribeiro publica edição fora de comércio do Soneto
    da buquinagem.
    1956Publica Cinquenta poemas escolhidos pelo autor. Sai sua tradução
    deAlbertine disparue, ou La fugitive, de Marcel Proust.
    1957Publica Fala, amendoeira eCiclo.
    1958 Uma pequena seleção de seus poemas é publicada naArgentina.
    1959Publica Poemas. Ganha os palcos a sua tradução
    de Doña Rosita la Soltera, de García Lorca, pela qual recebe
    o Prêmio PadreVentura.
    1960É publicada a sua tradução de Oiseaux-Mouches Ornithorynques
    du Brésil, de Descourtilz. Colabora emMundo Ilustrado. Nasce
    emBuenos Aires seu neto Pedro Augusto.
    1961 Colabora no programa Quadrante, da Rádio Ministério
    da Educação. Morre seu irmão Altivo.
    1962 Publica Lição de coisas, Antologia poética eA bolsa & a vida.
    Aparecemas traduções de L’oiseau bleu, de Maeterlinck,
    e Les fourberies de Scapin, de Molière, recebendo por esta
    novamente o Prêmio PadreVentura. Aposenta-se como chefe
    de seção da DPHAN, após 35 anos de serviço público.
    1963 Aparece a sua tradução de Sult (Fome), de Knut Hamsun.
    Recebe, pelo livro Lição de coisas, os prêmios Fernando Chinaglia,
    da União Brasileira de Escritores, e Luísa Cláudio de Sousa,
    do PENClube do Brasil.Inicia o programa Cadeira de Balanço,
    na Rádio Ministério da Educação.
    1964 Publicação da Obra completa, pelaAguilar.Início das visitas,
    aos sábados, à biblioteca de Plínio Doyle, evento mais tarde
    batizado de “Sabadoyle”.
    1965 Publicação deAntologia poética (Portugal); In the middle of the
    road (Estados Unidos); Poesie (Alemanha). ComManuel Bandeira, edita Rio de
    Janeiro em prosa & verso. Colabora emPulso.
    1966Publicação deCadeira de balanço e de Natten och Rosen (Suécia).
    1967Publica Versiprosa, José & outros, Uma pedra no meio
    do caminho: biografia de um poema, Minas Gerais
    (Brasil, terra e alma), Mundo, vasto mundo (Buenos Aires)
    e Fyzika Strachu (Praga).
    1968 Publica Boitempo & A falta que ama.
    1969Passa a colaborar no Jornal do Brasil. Publica Reunião
    (dez livros de poesia).
    1970Publica Caminhos de João Brandão.
    1971 Publica Seleta em prosa e verso. Sai emCuba a edição
    de Poemas.
    1972 Publica O poder ultrajovem. Suas sete décadas de vida são
    celebradas emsuplementos pelos maiores jornais brasileiros.
    1973 Publica As impurezas do branco, Menino antigo, La bolsa
    y la vida (Buenos Aires) e Réunion (Paris).
    1974 Recebe o Prêmio de Poesia daAssociação Paulista deCríticos Literários.
    1975 Publica Amor, amores. Recebe o Prêmio Nacional Walmap de Literatura. Recusa
    por motivo de consciência o Prêmio Brasília
    de Literatura, da Fundação Cultural do Distrito Federal.
    1977Publica A visita, Discurso de primavera e Os dias lindos.
    É publicada na Bulgária uma antologia intitulada Sentimento
    do mundo.
    1978 A Editora José Olympio publica a segunda edição (corrigida
    e aumentada) de Discurso de primavera e algumas sombras.
    Publica O marginal Clorindo Gato e 70 historinhas, reunião
    de pequenas histórias selecionadas emseus livros de crônicas. Amar-Amargo e
    El poder ultrajoven saemnaArgentina.
    A PolyGramlança dois LPs com38 poemas lidos pelo autor.
    1979Publica Poesia e prosa, revista e atualizada, pela Editora Nova
    Aguilar. Sai tambémseu livro Esquecer para lembrar.
    1980Recebe os prêmios Estácio de Sá, de jornalismo,
    e Morgado Mateus (Portugal), de poesia.
    Publicação deA paixão medida, En Rost at Folket (Suécia),
    The minus sign (Estados Unidos), Poemas (Holanda) e Fleur, téléphone
    et jeune fille… (França).
    1981 Publica, emedição fora de comércio, Contos plausíveis.
    ComZiraldo, lança O pipoqueiro da esquina. Sai a edição
    inglesa de The minus sign.
    1982 Aniversário de oitenta anos. A Biblioteca Nacional
    e a Casa de Rui Barbosa promovemexposições comemorativas. Recebe o título
    de doutor honoris causa pela Universidade
    Federal do Rio Grande do Norte. Publica A lição do amigo.
    Sai no México a edição de Poemas.
    1983 Declina do Troféu Juca Pato. Publica Nova reunião
    e o infantil O elefante.
    1984 Publica Boca de luar eCorpo. Encerra sua carreira de cronista
    regular após 64 anos dedicados ao jornalismo.
    1985 Publica Amar se aprende amando, O observador no escritório,
    História de dois amores (infantil) eAmor, sinal estranho
    (edição de arte). Lançamento comercial deContos plausíveis. Publicação de Fran
    Oxen Tid (Suécia).
    1986Publica Tempo, vida, poesia. Sofrendo de insuficiência
    cardíaca, passa catorze dias hospitalizado. Edição inglesa
    de Travelling in the family.
    1987É homenageado como samba-enredo “Oreino das palavras”,
    pela Estação Primeira de Mangueira, que se sagra campeã
    do Carnaval. No dia 5 de agosto morre sua filha, Maria Julieta, vítima de câncer.
    Muito abalado, morre em17 de agosto.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Lun 13 Mar 2023, 10:41

    NOTURNOÀ JANELA DOAPARTAMENTO


    Silencioso cubo de treva:
    umsalto, e seria a morte.
    Mas é apenas, sob o vento,
    a integração na noite.
    Nenhumpensamento de infância,
    nemsaudade nemvão propósito.
    Somente a contemplação
    de ummundo enorme e parado.
    A soma da vida é nula.
    Mas a vida temtal poder:
    na escuridão absoluta,
    como líquido, circula.
    Suicídio, riqueza, ciência…
    A alma severa se interroga
    e logo se cala. E não sabe
    se é noite, mar ou distância.
    Triste farol da Ilha Rasa.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Lun 13 Mar 2023, 10:44

    MUNDOGRANDE


    Não, meu coração não é maior que o mundo.
    É muito menor.
    Nele não cabem nem as minhas dores.
    Por isso gosto tanto de me contar.
    Por isso me dispo,
    por isso me grito,
    por isso frequento os jornais, me exponho cruamente
    [nas livrarias:
    preciso de todos.
    Sim, meu coração é muito pequeno.
    Só agora vejo que nele não cabemos homens.
    Os homens estão cá fora, estão na rua.
    A rua é enorme. Maior, muito maior do que eu esperava.
    Mas também a rua não cabe todos os homens.
    A rua é menor que o mundo.
    O mundo é grande.
    Tu sabes como é grande o mundo.
    Conheces os navios que levam petróleo e livros, carne e algodão.
    Viste as diferentes cores dos homens,
    as diferentes dores dos homens,
    sabes como é difícil sofrer tudo isso, amontoar tudo isso
    num só peito de homem…sem que ele estale.
    Fecha os olhos e esquece.
    Escuta a água nos vidros,
    tão calma. Não anuncia nada.
    Entretanto escorre nas mãos,
    tão calma! vai inundando tudo…
    Renascerão as cidades submersas?
    Os homens submersos —voltarão?
    Meu coração não sabe.
    Estúpido, ridículo e frágil é meu coração.
    Só agora descubro
    como é triste ignorar certas coisas.
    (Na solidão de indivíduo
    desaprendi a linguagem
    com que homens se comunicam.)
    Outrora escutei os anjos,
    as sonatas, os poemas, as confissões patéticas.
    Nunca escutei voz de gente.
    Em verdade sou muito pobre.
    Outrora viajei
    países imaginários, fáceis de habitar,
    ilhas sem problemas, não obstante exaustivas e convocando
    [ao suicídio.
    Meus amigos foram às ilhas.
    Ilhas perdem o homem.
    Entretanto alguns se salvaram e
    trouxeram a notícia
    de que o mundo, o grande mundo está crescendo todos os dias,
    entre o fogo e o amor.
    Então, meu coração tambémpode crescer.
    Entre o amor e o fogo,
    entre a vida e o fogo,
    meu coração cresce dez metros e explode.
    —Ó vida futura! nós te criaremos.




    [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]



    88


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Mar 2023, 08:15

    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    A rosa do povo despetala-se,
    ou ainda conserva o pudor da alva?
    E um anúncio, um chamado, uma esperança embora frágil, pranto infantil no berço?
    Talvez apenas um ai de seresta, quem sabe.
    Mas há um ouvido mais fino que escuta, um peito de artista que incha,
    e uma rosa se abre, um segredo comunica-se, o poeta anunciou,
    o poeta, nas trevas, anunciou.
    ISBN 85-01-02597-6


    A ROSA DO POVO

    "Uma poesia marcada pelo momento histórico." É assim
    que o crítico Antônio Houaiss qualifica a poesia de Carlos
    Drummond de Andrade reunida em A Rosa do Povo, livro
    escrito durante a II Guerra Mundial, publicado em 1945 e jamais
    reeditado
    isoladamente. Se a sua repercussão na época foi imensa, quase
    quarenta anos depois podemos dizer que ele não perdeu o vigor
    da emoção poética e a atualidade nervosa.
    Saindo de novo a público, A Rosa do Povo propõe o
    mesmo debate inesgotável sobre a situação do artista no mundo e
    sua posição em face dos problemas políticos e sociais do seu
    tempo. Drummond tomou posição e manteve-se fiel a seu
    ideário, embora reconhecendo a falácia de ilusões que se
    misturavam a perenes interesses de justiça, liberdade e paz. Ao
    lado disso, o livro é de intenso lirismo existencial.


    Este livro, publicado em 1945, embora recebesse boa acolhida do
    público e da crítica, não teve mais nenhuma edição autônoma.
    Só veio a sair, depois, incorporado a volumes de poesias
    completas do autor.
    Quis a Record fazê-lo voltar à situação primitiva, como obra
    que, de certa maneira, reflete um "tempo", não só individual
    mas coletivo no país e no mundo. Escrito durante os anos
    cruciais da II Guerra Mundial, as preocupações então reinantes
    são identificadas em muitos de seus poemas, através da
    consciência e do modo pessoal de ser de quem os escreveu.
    Algumas ilusões feneceram, mas o sentimento moral é o mesmo
    — e está dito o necessário.
    C.D.A.



    *******************



    CONSIDERAÇÃO DO POEMA


    Não rimarei a palavra sono
    com a incorrespondente palavra outono.
    Rimarei com a palavra carne
    ou qualquer outra, que todas me convém.
    As palavras não nascem amarradas,
    elas saltam, se beijam, se dissolvem,
    no céu livre por vezes um desenho,
    são puras, largas, autênticas, indevassáveis.

    Uma pedra no meio do caminho
    ou apenas um rastro, não importa.
    Estes poetas são meus. De todo o orgulho,
    de toda a precisão se incorporaram
    ao fatal meu lado esquerdo. Furto a Vinicius
    sua mais límpida elegia. Bebo em Murilo.
    Que Neruda me dê sua gravata
    chamejante. Me perco em Apollinaire. Adeus, Maiakovski.

    São todos meus irmãos, não são jornais
    nem deslizar de lancha entre camélias:
    é toda a minha vida que joguei.
    Estes poemas são meus. É minha terra
    e é ainda mais do que ela. É qualquer homem
    ao meio-dia em qualquer praça. É a lanterna
    em qualquer estalagem, se ainda as há.

    — Há mortos? há mercados? há doenças?
    É tudo meu. Ser explosivo, sem fronteiras,
    por que falsa mesquinhez me rasgaria?
    Que se depositem os beijos na face branca, nas principiantes
    [rugas.
    O beijo ainda é um sinal, perdido embora,
    da ausência de comércio,
    boiando em tempos sujos.

    Poeta do finito e da matéria,
    cantor sem piedade, sim, sem frágeis lágrimas,
    boca tão seca, mas ardor tão casto.
    Dar tudo pela presença dos longínquos,
    sentir que há ecos, poucos, mas cristal,
    não rocha apenas, peixes circulando
    sob o navio que leva esta mensagem,
    e aves de bico longo conferindo
    sua derrota, e dois ou três faróis,
    últimos! esperança do mar negro.

    Essa viagem é mortal, e começá-la.
    Saber que há tudo. E mover-se em meio
    a milhões e milhões de formas raras,
    secretas, duras. Eis ai meu canto.
    Ele é tão baixo que sequer o escuta
    ouvido rente ao chão. Mas é tão alto
    que as pedras o absorvem. Está na mesa
    aberta em livros, cartas e remédios.

    Na parede infiltrou-se. O bonde, a rua,
    o uniforme de colégio se transformam,
    são ondas de carinho te envolvendo.
    Como fugir ao mínimo objeto
    ou recusar-se ao grande? Os temas passam,
    eu sei que passarão, mas tu resistes,
    e cresces como fogo, como casa,
    como orvalho entre dedos,
    na grama, que repousam.

    Já agora te sigo a toda parte,
    e te desejo e te perco, estou completo,
    me destino, me faço tão sublime,
    tão natural e cheio de segredos,
    tão firme, tão fiel... Tal uma lâmina,
    o povo, meu poema, te atravessa.





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Mar 2023, 08:30

    PROCURA DA POESIA


    Não faças versos sobre acontecimentos.
    Não há criação nem morte perante a poesia.
    Diante dela, a vida é um sol estático,
    não aquece nem ilumina.
    As afinidades, os aniversários, os incidentes pessoais não contam.
    Não faças poesia com o corpo,
    esse excelente, completo e confortável corpo, tão infenso à
    [efusão lírica.

    Tua gota de bile, tua careta de gozo ou de dor no escuro
    são indiferentes.
    Nem me reveles teus sentimentos,
    que se prevalecem do equívoco e tentam a longa viagem.
    O que pensas e sentes, isso ainda não é poesia.
    Não cantes tua cidade, deixa-a em paz.
    O canto não é o movimento das máquinas nem o segredo das
    [casas.
    Não é música ouvida de passagem; rumor do mar nas ruas
    [junto à linha de espuma.
    O canto não é a natureza
    nem os homens em sociedade.
    Para ele, chuva e noite, fadiga e esperança nada significam.
    A poesia (não tires poesia das coisas)
    elide sujeito e objeto.

    Não dramatizes, não invoques,
    não indagues. Não percas tempo em mentir.
    Não te aborreças.
    Teu iate de marfim, teu sapato de diamante,
    vossas mazurcas e abusões, vossos esqueletos de família
    desaparecem na curva do tempo, é algo imprestável.
    Não recomponhas
    tua sepultada e merencória infância.
    Não osciles entre o espelho e a
    memória em dissipação.

    Que se dissipou, não era poesia.
    Que se partiu, cristal não era.
    Penetra surdamente no reino das palavras.
    Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
    Estão paralisados, mas não há desespero,
    há calma e frescura na superfície intata.

    Ei-los sós e mudos, em estado de dicionário.
    Convive com teus poemas, antes de escrevê-los.
    Tem paciência, se obscuros. Calma, se te provocam.
    Espera que cada um se realize e consume
    com seu poder de palavra
    e seu poder de silêncio.

    Não forces o poema a desprender-se do limbo.
    Não colhas no chão o poema que se perdeu.
    Não adules o poema. Aceita-o
    como ele aceitará sua forma definitiva e concentrada
    no espaço.
    Chega mais perto e contempla as palavras.
    Cada uma
    tem mil faces secretas sob a face neutra
    e te pergunta, sem interesse pela resposta,
    pobre ou terrível, que lhe deres:

    Trouxeste a chave?
    Repara:
    ermas de melodia e conceito
    elas se refugiaram na noite, as palavras.
    Ainda úmidas e impregnadas de sono,
    rolam num rio difícil e se transformam em desprezo.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Mar 2023, 08:33

    A FLOR E A NÁUSEA


    Preso à minha classe e a algumas roupas,
    vou de branco pela rua cinzenta.
    Melancolias, mercadorias espreitam-me.
    Devo seguir até o enjôo?
    Posso, sem armas, revoltar-me?
    Olhos sujos no relógio da torre:

    Não, o tempo não chegou de completa justiça.
    O tempo é ainda de fezes, maus poemas, alucinações e espera.
    O tempo pobre, o poeta pobre
    fundem-se no mesmo impasse.
    Em vão me tento explicar, os muros são surdos.
    Sob a pele das palavras há cifras e códigos.
    O sol consola os doentes e não os renova.

    As coisas. Que tristes são as coisas, consideradas sem ênfase.
    Vomitar esse tédio sobre a cidade.
    Quarenta anos e nenhum problema
    resolvido, sequer colocado.
    Nenhuma carta escrita nem recebida.
    Todos os homens voltam para casa.

    Estão menos livres mas levam jornais
    e soletram o mundo, sabendo que o perdem.
    Crimes da terra, como perdoá-los?
    Tomei parte em muitos, outros escondi.
    Alguns achei belos, foram publicados.
    Crimes suaves, que ajudam a viver.

    Ração diária de erro, distribuída em casa.
    Os ferozes padeiros do mal.
    Os ferozes leiteiros do mal.
    Pôr fogo em tudo, inclusive em mim.
    Ao menino de 1918 chamavam anarquista.
    Porém meu ódio é o melhor de mim.

    Com ele me salvo
    e dou a poucos uma esperança mínima.
    Uma flor nasceu na rua!
    Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego.
    Uma flor ainda desbotada
    ilude a polícia, rompe o asfalto.

    Façam completo silêncio, paralisem os negócios,
    garanto que uma flor nasceu.
    Sua cor não se percebe.
    Suas pétalas não se abrem.
    Seu nome não está nos livros.
    É feia. Mas é realmente uma flor.

    Sento-me no chão da capital do país às cinco horas da tarde
    e lentamente passo a mão nessa forma insegura.
    Do lado das montanhas, nuvens maciças avolumam-se.
    Pequenos pontos brancos movem-se no mar, galinhas em pânico

    É feia. Mas é uma flor. Furou o asfalto, o tédio, o nojo e o ódio.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Mar 2023, 08:35

    ANOITECER


    A Dolores

    É a hora em que o sino toca,
    mas aqui não há sinos;
    há somente buzinas,
    sirenes roucas, apitos
    aflitos, pungentes, trágicos,
    uivando escuro segredo;
    desta hora tenho medo.

    É a hora em que o pássaro volta,
    mas de há muito não há pássaros;
    só multidões compactas
    escorrendo exaustas
    como espesso óleo
    que impregna o lajedo;
    desta hora tenho medo.

    É a hora do descanso,
    mas o descanso vem tarde,
    o corpo não pede sono,
    depois de tanto rodar;
    pede paz — morte — mergulho
    no poço mais ermo e quedo;
    desta hora tenho medo.

    Hora de delicadeza,
    gasalho, sombra, silêncio.
    Haverá disso no mundo?
    Ê antes a hora dos corvos,
    bicando em mim, meu passado,
    meu futuro, meu degredo;
    desta hora, sim, tenho medo.





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


    23


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Jue 16 Mar 2023, 09:25

    O MEDO

    A Antônio Cândido

    "Porque há para todos nós
    um problema sério...
    Este problema é o do medo."
    ANTONIO CÂNDIDO
    ,

    Em verdade temos medo.
    Nascemos escuro.
    As existências são poucas:
    Carteiro, ditador, soldado.
    Nosso destino, incompleto.

    E fomos educados para o medo.
    Cheiramos flores de medo.
    Vestimos panos de medo.
    De medo, vermelhos rio»
    vadeamos.

    Somos apenas uns homens
    e a natureza traiu-nos.
    Há as árvores, as fábricas,
    doenças galopantes, fomes.

    Refugiamo-nos no amor,
    este célebre sentimento,
    e o amor faltou: chovia,
    ventava, fazia frio em São Paulo,

    Fazia frio em São Paulo...
    Nevava.
    O medo, com sua capa,
    nos dissimula e nos berça.
    Fiquei com medo de ti,
    meu companheiro moreno.

    De nós, de vós; e de tudo.
    Estou com medo da honra.
    Assim nos criam burgueses.
    Nosso caminho: traçado.

    Por que morrer em conjunto?
    E se todos nós vivêssemos?
    Vem, harmonia do medo,
    vem, ó terror das estradas,
    susto na noite, receio
    de águas poluídas. Muletas
    do homem só. Ajudai-nos,
    lentos poderes do láudano.

    Até a canção medrosa
    te parte, se transe e cala-se
    Faremos casas de medo,
    duros tijolos de medo,
    medrosos caules, repuxos,
    ruas só de medo e calma.

    E com asas de prudência,
    com resplendores covardes,
    atingiremos o cimo
    de nossa cauta subida.

    O medo, com sua física,
    tanto produz: carcereiros,
    edifícios, escritores,
    este poema; outras vidas.
    Tenhamos o maior pavor.

    Os mais velhos compreendem.
    O medo cristalizou-os.
    Estátuas sábias, adeus.
    Adeus: vamos para a frente,
    recuando de olhos acesos.

    Nossos filhos tão felizes...
    Fiéis herdeiros do medo,
    eles povoam a cidade.
    Depois da cidade, o mundo.
    Depois do mundo, as estrelas,
    dançando o baile do medo.



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


    24


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Sáb 18 Mar 2023, 08:54

    NOSSO TEMPO


    A Oswaldo Alves

    I

    Este é tempo de partido,
    tempo de homens partidos.
    Em vão percorremos volumes,
    viajamos e nos colorimos.
    A hora pressentida esmigalha-se em pó na rua.
    Os homens pedem carne. Fogo. Sapatos.
    As leis não bastam. Os lírios não nascem
    da lei. Meu nome é tumulto, e escreve-se
    na pedra.
    Visito os fatos, não te encontro.
    Onde te ocultas, precária síntese,
    penhor de meu sono, luz
    dormindo acesa na varanda?
    Miúdas certezas de empréstimo, nenhum beijo
    sobe ao ombro para contar-me
    a cidade dos homens completos.
    Calo-me, espero, decifro.
    As coisas talvez melhorem.
    São tão fortes as coisas!
    Mas eu não sou as coisas e me revolto.
    Tenho palavras em mim buscando canal,
    são roucas e duras,
    irritadas, enérgicas,
    comprimidas há tanto tempo,
    perderam o sentido, apenas querem explodir.

    II

    Este é tempo de divisas,
    tempo de gente cortada.
    De mãos viajando sem braços,
    obscenos gestos avulsos.
    Mudou-se a rua da infância.
    E o vestido vermelho
    vermelho
    cobre a nudez do amor,
    ao relento, no vale.
    Símbolos obscuros se multiplicam.
    Guerra, verdade, flores?
    Dos laboratórios platônicos mobilizados
    vem um sopro que cresta as faces
    ç dissipa, na praia, as palavras.
    A escuridão estende-se mas não elimina
    o sucedâneo da estrela nas mãos.
    Certas partes de nós como brilham! São unhas,
    anéis, pérolas, cigarros, lanternas,
    são partes mais íntimas,
    a pulsação, o ofego,
    e o ar da noite é o estritamente necessário
    para continuar, e continuamos.

    ///

    E continuamos. É tempo de muletas.
    Tempo de mortos faladores
    e velhas paralíticas, nostálgicas de bailado,
    mas ainda é tempo de viver e contar.
    Certas histórias não se perderam.
    Conheço bem esta casa,
    pela direita entra-se, pela esquerda sobe-se,
    a sala grande conduz a quartos terríveis,
    como o do enterro que não foi feito, do corpo esquecido na
    [mesa.
    conduz à copa de frutas ácidas,
    ao claro jardim central, á água
    que goteja e segreda
    o incesto, a bênção, a partida,
    conduz às celas fechadas, que contêm:
    papéis?
    crimes?
    moedas?
    ó conta, velha preta, ó jornalista, poeta, pequeno historiador
    [urbano,
    ó surdo-mudo, depositário de meus desfalecimentos, abre-te e
    [conta,
    moça presa, na memória, velho aleijado, baratas dos arquivos,
    [portas rangentes, solidão e asco,
    pessoas e coisas enigmáticas, contai,
    capa de poeira dos pianos desmantelados, contai;
    velhos selos do imperador, aparelhos de porcelana partidos,
    [contai;
    ossos na rua, fragmentos de jornal, colchetes no chão da
    [costureira, luto no braço, pombas, cães errantes,
    [animais caçados, contai.
    Tudo tão difícil depois que vos calastes...
    E muitos de vós nunca se abriram.

    IV

    É tempo de meio silêncio,
    de boca gelada e murmúrio,
    palavra indireta, aviso
    na esquina. Tempo de cinco sentidos
    num só. O espião janta conosco.
    É tempo de cortinas pardas,
    de céu neutro, política
    na maçã. no santo, no gozo,
    amor e desamor, cólera
    branda, gim com água tônica,
    olhos pintados,
    dentes de vidro,
    grotesca língua torcida.
    A isso chamamos: balanço.
    No beco,
    apenas um muro,
    sobre ele a policia.
    No céu da propaganda
    aves anunciam
    a glória.
    No quarto,
    irrisão e três colarinhos sujos.

    V

    Escuta a hora formidável do almoço
    na cidade. Os escritórios, num passe, esvaziam-se.
    As bocas sugam um rio de carne, legumes e tortas vitaminosas.
    Salta depressa do mar a bandeja de peixes argênteos!
    Os subterrâneos da fome choram caldo de sopa,
    olhos líquidos de câo através do vidro devoram teu osso.
    Come, braço mecânico, alimenta-te, mao de papel, é tempo de
    [comida,
    mais tarde será o de amor.
    Lentamente os escritórios se recuperam, e os negócios, forma
    [indecisa, evoluem.
    O esplêndido negócio insinua-se no tráfego.
    Multidões que o cruzam não vêem. É sem cor e sem cheiro.
    Está dissimulado no bonde, por trás da brisa do sul,
    vem na areia, no telefone, na batalha de aviões,
    toma conta de tua alma e dela extrai uma porcentagem.
    Escuta a hora espandongada da volta.
    Homem depois de homem, mulher, criança, homem,
    roupa, cigarro, chapéu, roupa, roupa, roupa,
    homem, homem, mulher, homem, mulher, roupa, homem
    imaginam esperar qualquer coisa,
    e se quedam mudos, escoam-se passo a passo, sentam-se,
    últimos servos do negócio, imaginam voltar para casa,
    já noite, entre muros apagados, numa suposta cidade,
    [imaginam.
    Escuta a pequena hora noturna de compensação, leituras,
    [apelo ao cassino, passeio na praia,
    o corpo ao lado do corpo, afinal distendido,
    com as calças despido-o incômodo pensamento de escravo,
    escuta o corpo ranger, enlaçar, refluir,
    errar em objetos remotos e, sob eles soterrado sem dor,
    confiar-se ao que-bem-me-importa
    do sono.
    Escuta o horrível emprego do dia
    em todos os países de fala humana,
    a falsificação das palavras pingando nos jornais,
    o mundo irreal dos cartórios onde a propriedade é um bolo
    [com flores,
    os bancos triturando suavemente o pescoço do açúcar,
    a constelação das formigas e usuários,
    a ma poesia, o mau romance,
    os frágeis que se entregam à proteção do basilisco,
    o homem feio, de mortal feiúra,
    passeando de bote
    num sinistro crepúsculo de sábado.

    VI

    Nos porões da família,
    orquídeas e opções
    de compra e desquite.
    A gravidez elétrica
    já não traz delíquios.
    Crianças alérgicas
    trocam-se; reformam-se.
    Há uma implacável
    guerra às baratas.
    Contam-se histórias
    por correspondência.
    A mesa reúne
    um copo, uma faca,
    e a cama devora
    tua solidão.
    Salva-se a honra
    e a herança do gado.

    VII

    Ou não se salva, e é o mesmo. Há soluções, há bálsamos
    para cada hora e dor. Há fortes bálsamos,
    dores de classe, de sangrenta fúria
    e plácido rosto. E há mínimos
    bálsamos, recalcadas dores ignóbeis,
    lesões que nenhum governo autoriza,
    não obstante doem,
    melancolias insubornáveis,
    ira, reprovação, desgosto
    desse chapéu velho, da rua lodosa, do Estado.
    Há o pranto no teatro,
    no palco? no público? nas poltronas?
    há sobretudo o pranto no teatro,
    já tarde, já confuso,
    ele embacia as luzes, se engolfa no linóleo,
    vai minar nos armazéns, nos becos coloniais onde passeiam
    [ratos noturnos,
    vai molhar, na roça madura, o milho ondulante,
    e secar ao sol, em poça amarga.
    E dentro do pranto minha face trocista,
    meu olho que ri e despreza»
    minha repugnância total por vosso lirismo deteriorado,
    que polui a essência mesma dos diamantes.

    VII

    O poeta
    declina de toda responsabilidade
    na marcha do mundo capitalista
    e com suas palavras, intuições, símbolos e outras armas
    promete ajudar
    8 destruí-lo
    como uma pedreira, uma floresta,
    um verme.




    [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


    36


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Lun 20 Mar 2023, 09:13

    PASSAGEM DO ANO


    O último dia do ano
    não é o último dia do tempo.
    Outros dias virão
    e novas coxas e ventres te comunicarão o calor da vida.
    Beijarás bocas, rasgarás papéis,
    farás viagens e tantas celebrações
    de aniversário, formatura, promoção, glória, doce morte com
    [sinfonia e coral,
    que o tempo ficará repleto e não ouviras o clamor,
    os irreparáveis uivos
    do lobo, na solidão.

    O último dia do tempo
    não é o último dia de tudo.
    Fica sempre uma franja de vida
    onde se sentam dois homens.
    Um homem e seu contrário,
    uma mulher e seu pé,
    um corpo e sua memória,
    um olho e seu brilho,
    uma voz e seu eco,
    e quem sabe até se Deus...

    Recebe com simplicidade este presente do acaso.
    Mereceste viver mais um ano.
    Desejarias viver sempre e esgotar a borra dos séculos.
    Teu pai morreu, teu avô também.
    Em ti mesmo muita coisa já expirou, outras espreitam a morte,
    mas estás vivo. Ainda uma vez estás vivo,
    e de copo na mão
    esperas amanhecer.

    O recurso de se embriagar.
    O recurso da dança e do grito,
    o recurso da bola colorida,
    o recurso de Kant e da poesia,
    todos eles... e nenhum resolve.

    Surge a manhã de um novo ano.

    As coisas estão limpas, ordenadas.
    O corpo gasto renova-se em espuma.
    Todos os sentidos alerta funcionam.
    A boca está comendo vida.
    A boca está entupida de vida.
    A vida escorre da boca,
    lambuza as mãos, a calçada.

    A vida é gorda, oleosa, mortal, sub-reptícia.





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


    39


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Miér 22 Mar 2023, 19:36

    PASSAGEM DA NOITE


    É noite. Sinto que é noite
    não porque a sombra descesse
    (bem me importa a face negra)
    mas porque dentro de mim,
    no fundo de mim, o grito
    se calou, fez-se desânimo.

    Sinto que nós somos noite,
    que palpitamos no escuro
    e em noite nos dissolvemos.
    Sinto que é noite no vento,
    noite nas águas, na pedra.
    E que adianta uma lâmpada?
    E que adianta uma voz?

    É noite no meu amigo.
    É noite no submarino.
    É noite na roça grande.
    É noite, não é morte, é noite
    de sono espesso e sem praia.
    Não é dor, nem paz, é noite,
    é perfeitamente a noite.

    Mas salve, olhar de alegria!
    E salve, dia que surge!
    Os corpos saltam do sono,
    o mundo se recompõe.
    Que gozo na bicicleta!
    Existir: seja como for.
    A fraterna entrega do pão.

    Amar: mesmo nas canções.
    De novo andar: as distâncias,
    as cores, posse das ruas.
    Tudo que à noite perdemos
    se nos confia outra vez.
    Obrigado, coisas fiéis!

    Saber que ainda há florestas,
    sinos, palavras; que a terra
    prossegue seu giro, e o tempo
    não murchou; não nos diluímos.
    Chupar o gosto do dia!
    Clara manhã, obrigado,
    o essencial é viver!


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Vie 24 Mar 2023, 15:04

    FRAGILIDADE



    Este verso, apenas um arabesco
    em torno do elemento essencial — inatingível.
    Fogem nuvens de verão, passam aves, navios, ondas,
    e teu rosto é quase um espelho onde brinca o incerto movimento,
    ai! já brincou, e tudo se fez imóvel, quantidades e quantidades
    de sono se depositam sobre a terra esfacelada.
    Não mais o desejo de explicar, e múltiplas palavras em feixe
    subindo, e o espírito que escolhe, o olho que visita, a música
    feita de depurações e depurações, a delicada modelagem
    de um cristal de mil suspiros límpidos e frigidos: não mais
    que um arabesco, apenas um arabesco
    abraça as coisas, sem reduzi-las.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Vie 24 Mar 2023, 15:05

    O POETA ESCOLHE SEU TÚMULO


    Onde foi Tróia,
    onde foi Helena,
    onde a erva cresce,
    onde te despi,

    onde pastam coelhos
    » roer o tempo,
    e um rio molha
    roupas largadas,

    onde houve, não
    na mais agora
    o ramo inclinado,

    eu me sinto bem
    e aí me sepulto
    para sempre e um dia.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Vie 24 Mar 2023, 15:07

    VIDA MENOR


    A fuga do real,
    ainda mais longe a fuga do feérico,
    mais longe de tudo, a fuga de si mesmo,
    a fuga da fuga, o exílio
    sem água e palavra, a perda
    voluntária de amor e memória,
    o eco
    já não correspondendo ao apelo, e este fundindo-se,
    a mao tornando-se enorme e desaparecendo
    desfigurada, todos os gestos afinal impossíveis,
    senão inúteis,
    a desnecessidade do canto, a limpeza
    da cor, nem braço a mover-se nem unha crescendo.
    Não a morte, contudo.

    Mas a vida: captada em sua forma irredutível,
    já sem ornato ou comentário melódico,
    vida a que aspiramos como paz no cansaço
    (não a morte),
    vida mínima, essencial; um início-, um sono;
    menos que terra, sem calor; sem ciência nem ironia;
    o que se possa desejar de menos cruel: vida
    em que o ar, não respirado, mas me envolva;
    nenhum gasto de tecidos; ausência deles;
    confusão entre manhã e tarde, já sem dor,
    porque o tempo não mais se divide em seções; o tempo
    elidido, domado.
    Não o morto nem o eterno ou o divino,
    apenas o vivo, o pequenino, calado, indiferente
    e solitário vivo.
    Isso eu procuro.





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]



    64


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Sáb 25 Mar 2023, 19:53

    CAMPO, CHINÊS E SONO



    A João Cabral de Melo Neto



    O chinês deitado
    no campo. O campo é azul,
    roxo também. O campo,
    o mundo e todas as coisas
    têm ar de um chinês
    deitado e que dorme.
    Como saber se está sonhando?
    O sono é perfeito. Formigas
    crescem, estrelas latejam,
    Peixes são fluidos.
    E árvores dizem qualquer coisa
    que não entendes. Há um chinês
    dormindo no campo. Há um campo
    cheio de sono e antigas confidencias.
    Debruça-te no ouvido, ouve o murmúrio
    do sono em marcha. Ouve a terra, as nuvens.
    O campo está dormindo e forma um chinês
    de suave rosto inclinado
    no vão do tempo.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Sáb 25 Mar 2023, 19:54

    EPISÓDIO

    Manhã cedo passa
    à minha porta um boi.
    De onde vem ele
    se não há fazendas?

    Vem cheirando o tempo
    entre noite e rosa.
    Para à minha porta
    sua lenta máquina.

    Alheio à polícia
    anterior ao tráfego
    ó boi, me conquistas
    para outro, teu reino.

    Seguro teus chifres:
    eis-me transportado
    sonho e compromisso
    ao País Profundo.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Sáb 25 Mar 2023, 19:56

    NOVA CANÇÃO DO EXÍLIO


    A Josué Montello


    Um sabiá
    na palmeira, longe.
    Estas aves cantam
    um outro canto.

    O céu cintila
    sobre flores úmidas.
    Vozes na mata,
    e o maior amor.

    Só, na noite,
    seria feliz:
    um sabiá,
    na palmeira, longe.

    Onde é tudo belo
    e fantástico,
    só, na noite,
    seria feliz.
    (Um sabiá,
    na palmeira, longe.)

    Ainda um grito de vida e
    voltar
    para onde é tudo belo
    e fantástico:
    a palmeira, o sabiá,
    o longe


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Sáb 25 Mar 2023, 19:56

    ECONOMIA DOS MARES TERRESTRES



    A queixa
    comprimida na garrafa
    quer escapar
    reunir os povos
    dizer a Matilde que lhe perdoa
    organizar a vida dos índios,
    a queixa
    no vácuo
    lembra uma queixa menor.
    Dir-se-ia, na chama, uma sombra,
    não arde, também se destrói.
    A queixa mínima
    já não pede ao vento que se cale,
    aos estudantes que estudem, a Elza
    que deposite flores sobre o retrato enterrado.
    Limita-se
    à contemplação metódica da mosca
    fora da garrafa
    (mas já são outros problemas).


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Sáb 25 Mar 2023, 19:57

    EQUÍVOCO


    Na noite sem lua perdi o chapéu.
    O chapéu era branco e dele passarinhos
    saiam para a glória, transportando-me ao céu.
    A neblina gelou-me até os nervos e as tias.
    Fiquei na praça oval aguardando a galera
    com fiscais que me perdoassem e me abrissem os rios.
    Um jardim sempre meu, de funcho e de coral,
    ergueu-se pouco a pouco, e eram flores de velho,
    murchando sem abrir, indecisas no mal.
    Ressurgi para a escola, e de novo adquiri
    a ciência de deslizar, tao própria de meus netos:
    Sou apenas um peixe, mas que fuma e que ri,
    e que ri e detesta.




    [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


    72


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Lun 27 Mar 2023, 07:17

    MOVIMENTO DA ESPADA


    Estamos quites, irmão vingador.
    Desceu a espada
    e cortou o braço.
    Cá está ele, molhado em rubro.
    Dói o ombro, mas sobre o ombro
    tua justiça resplandece.

    Já podes sorrir, tua boca
    moldar-se em beijo de amor.
    Beijo-te, irmão, minha divida
    está paga.
    Fizemos as contas, estamos alegres.
    Tua lâmina corta, mas é doce,
    a carne sente, mas limpa-se.
    O sol eterno brilha de novo
    e seca a ferida.
    Mutilado, mas quanto movimento
    em mim procura ordem.

    O que perdi se multiplica
    e uma pobreza feita de pérolas
    salva o tempo, resgata a noite.

    Irmão, saber que és irmão,
    na carne como nos domingos.
    Rolaremos juntos pelo mar..
    .
    Agasalhado em tua vingança,
    puro e imparcial como um cadáver
    que o ar embalsamasse,
    serei carga jogada às ondas,
    mas as ondas, também elas, secam,
    e o sol brilha sempre.


    Sobre minha mesa, sobre minha cova,
    como brilha o sol!
    Obrigado, irmão, pelo sol que me deste,
    na aparência roubando-o.
    Já não posso classificar os bens preciosos.
    Tudo é precioso...
    e tranqüilo
    como olhos guardados nas pálpebras.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 70671
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Maria Lua Lun 27 Mar 2023, 07:18

    MOVIMENTO DA ESPADA


    Estamos quites, irmão vingador.
    Desceu a espada
    e cortou o braço.
    Cá está ele, molhado em rubro.

    Dói o ombro, mas sobre o ombro
    tua justiça resplandece.
    Já podes sorrir, tua boca
    moldar-se em beijo de amor.

    Beijo-te, irmão, minha divida
    está paga.
    Fizemos as contas, estamos alegres.
    Tua lâmina corta, mas é doce,
    a carne sente, mas limpa-se.

    O sol eterno brilha de novo
    e seca a ferida.
    Mutilado, mas quanto movimento
    em mim procura ordem.

    O que perdi se multiplica
    e uma pobreza feita de pérolas
    salva o tempo, resgata a noite.

    Irmão, saber que és irmão,
    na carne como nos domingos.
    Rolaremos juntos pelo mar...
    Agasalhado em tua vingança,
    puro e imparcial como um cadáver
    que o ar embalsamasse,

    serei carga jogada às ondas,
    mas as ondas, também elas, secam,
    e o sol brilha sempre.
    Sobre minha mesa, sobre minha cova,
    como brilha o sol!

    Obrigado, irmão, pelo sol que me deste,
    na aparência roubando-o.
    Já não posso classificar os bens preciosos.
    Tudo é precioso...
    e tranqüilo
    como olhos guardados nas pálpebras.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]

    Contenido patrocinado


    CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 –  17/08/ 1987) - Página 18 Empty Re: CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE (Brasil, 31/10/ 1902 – 17/08/ 1987)

    Mensaje por Contenido patrocinado


      Fecha y hora actual: Jue 20 Jun 2024, 13:31