Aires de Libertad

¿Quieres reaccionar a este mensaje? Regístrate en el foro con unos pocos clics o inicia sesión para continuar.

https://www.airesdelibertad.com

Leer, responder, comentar, asegura la integridad del espacio que compartes, gracias por elegirnos y participar

Estadísticas

Nuestros miembros han publicado un total de 1050295 mensajes en 47918 argumentos.

Tenemos 1579 miembros registrados

El último usuario registrado es Roberto Canales Camacho

¿Quién está en línea?

En total hay 61 usuarios en línea: 2 Registrados, 0 Ocultos y 59 Invitados :: 2 Motores de búsqueda

Juan Martín, Ramón Carballal


El record de usuarios en línea fue de 1156 durante el Mar 05 Dic 2023, 16:39

Últimos temas

» CLARICE LISPECTOR II
 FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) EmptyHoy a las 16:47 por Maria Lua

» FRANCESCO PETRARCA (1304-1374)
 FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) EmptyHoy a las 16:39 por Maria Lua

» EDUARDO GALEANO (1940-2015)
 FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) EmptyHoy a las 16:33 por Maria Lua

» JULIO VERNE (1828-1905)
 FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) EmptyHoy a las 16:22 por Maria Lua

» ADONIS (Ali Ahmad Said) (1930-
 FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) EmptyHoy a las 15:58 por Maria Lua

» POESÍA ÁRABE
 FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) EmptyHoy a las 15:56 por Maria Lua

» LITERATURA AFRICANA - POESÍA AFRICANA
 FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) EmptyHoy a las 15:53 por Maria Lua

» LA POESIA MÍSTICA DEL SUFISMO. LA CONFERENCIA DE LOS PÁJAROS.
 FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) EmptyHoy a las 15:44 por Maria Lua

» 2017-04-01 GLÒRIA
 FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) EmptyHoy a las 15:23 por cecilia gargantini

» CÉSAR VALLEJO (1892-1938)
 FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) EmptyHoy a las 15:15 por cecilia gargantini

Julio 2024

LunMarMiérJueVieSábDom
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendario Calendario

Conectarse

Recuperar mi contraseña

Galería


 FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty

3 participantes

    FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 09:23

    Este post es continuación del primero

    [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]



    FERNANDO PESSOA




    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]

    Fernando António Nogueira Pessoa, más conocido como Fernando Pessoa (Lisboa, Portugal, 13 de junio de 1888 — ibídem, 30 de noviembre de 1935), es uno de los mayores poetas y escritores de la lengua portuguesa y de la literatura europea.

    Tuvo una vida discreta, centrada en el periodismo, la publicidad, el comercio y, principalmente, la literatura, en la que se desdobló en varias personalidades conocidas como heterónimos. La figura enigmática en la que se convirtió motiva gran parte de los estudios sobre su vida y su obra.

    Habiendo vivido la mayor parte de su juventud en Sudáfrica, donde estudió hasta el año 1905, la lengua inglesa tuvo gran importancia en su vida, pues Pessoa traducía, trabajaba y pensaba en ese idioma. De día Pessoa se ganaba la vida como traductor. Por la noche escribía poesía: No escribía «su» propia poesía, sino la de diversos autores ficticios, diferentes en estilo, modos y voz. Publicó bajo varios heterónimos —de los cuales los más importantes son Alberto Caeiro, Álvaro de Campos, Bernardo Soares y Ricardo Reis—, e incluso publicó críticas contra sus propias obras firmadas por sus heterónimos.
    Murió por problemas hepáticos a los 47 años en la misma ciudad en que naciera, dejando una descomunal obra inédita que todavía suscita análisis y controversias.

    Heterónimos



    Fernando Pessoa tenía 72 heterónimos. De ellos, los más importantes fueron:





    Alberto Caeiro



    Caeiro, nacido en Lisboa, fue la mayor parte de su vida un campesino casi sin estudios formales —solo cursó la instrucción primaria—, pero es considerado el maestro entre los heterónimos, inclusive por el ortónimo. Muertos su padre y su madre, se quedó en casa de una tía-abuela, viviendo de una renta modesta. Murió de tuberculosis. También es conocido como el poeta-filósofo, pero él rechazaba ese título y pregonaba una «no filosofía». Creía que los seres simplemente son, y nada más: se irritaba con la metafísica y cualquier tipo de simbolismo de la vida.

    De los principales heterónimos de Fernando Pessoa, Caeiro fue el único que no escribió en prosa. Alegaba que solamente la poesía sería capaz de dar cuenta de la realidad.

    Caeiro fue descrito por el propio ortónimo (Fernando Pessoa) como no sólo un pagano, sino como el propio paganismo. Definía el amor verdadero como amor hacia algo o alguien simplemente por ser esa cosa o persona, y no por otros principios externos a ella. Poseía un lenguaje estético directo, concreto y simple, pero aun así bastante complejo desde el punto de vista reflexivo. Su ideario se resume en el verso:

    "Há metafísica bastante em não pensar em nada. Hay suficiente metafísica en no pensar nada."



    Álvaro de Campos



    Entre todos los heterónimos, Campos fue el único en manifestar fases poéticas diferentes a lo largo de su obra. Era un ingeniero homosexual5 de educación inglesa y origen portugués, pero siempre con la sensación de ser un extranjero en cualquier parte del mundo.

    Un párrafo que le define muy bien es el siguiente:

    Vivir es pertenecer a otro. Morir es pertenecer a otro. Vivir y morir son la misma cosa. Mas vivir es pertenecer a otro de fuera y morir es pertenecer a otro de dentro. Una y otra cosa se asemejan, pero la vida es el lado de fuera de la muerte. Por eso la vida es la vida y la muerte es la muerte, pues el lado de fuera siempre es más verdadero que el lado de dentro; tanto es así que el lado de fuera es el que se ve.

    Comienza su trayectoria como un decadentista influído por el simbolismo, pero luego se adhiere al futurismo. Tras una serie de desilusiones con la existencia, asume una vena nihilista, expresada en aquel que es considerado uno de los poemas más conocidos e influyentes de la lengua portuguesa: Tabacaria.



    Ricardo Reis



    El heterónimo Ricardo Reis se define como latinista y monárquico. De cierta manera, simboliza la herencia clásica en la literatura occidental, expresada en la simetría, armonía, y un cierto bucolismo, con elementos epicúreos y estoicos. El fin inexorable de todos los seres vivos es una constante en su obra, clásica, depurada y disciplinada.

    Según Pessoa, Reis se trasladó a Brasil en protesta por la proclamación de la República en Portugal, y no se sabe el año de su muerte.

    José Saramago, en El año de la muerte de Ricardo Reis continúa, en una perspectiva personal, el universo de este heterónimo. Saramago hace reencontrarse a Fernando Pessoa, ya muerto, con su heterónimo, que sobrevive a su creador.










    Última edición por Maria Lua el Miér 12 Jun 2024, 09:35, editado 2 veces


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 09:39

    Seguimos com el

    LIVRO DO DESASSOSSEGO de BERNARDO SOARES (FERNANDO PESSOA) en portugués.

    En el post anterior paramos en el 401 del pdf


    [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]

    El libro en español está en


    [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


    ***********************************************************************



    401.



    Criei para mim, fausto de um opróbrio, uma pompa de dor e de
    apagamento. Não fiz da minha dor um poema, fiz dela, porém, um cortejo. E
    da janela para mim contemplo, espantado, os ocasos roxos, os crepúsculos
    vagos de dores sem razão, onde passam, nos cerimoniais do meu descaminho,
    os perigos, os fardos, os falhanços da minha incompetência nativa para
    existir. A criança, que nada matou em mim, assiste ainda, de febre e fitas, ao
    circo que me dou. Ri dos palhaços, sem haver cá fora do circo; põe nos
    habilidosos e nos acrobatas olhos de quem vê ali toda a vida. E assim, sem
    alegria, mas contente, entre as quatro paredes do meu quarto dorme, por
    inocência, com o seu pobre papel feio e gasto, toda a angústia insuspeita de
    uma alma humana que transborda, todo o desespero sem remédio de um
    coração a quem Deus abandonou.
    Caminho, não pelas ruas, mas através da minha dor. As casas alinhadas são
    os incompreendedores que me cercam na alma; os meus passos soam no
    passeio como um dobre ridículo a finados, um ruído de espanto na noite, final
    como um recibo ou uma jaula .
    Separo-me de mim e vejo que sou um fundo de um poço.
    Morreu quem eu nunca fui. Esqueceu a Deus quem eu havia de ser. Só o
    interlúdio vazio.
    Se eu fosse músico escreveria a minha marcha fúnebre, e com que razão a
    escreveria!





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]





    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 09:42




    402.



    Poder reencarnar numa pedra, num grão de pó — chora-me na alma este
    desejo.
    Cada vez acho menos sabor a tudo, mesmo a não achar sabor a nada .


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 09:42

    403.

    Caleidoscópio


    Não me encontro um sentido... A vida pesa... Toda a emoção é de mais
    para mim... O meu coração é um privilégio de Deus... A que cortejos pertenci,
    que um cansaço de não sei que pompas embala a minha saudade? E que
    pálios? Que sequências de estrelas? Que lírios? Que flâmulas? Que vitrais?
    Por que mistério à sombra de árvores passaram as melhores fantasias, que
    neste mundo tanto se recordam das águas, dos ciprestes e dos buxos e não
    encontram pálios para os seus préstitos senão entre consequências de se
    abster?
    Não fales... Aconteces demasiado... Tenho pena de te estar vendo...
    Quando serás tu apenas uma saudade minha? Até lá quantas tu não serás! E
    eu ter de julgar que te posso ver é uma ponte velha onde ninguém passa... A
    vida é isto. Os outros abandonaram os remos... Não há já disciplina nas
    coortes... Foram-se os cavaleiros com a manhã e o som das lanças... Os teus
    castelos ficaram esperando estar desertos... Nenhum vento abandonou os
    renques das árvores ao cimo... Pórticos inúteis, baixelas guardadas, prenúncios
    de profecias — isso pertence aos crepúsculos prosternados nos templos e não
    agora, ao encontrarmo-nos, porque não há razões para tílias dando sombra
    senão teus dedos e o seu gesto tardio...
    Razão de sobra para territórios remotos... Tratados feitos por vitrais de
    reis... Lírios de quadros religiosos... Por quem espera o séquito?...
    Por onde se ergueu a águia perdida?


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 09:43

    404.



    Enrolar o mundo à roda dos nossos dedos, como um fio ou uma fita com
    que brinque uma mulher que sonha à janela.
    Resume-se tudo enfim em procurar sentir o tédio de modo que ele não doa.
    Seria interessante poder ser dois reis ao mesmo tempo: ser não a uma alma
    de eles dois, mas as duas almas.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 09:44

    405.



    A vida, para a maioria dos homens, é uma maçada passada sem se dar por
    isso, uma coisa triste composta de intervalos alegres, qualquer coisa como os
    momentos de anedotas que contam os veladores de mortos, para passar o
    sossego da noite e a obrigação de velar. Achei sempre fútil considerar a vida
    como um vale de lágrimas: é um vale de lágrimas, sim, mas onde raras vezes se
    chora. Disse Heine que, depois das grandes tragédias, acabamos sempre por
    nos assoar. Como judeu, e portanto universal, viu com clareza a natureza
    universal da humanidade.
    A vida seria insuportável se tomássemos consciência dela. Felizmente o não
    fazemos. Vivemos com a mesma inconsciência que os animais, do mesmo
    modo fútil e inútil, e se antecipamos a morte, que é de supor, sem que seja
    certo, que eles não antecipam, antecipamo-la através de tantos esquecimentos,
    de tantas distrações e desvios, que mal podemos dizer que pensamos nela.
    Assim se vive, e é pouco para nos julgarmos superiores aos animais. A
    nossa diferença deles consiste no pormenor puramente externo de falarmos e
    escrevermos, de termos inteligência abstrata para nos distrairmos de a ter
    concreta, e de imaginar coisas impossíveis. Tudo isso, porém, são acidentes do
    nosso organismo fundamental. O falar e escrever nada fazem de novo no
    nosso instinto primordial de viver sem saber como. A nossa inteligência
    abstrata não serve senão para fazer sistemas, ou ideias meio-sistemas, do que
    nos animais é estar ao sol. A nossa imaginação do impossível não é
    porventura própria, pois já vi gatos olhar para a lua, e não sei se não a
    quereriam.
    Todo o mundo, toda a vida, é um vasto sistema de inconsciências operando
    através de consciências individuais. Assim como com dois gases, passando por
    eles uma corrente elétrica, se faz um líquido, assim com duas consciências —
    a do nosso ser concreto e a do nosso ser abstrato — se faz, passando por elas
    a vida e o mundo, uma inconsciência superior.
    Feliz, pois, o que não pensa, porque realiza por instinto e destino orgânico
    o que todos nós temos que realizar por desvio e destino inorgânico ou social.
    Feliz o que mais se assemelha aos brutos, porque é sem esforço o que todos
    nós somos com trabalho imposto; porque sabe o caminho de casa, que nós
    outros não encontramos senão por atalhos de ficção e regresso; porque,
    enraizado como uma árvore, é parte da paisagem e portanto da beleza, e não,
    como nós, mitos da passagem, figurantes de trajo vivo da inutilidade e do
    esquecimento.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 09:45

    406.



    Não creio alto na felicidade dos animais, senão quando me apetece falar
    nela para moldura de um sentimento que a sua suposição saliente. Para se ser
    feliz é preciso saber-se que se é feliz. Não há felicidade em dormir sem
    sonhos, senão somente em se despertar sabendo que se dormiu sem sonhos.
    A felicidade está fora da felicidade. Não há felicidade senão com
    conhecimento. Mas o conhecimento da felicidade é infeliz; porque conhecerse feliz é conhecer-se passando pela felicidade, e tendo, logo já, que deixá-la
    atrás. Saber é matar, na felicidade como em tudo. Não saber, porém, é não
    existir.
    Só o absoluto de Hegel conseguiu, em páginas, ser duas coisas ao mesmo
    tempo. O não-ser e o ser não se fundem e confundem nas sensações e razões
    da vida: excluem-se, por uma síntese às avessas.
    Que fazer? Isolar o momento como uma coisa e ser feliz agora, no
    momento em que se sente a felicidade, sem pensar senão no que se sente,
    excluindo o mais, excluindo tudo. Enjaular o pensamento na sensação, é esta a
    minha crença, esta tarde. Amanhã de manhã não será esta, porque amanhã de
    manhã serei já outro. Que crente serei amanhã? Não sei, porque era preciso
    estar já lá para o saber. Nem o Deus eterno em que hoje creio o saberá
    amanhã nem hoje, porque hoje sou eu e amanhã ele talvez já não tenha nunca
    existido.
    4


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 09:46

    407.


    Deus criou-me para criança, e deixou-me sempre criança. Mas porque
    deixou que a Vida me batesse e me tirasse os brinquedos, e me deixasse só no
    recreio, amarrotando com mãos tão fracas o bibe azul sujo de lágrimas
    compridas? Se eu não poderia viver senão acarinhado, porque deitaram fora’ o
    meu carinho? Ah, cada vez que vejo nas ruas uma criança a chorar, uma
    criança exilada dos outros, dói-me mais que a tristeza da criança o horror
    desprevenido do meu coração exausto. Doo-me com toda a estatura da vida
    sentida, e são minhas as mãos que torcem o canto do bibe, são minhas as
    bocas tortas das lágrimas verdadeiras, é minha a fraqueza, é minha a solidão, e
    os risos da vida adulta que passa usam-me como luzes de fósforos riscados no
    estofo sensível do meu coração.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 09:46

    408.

    Cantava, num a voz muito suave, uma canção de país longínquo. A música
    tornava familiares as palavras incógnitas. Parecia o fado para a alma, mas não
    tinha com ele semelhança alguma.
    A canção dizia, pelas palavras veladas e a melodia humana, coisas que estão
    na alma de todos e que ninguém conhece. Ele cantava numa espécie de
    sonolência, ignorando com o olhar os ouvintes, num pequeno êxtase de rua.
    O povo reunido ouvia-o sem grande motejo visível. A canção era de toda a
    gente, e as palavras falavam às vezes connosco, segredo oriental de qualquer
    raça perdida. O ruído da cidade não se ouvia se o ouvíamos, e passavam as
    carroças tão perto que uma me roçou pelo solto do casaco. Mas senti-a e não
    a ouvi. Havia uma absorção no canto do desconhecido que fazia bem ao que
    em nós sonha ou não consegue. Era um caso de rua, e todos reparámos que o
    polícia virara a esquina lentamente. Aproximou-se com a mesma lentidão.
    Ficou parado um tempo por trás do rapaz dos guarda-chuvas, como quem vê
    qualquer coisa. Nesta altura o cantor parou.
    Ninguém disse nada. Então o polícia interveio


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 09:47

    409.


    Não sei porquê — noto-o subitamente — estou sozinho no escritório. Já,
    indefinidamente, o pressentira. Havia em qualquer aspeto da minha
    consciência de mim uma amplitude de alívio, um respirar mais fundo de
    pulmões diversos.
    É esta uma das mais curiosas sensações que nos pode ser dada pelo acaso
    dos encontros e das faltas: a de estarmos sós numa casa ordinariamente cheia,
    ruidosa ou alheia . Temos, de repente, uma sensação de posse absoluta, de
    domínio fácil e largo, de amplitude — como disse de alívio e sossego.
    Que bom estar só largamente! Poder falar alto connosco, passear sem
    estorvo de vistas, repousar para trás num devaneio sem chamamento! Toda
    casa se torna um campo, toda sala tem a extensão de uma quinta.
    Os ruídos são todos alheios, como se pertencessem a um universo próximo
    mas independente. Somos, finalmente, reis. A isso todos aspiramos, enfim, e
    os mais plebeus de nós — quem sabe — com maior vigor que os de mais
    ouro falso. Por um momento somos pensionistas do universo, e vivemos,
    regulares do soldo dado, sem necessidades nem preocupações.
    Ah, mas reconheço, naquele passo na escada, subindo até mim não sei
    quem, o alguém que vai interromper a minha solidão espairecida. Vai ser
    invadido pelos bárbaros o meu império implícito. Não é que o passo me diga
    quem é que vem, nem que me lembre o passo deste ou daquele que eu
    conheça. Há um mais surdo instinto na alma que me faz saber que é para aqui
    que vem o que sobe, por enquanto só passos, na escada que subitamente vejo,
    porque penso nele que a sobe. Sim, é um dos empregados. Pára, a porta ouvese, entra. Vejo-o todo. E diz-me, ao entrar: "Sozinho, Sr. Soares?" E eu
    respondo: "Sim, já há tempo... " E ele então diz, descascando-se do casaco
    com o olhar no outro, o velho, no cabide: "Grande maçada a gente estar aqui
    só, Sr. Soares, e para além do mais..." "Grande maçada, não há dúvida",
    respondo eu. "Até dá vontade de dormir", diz ele, já de casaco roto, e
    encaminhando-se para a secretária. "E dá", confirmo, sorridente. Depois,
    estendendo a mão para a caneta esquecida, reentro, gráfico na saúde anónima
    da vida normal.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 09:48

    410.



    Sempre que podem, sentam-se em frente do espelho. Falam connosco e
    namoram-se de olhos a si mesmos. Por vezes, como nos namoros distraem-se
    da conversa. Fui-lhes sempre simpático, porque a minha aversão adulta pelo
    meu aspeto me compeliu sempre a escolher o espelho como coisa para onde
    virasse as costas. Assim, e eles de instinto o reconheciam tratando-me sempre
    bem, eu era o rapaz escutador que lhes deixava sempre livres a vaidade e a
    tribuna.
    Em conjunto não eram maus rapazes; particularmente eram melhores e
    piores. Tinham generosidades e ternuras insuspeitáveis a um tirador de
    médias, baixezas e sordidezes difíceis de adivinhar por qualquer ente humano
    normal. Miséria, inveja e ilusão — assim os resumo, e nisso resumiria aquela
    parte desse ambiente que se infiltra na obra dos homens de valor que alguma
    vez fizeram dessa estância de ressaca um pousio de enganados. (É, na obra de
    Fialho, a inveja flagrante, a grosseria reles, a deselegância nauseante...)
    Uns têm graça, outros têm só graça, outros ainda não existem. A graça dos
    cafés divide-se em ditos de espírito sobre os ausentes e ditos de insolência aos
    presentes. A este género de espírito chama-se ordinariamente apenas
    grosseria. Nada há mais indicador da pobreza da mente do que não saber
    fazer espírito senão com pessoas.
    Passei, vi e, ao contrário deles, venci. Porque a minha vitória consistiu em
    ver. Reconheci a identidade de todos os aglomerados inferiores: vim encontrar
    aqui, na casa onde tenho um quarto, a mesma alma sórdida que os cafés me
    revelaram, salvo, graças aos deuses todos, a noção de vencer em Paris. A dona
    desta casa ousa Avenidas Novas em alguns dos seus momentos de ilusão, mas
    do estrangeiro está salva, e o meu coração enternece-se.
    Conservo dessa passagem pelo túmulo da vontade a memória de um tédio
    nauseado e de algumas anedotas com espírito.
    Vão a enterrar, e parece que já no caminho do cemitério se esqueceu no
    café o passado, pois vai calado agora e a posteridade nunca saberá deles,
    escondidos dela para sempre sob a mole negra dos pendões ganhados nas
    suas vitórias de dizer .




    [Tienes que estar registrado y conectado para ver este vínculo]


    490


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 10:49

    411.


    O orgulho é a certeza emotiva da grandeza própria. A vaidade é a certeza
    emotiva de que os outros veem em nós, ou nos atribuem, tal grandeza. Os
    dois sentimentos nem necessariamente se conjugam, nem por natureza se
    opõem. São diferentes porém conjugáveis.
    O orgulho, quando existe só, sem acrescentamento de vaidade, manifestase,
    no seu resultado, como timidez: quem se sente grande, porém não confia
    em que os outros o reconheçam por tal, receia confrontar a opinião que tem
    de si mesmo com a opinião que os outros possam ter dele.
    A vaidade, quando existe só, sem acrescentamento de orgulho, o que é
    possível porém raro, manifesta-se, no seu resultado, pela audácia. Quem tem a
    certeza de que os outros veem nele valor nada receia deles. Pode haver
    coragem física sem vaidade; pode haver coragem moral sem vaidade; não
    pode haver audácia sem vaidade. E por audácia se entende a confiança na
    iniciativa. A audácia pode ser desacompanhada de coragem, física ou moral,
    pois estas disposições da índole são de ordem diferente, e com ela
    incomensuráveis.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 10:50

    412.


    Intervalo doloroso


    Nem no orgulho tenho consolação. De quê orgulhar-me se não sou o
    criador de mim próprio. E mesmo que haja em mim de que envaidecer-me,
    quanto para me não envaidecer.
    Jazo a minha vida. E nem sei fazer com o sonho o gesto de me erguer, tão
    até à alma estou despido de saber ter um esforço.
    Os fazedores de sistemas metafísicos, os de explicações psicológicas são
    ainda piores no sofrimento. Sistematizar, explicar, o que é senão e construir?
    E tudo isso — arranjar, dispor, organizar — o que é senão esforço
    realizado — e quão desoladoramente isso é vida!
    Pessimista — eu não o sou. Ditosos os que conseguem traduzir para
    universal o seu sofrimento. Eu não sei se o mundo é triste ou mau nem isso
    me importa, porque o que os outros sofrem me é aborrecido e indiferente.
    Logo que não chorem ou gemam, o que me irrita e incomoda, nem um
    encolher de ombros tenho — tão fundo me pesa o meu desdém por eles —
    para o seu sofrimento.
    Mas nem quem crê que a vida seja meio luz meio sombras. Eu não sou
    pessimista. Não me queixo do horror da vida. Queixo-me do horror da
    minha. O único facto importante para mim é o facto de eu existir e de eu
    sofrer e de não poder sequer sonhar-me de todo para fora de me sentir
    sofrendo. Sonhadores felizes são os pessimistas. Formam o mundo à sua
    imagem e assim sempre conseguem estar em casa. A mim o que me dói mais é
    a diferença entre o ruído e a alegria do mundo e a minha tristeza e o meu
    silêncio aborrecido.
    A vida com todas as suas dores e receios e solavancos deve ser boa e alegre,
    como uma viagem em velha diligência para quem vai acompanhado (e a pode
    ver).
    Nem ao menos posso sentir o meu sofrimento como sinal de Grandeza.
    Não sei se o é. Mas eu sofro em coisas tão reles, ferem-me coisas tão banais
    que não ouso insultar com essa hipótese a hipótese de que eu possa ter génio.
    A glória de um poente belo, com a sua beleza entristece-me . Ante ele eu
    digo sempre: como quem é feliz se deve sentir contente ao ver isto!
    E este livro é um gemido. Escrito ele já o Só não é o livro mais triste que há
    em Portugal.
    Ao pé da minha dor todas as outras dores me parecem falsas ou ínimas. São
    dores de gente feliz ou dores de gente que vive e se queixa. As minhas são de
    quem se encontra encarcerado da vida, à parte...
    Entre mim e a vida...
    De modo que tudo o que angustia vejo. E tudo o que alegra não sinto. E
    reparei que o mal mais se vê que se sente, a alegria mais se sente do que se vê.
    Porque não pensando, não vendo, certo contentamento adquire-se, como o
    dos místicos e dos boémios e dos canalhas. Mas tudo afinal entra em casa pela
    janela da observação e pela porta do pensamento.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 10:51

    413.


    Viver do sonho e para o sonho, desmanchando o Universo e recompondoo, distraidamente confere mais apego ao nosso momento de sonhar. Fazer
    isto consciente, muito conscientemente, da inutilidade e de o fazer. Ignorar a
    vida com todo o corpo, perder-se da realidade com todos os sentidos, abdicar
    do amor com toda a alma. Encher de areia vã os cântaros da nossa ida à fonte
    e despejá-los para os tornar a encher e despejar, futilissimamente.
    Tecer grinaldas para, logo que acabadas, as desmanchar totalmente e
    minuciosamente.
    Pegar em tintas e misturá-las na paleta sem tela ante nós onde pintar.
    Mandar vir pedra para burilar sem ter buril nem ser escultor. Fazer de tudo
    um absurdo e requintar para fúteis todas as nossas estéreis horas . Jogar às
    escondidas com a nossa consciência de viver.
    Ouvir as horas dizer-nos que existimos com um sorriso deliciado e
    incrédulo. Ver o Tempo pintar o mundo e achar o quadro não só falso mas
    vão .
    Pensar em frases que se contradigam, falando alto em sons que não são
    sons e cores que não são cores. Dizer — e compreendê-lo, o que é aliás
    impossível — que temos consciência de não ter consciência, e que não somos
    o que somos. Explicar isto tudo por um sentido oculto e paradoxo que as
    coisas tenham no seu aspeto outro-lado e divino, e não acreditar demasiado na
    explicação para que não hajamos de a abandonar.
    Esculpir em silêncio nulo todos os nossos sonhos de falar. Estagnar em
    torpor todos os nossos pensamentos de ação.
    E sobre tudo isto, como um céu uno e azul, o horror de viver paira
    alheadamente.
    4


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 10:52

    414.


    Mas as paisagens sonhadas são apenas fumos de paisagens conhecidas e o
    tédio de as sonhar também é quase tão grande como o tédio de olharmos para
    o mundo.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 10:52

    415.


    As figuras imaginárias têm mais relevo e verdade que as reais.
    O meu mundo imaginário foi sempre o único mundo verdadeiro para mim.
    Nunca tive amores tão reais, tão cheios de verve, de sangue e de vida como os
    que tive com figuras que eu próprio criei. Que leais! Tenho saudades deles
    porque, como os outros, passam...


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 10:53

    416.

    Às vezes, nos meus diálogos comigo, nas tardes requintadas da Imaginação,
    em colóquios cansados em crepúsculos de salões supostos, pergunto-me,
    naqueles intervalos da conversa em que fico a sós com um interlocutor mais
    eu do que os outros, porque razão verdadeira não haverá a nossa época
    científica estendido a sua vontade de compreender até aos assuntos que são
    artificiais. E uma das perguntas em que com mais languidez me demoro é a
    porque se não faz, a par da psicologia usual das criaturas humanas e subhumanas,
    uma psicologia também – que a deve haver — das figuras artificiais
    e das criaturas cuja existência se passa apenas nos tapetes e nos quadros.
    Triste noção tem da realidade quem a limita ao orgânico, e não põe a ideia de
    uma alma dentro das estatuetas e dos lavores. Onde há forma há alma.
    Não são uma ociosidade estas minhas considerações comigo, mas uma
    elucubração científica como qualquer outra que o seja. Por isso, antes de e
    sem ter uma resposta, suponho o possível atual e entrego-me, em análises
    interiores, à visão imaginada de aspetos possíveis deste clesia’eratum realizado.
    Mal nisso penso, logo dentro da visão do meu espírito surgem cientistas
    curvados sobre estampas, sabendo bem que elas são vidas; microscopistas da
    tessitura surgem dos tapetes; fisicistas do seu desenho largo e bruxuleante nos
    contornos; químicos, sim, da ideia das formas e das cores nos quadros;
    geologistas das camadas estráticas dos camafeus; psicólogos, enfim — e isto
    mais importa — que uma a uma notam e congregam as sensações que deve
    sentir uma estatueta, as ideias que devem passar pelo psiquismo estreito de
    uma figura de quadro ou de vitral, os impulsos loucos, as paixões sem freio, as
    compaixões e ódios ocasionais e que têm nesses universos especiais de
    fixidezes e morte nos gestos eternos dos baixos-relevos, nos universos mortos
    dos figurantes das telas.
    Mais do que outras artes, são a literatura e a música propícias às subtilezas
    de um psicólogo. As figuras de romance são — como todos sabem — tão
    reais como qualquer de nós. Certos aspetos de sons têm uma alma alada e
    rápida, mas suscetíveis de psicologia e sociologia. Porque — bom é que os
    ignorantes o saibam — as sociedades existem dentro das cores, dos sons, das
    frases, e há regimes e revoluções, reinados, políticas e — há-os em absoluto e
    sem metafísica — no conjunto instrumental das sinfonias, no todo organizado
    das novelas, nos metros quadrados de um quadro complexo, onde gozam,
    sofrem, e misturam as atitudes coloridas de guerreiros, de amorosos ou de
    simbólicos.
    Quando se quebra uma chávena da minha coleção japonesa, eu sonho que
    mais do que um descuido das mãos de uma criada tenha sido a causa, ou
    tenham estado os anseios das figuras que habitam as curvas daquela de louça;
    a resolução tenebrosa de suicídio que as tomou não me causa espanto:
    serviram-se da criada, como um de nós de um revólver. Saber isto é estar além
    da ciência moderna, e com que precisão eu sei isto!


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 10:53

    417.


    Não conheço prazer como o dos livros, e pouco leio. Os livros são
    apresentações aos sonhos, e não precisa de apresentações quem, com a
    facilidade da vida, entre em conversa com eles. Nunca pude ler um livro com
    entrega a ele; sempre, a cada passo, o comentário da inteligência ou da
    imaginação me estorvou a sequência da própria narrativa. No fim de minutos,
    quem escrevia — era eu, e o que estava escrito não estava em parte alguma.
    As minhas leituras prediletas são a repetição de livros banais que dormem
    comigo à minha cabeceira. Há dois que me não deixam nunca – A Retórica do
    Padre Figueiredo’ e as Reflexões sobre a Língua Portuguesa, do Padre Freire .
    Estes livros, releio-os sempre a bem; e, se é certo que já os li todos muitas
    vezes, também é certo que a nenhum deles li em sequência. Devo a esses
    livros uma disciplina que quase creio impossível em mim — uma regra de
    escrever objetivado, uma lei da razão de as coisas estarem escritas.
    O estilo afetado, claustral, fruste, do Padre Figueiredo é uma disciplina que
    faz as delícias do meu entendimento. A difusão, quase sempre sem disciplina,
    do Padre Freire, entretém o meu espírito sem o cansar, e educa-me sem me
    dar preocupação. São espíritos de eruditos e de sossegados que fazem bem à
    minha nenhuma disposição para ser como eles, ou como qualquer outra
    pessoa.
    Leio e abandono-me, não à leitura, mas a mim. Leio e adormeço, e é como
    entre sonhos que sigo a descrição das figuras de retórica do Padre Figueiredo,
    e por bosques de maravilha que oiço o Padre Freire ensinar que se deve dizer
    Magdalena, pois Madalena só o diz o vulgo.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 10:54

    418.

    Detesto a leitura. Tenho um tédio antecipado das páginas desconhecidas.
    Sou capaz de ler só o que já conheço. O meu livro de cabeceira é A Retórica
    do Padre Figueiredo, onde leio todas as noites pela cada vez mais milésima
    vez a descrição, em estilo de um português conventual e certo, as figuras de
    retórica, cujos nomes, mil vezes udos, não fixei ainda. Mas embala-me a
    linguagem e se me faltassem as palavras jesuítas escritas com C dormiria
    irrequieto.
    Devo contudo ao livro do Padre Figueiredo, com o seu exagero de
    purismo, o relativo escrúpulo que tenho — todo o que posso ter – de escrever
    a língua em que me registo com a propriedade que…
    E leio:
    (um trecho do P. Figueiredo)
    — pomposo, vazio?, e frio, e isto consola-me de viver.
    Ou então (um trecho sobre figuras) que volta no prefácio.
    Não exagero uma polegada verbal: sinto tudo isto.
    Como outros podem ler trechos da Bíblia, leio-os desta Retórica. Tenho a
    vantagem do repouso e da falta de devoção.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 10:54

    419.


    Coisas de nada, naturais da vida, insignificâncias do usual e do reles, poeira
    que sublinha com um traço apagado e grotesco a sordidez e a vileza da minha
    vida humana — o Caixa aberto diante dos olhos cuja vida sonha com todos os
    orientes; a piada inofensiva do chefe do escritório que ofende todo o
    universo; o avisar o patrão que telefone, que é a amiga, por nome e dona, no
    meio da meditação do período mais insexual de uma tese estética e mental.
    Depois os amigos, bons rapazes, bons rapazes, tão agradável estar falando
    com eles, almoçar com eles, jantar com eles, e tudo, não sei como, tão
    sórdido, tão reles, tão pequeno, sempre no armazém de fazendas ainda que na
    rua, sempre diante do livro caixa ainda que no estrangeiro, sempre com o
    patrão ainda que no infinito.
    Todos têm um chefe de escritório com a piada sempre inoportuna e a alma
    fora do universo no seu conjunto. Todos têm o patrão e a amiga do patrão, e
    a chamada ao telefone no momento sempre impróprio em que a tarde
    admirável desce e as amantes inventam desculpas? Ou antes arriscam falar
    contra o amigo que está tomando chá chic, como os outros sabemos.
    Mas todos os que sonham, ainda que não sonhem em escritórios da Baixa,
    nem diante de uma escrita do armazém de fazendas — todos têm um Caixa
    diante de si — seja a mulher com quem casaram, seja a administração de um
    futuro que lhes vem por herança, seja o que for, logo que positivamente seja.
    Todos nós, que sonhamos e pensamos, somos ajudantes de guarda-livros
    num Armazém de fazendas, ou de outra qualquer fazenda, num a Baixa
    qualquer. Escrituramos e perdemos; somamos e passamos; fechamos o
    balanço e o saldo invisível é sempre contra nós.
    Escrevo sorrindo com as palavras, mas o meu coração está como se se
    pudesse partir, partir como as coisas que se quebram, em fragmentos, em
    cacos, em lixo, que o caixote leva num gesto de por cima dos ombros para o
    carro eterno de todas as Câmaras Municipais.
    E tudo espera, aberto e decorado, o Rei que virá, e já chega, que a poeira do
    cortejo é uma nova névoa no oriente lento, e as lanças luzem já na distância
    com uma madrugada sua


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 10:55

    420.

    Marcha fúnebre

    Figuras hieráticas, de hierarquias ignoras, se alinham nos corredores a
    esperar-te — pajens de doçura loura, jovens de em cintilares dispersos de
    lâminas nuas, em reflexos irregulares de capacetes e adornos altos, em
    vislumbres sombrios de ouro fosco e sedas.
    Tudo quanto a imaginação adoece, o que de fúnebre dói nas pompas e
    cansa nas vitórias, o misticismo do nada, a ascese da absoluta negação.
    Não os sete palmos de terra fria que se fecham sobre os olhos fechados sob
    o sol quente e ao lado da erva verde, mas a morte que excede a nossa vida e é
    uma vida ela mesma — uma morta presença em algum deus, o ignoto deus da
    religião dos meus Deuses .
    O Ganges passa também pela Rua dos Douradores. Todas as épocas estão
    neste quarto estreito — a mistura a sucessão multicolor das maneiras, as
    distâncias dos povos, e a vasta variedade das nações.
    E ali, em êxtase, numa só rua, sei esperar a Morte entre gládios e ameias.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 10:55

    421.


    A viagem na cabeça


    Do meu quarto andar sobre o infinito, no plausível íntimo da tarde que
    acontece, à janela para o começo das estrelas, meus sonhos vão por acordo de
    ritmo com a distância exposta para as viagens aos países incógnitos, ou
    supostos, ou somente impossíveis.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 10:56

    422.


    Surge dos lados do oriente a luz loura do luar de ouro. O rastro que faz no
    rio largo abre serpentes no mar.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 10:56

    423.


    São cetins prolixos, púrpuras perplexas e os impérios seguiram o seu rumo
    de morte entre embandeiramentos exóticos de ruas largas e luxúrias de dosséis
    sobre paragens. Pálios passaram. Havia ruas foscas ou limpas nos decursos
    das procissões’. Faiscavam frio as armas levadas nas dolorosas lentidões das
    inúteis marchas. Esquecidos os jardins nos subúrbios e as águas nos repuxos
    mera continuação do deixado, caindo risos longínquos entre lembranças de
    luzes, não que as estátuas nas áleas falassem, nem que se perdessem, entre
    amarelos em sequência, os tons do outono orlando túmulos. As alabardas
    esquinas para épocas pomposas, verde-negro, roxo-velho e granada o tom das
    roupagens; praças desertas no meio das esquivanças; e nunca mais por entre
    canteiros onde se passa passearão as sombras que deixaram os contornos dos
    aquedutos.
    Tanto os tambores, os tambores atroaram a trémula hora


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 10:57

    424.



    Todos os dias acontecem no mundo coisas que não são explicáveis pelas
    leis que conhecemos das coisas’. Todos os dias, faladas nos momentos,
    esquecem, e o mesmo mistério que as trouxe as leva, convertendo-se o
    segredo em esquecimento. Tal é a lei do que tem que ser esquecido porque
    não pode ser explicado. À luz do sol continua regular o mundo visível. O
    alheio espreita-nos da sombra.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 10:57

    425.


    O próprio sonho me castiga. Adquiri nele tal lucidez que vejo como real
    cada coisa que sonho. Era perda, portanto, tudo quanto a valorizava como
    sonhada.
    Sonho-me famoso? Sinto todo o despimento que há na glória, toda a perda
    da intimidade e do anonimato com que ela é dolorosa para connosco.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Nov 2023, 10:58

    426.


    Considerar a nossa maior angústia como um incidente sem importância,
    não só na vida do universo, mas na da nossa mesma alma, é o princípio da
    sabedoria. Considerar isto em pleno meio dessa angústia é a sabedoria inteira.
    No momento em que sofremos, parece que a dor humana é infinita. Mas nem
    a dor humana é infinita, pois nada há humano de infinito, nem a nossa dor
    vale mais que ser uma dor que nós temos.
    Quantas vezes, sob o peso de um tédio que parece ser loucura, ou de uma
    angústia que parece passar além dela, paro, hesitante, antes que me revolte,
    hesito, parando, antes que me divinize. Dor de não saber o que é o mistério
    do mundo, dor de nos não amarem, dor de serem injustos connosco, dor de
    pesar a vida sobre nós, sufocando e prendendo, dor de dentes, dor de sapatos
    apertados — quem pode dizer qual é maior em si mesmo, quanto mais nos
    outros, ou na generalidade dos que existem?
    Para alguns que me falam e me ouvem, sou um insensível. Sou, porém,
    mais sensível — creio — que a vasta maioria dos homens. O que sou,
    contudo, é um sensível que se conhece, e que, portanto, conhece a
    sensibilidade.
    Ah, não é verdade que a vida seja dolorosa, ou que seja doloroso pensar na
    vida. O que é verdade é que a nossa dor só é séria e grave quando a fingimos
    tal. Se formos naturais, ela passará assim como veio, esbater-se-á assim como
    cresceu. Tudo é nada, e a nossa dor nele.
    Escrevo isto sob a opressão de um tédio que parece não caber em mim, ou
    precisar de mais que da minha alma para ter onde estar; de uma opressão de
    todos e de tudo que me estrangula e desvaira; de um sentimento físico da
    incompreensão alheia que me perturba e esmaga. Mas ergo a cabeça para o
    céu azul alheio, exponho a face ao vento inconscientemente fresco, baixo as
    pálpebras depois de ter visto, esqueço a face depois de ter sentido. Não fico
    melhor, mas fico diferente. Ver-me liberta-me de mim. Quase sorrio, não
    porque me compreenda, mas porque, tendo-me tornado outro, me deixei de
    poder compreender. No alto do céu, como um nada visível, uma nuvem
    pequeníssima é um esquecimento branco do universo inteiro.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]

    A Amalia Lateano le gusta esta publicaciòn

    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Jue 16 Nov 2023, 09:45

    427.


    O meus sonhos: como me crio amigos ao sonhar ando com eles. A sua
    imperfeição outra.
    Ser puro, não para ser nobre, ou para ser forte, mas para ser si próprio.
    Quem dá amor, perde amor.
    Abdicar da vida para não abdicar de si próprio.
    A mulher — uma boa fonte de sonhos. Nunca lhe toques.
    Aprende a desligar as ideias de voluptuosidade e de prazer. Aprende a gozar
    em tudo, não o que ele é, mas as ideias e os sonhos que provoca. (Porque
    nada é o que é, e os sonhos sempre são os sonhos.) Para isso precisas não
    tocar em nada. Se tocares, o teu sonho morrerá, o objeto tocado ocupará a tua
    sensação.
    Ver e ouvir são as únicas coisas nobres que a vida contém. Os outros
    sentidos são plebeus e carnais. A única aristocracia é nunca tocar. Não se
    aproximar — eis o que é fidalgo.
    Deus é bom mas o diabo também não é mau.
    Apesar de tudo, o equilíbrio romântico é mais perfeito que o do século
    XVII em França.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Jue 16 Nov 2023, 09:46

    428.


    Estética da indiferença



    Perante cada coisa o que o sonhador deve procurar sentir é a nítida
    indiferença que ela, no que coisa, lhe causa.
    Saber, com um imediato instinto, abstrair de cada objeto ou acontecimento
    o que ele pode ter de sonhável, deixando morto no Mundo Exterior tudo
    quanto ele tem de real — eis o que o sábio deve procurar realizar em si
    próprio.
    Nunca sentir sinceramente os seus próprios sentimentos, e elevar o seu
    pálido triunfo ao ponto de olhar indiferentemente para as suas próprias
    ambições, ânsias e desejos; passar pelas suas alegrias e angústias como quem
    passa por quem não lhe interessa.
    O maior domínio de si próprio é a indiferença por si próprio, tendo-se,
    alma e corpo, por a casa e a quinta onde o Destino quis que passássemos a
    nossa vida.
    Tratar os seus próprios sonhos e íntimos desejos altivamente, en grand
    seigneue, pondo uma íntima delicadeza em não reparar neles. Ter o pudor de
    si próprio; perceber que na nossa presença não estamos sós, que somos
    testemunhas de nós mesmos, e que por isso importa agir perante nós mesmos
    como perante um estranho, com uma estudada e serena linha exterior,
    indiferente porque fidalga, e fria porque indiferente.
    Para não descermos aos nossos próprios olhos, basta que nos habituemos a
    não ter nem ambições nem paixões, nem desejos nem esperanças, nem
    impulsos nem desassossegos. Para conseguir isto lembremo-nos sempre que
    estamos sempre em presença nossa, que nunca estamos sós, para que
    possamos estar à vontade. E assim dominaremos o ter paixões e ambições,
    porque paixões e ambições são desescudarmo-nos; não teremos desejos nem
    esperanças, porque desejos e esperanças são gestos baixos e deselegantes; nem
    teremos impulsos e desassossegos porque a precipitação é uma indelicadeza
    para com os olhos dos outros, e a impaciência é sempre uma grosseria.
    O aristocrata é aquele que nunca esquece que nunca está só; por isso as
    praxes e os protocolos são apanágio das aristocracias. Interiorizemos o
    aristocrata. Arranquemo-lo aos salões e aos jardins passando-o para a nossa
    alma e para a nossa consciência de existirmos. Estejamos sempre diante de
    nós em protocolos e praxes, em gestos estudados e para-os-outros.
    Cada um de nós é uma sociedade inteira, um bairro todos do Mistério
    convém que ao menos tornemos elegante e distinta a vida desse bairro, que
    nas festas das nossas sensações haja requinte e recato, e porque sóbria a
    cortesia nos banquetes dos nossos pensamentos. Em torno a nós poderão as
    outras almas erguerem-se os seus bairros sujos e pobres; marquemos
    nitidamente onde o nosso acaba e começa, e que desde a frontaria dos nossos
    prédios até às alcovas das nossas timidezes, tudo seja fidalgo e sereno,
    esculpido numa sobriedade ou surdina de exibição.
    Saber encontrar a cada sensação o modo sereno de ela se realizar. Fazer o
    amor resumir-se apenas a uma sombra de ser sonho de amor, pálido e trémulo
    intervalo entre os cimos de duas pequenas ondas onde o luar bate. Tornar o
    desejo uma coisa inútil e inofensiva, no como que sorriso delicado da alma a
    sós consigo própria; fazer dela uma coisa que nunca pense em realizar-se nem
    em dizer-se. Ao ódio adormecê-lo como a uma serpente prisioneira, e dizer ao
    medo que dos seus gestos guarde apenas a agonia no olhar, e no olhar da
    nossa alma, única atitude compatível com ser estética


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 71630
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Maria Lua Jue 16 Nov 2023, 09:46

    429.



    Em todos os lugares da vida, em todas as situações e convivências, eu fui
    sempre, para todos, um intruso. Pelo menos, fui sempre um estranho. No
    meio de parentes, como no de conhecidos, fui sempre sentido como alguém
    de fora. Não digo que o fui, uma só vez sequer, de caso pensado. Mas fui-o
    sempre por uma atitude espontânea da média dos temperamentos alheios.
    Fui sempre, em toda a parte e por todos, tratado com simpatia. A
    pouquíssimos, creio, terá tão pouca gente erguido a voz, ou franzido a testa,
    ou falado alto ou de terça. Mas a simpatia, com que sempre me trataram, foi
    sempre isenta de afeição. Para os mais naturalmente íntimos fui sempre um
    hóspede, que, por hóspede, é bem tratado, mas sempre com a atenção devida
    ao estranho, e a falta de afeição merecida pelo intruso.
    Não duvido que tudo isto, da atitude dos outros, derive principalmente de
    qualquer obscura causa intrínseca ao meu próprio temperamento. Sou
    porventura de uma frieza comunicativa, que involuntariamente obriga os
    outros a refletirem o meu modo de pouco sentir.
    Travo, por índole, rapidamente conhecimentos. Tardam-me pouco as
    simpatias dos outros. Mas as afeições nunca chegam. Dedicações nunca as
    conheci. Amarem, foi coisa que sempre me pareceu impossível, como um
    estranho tratar-me por tu.
    Não sei se sofra com isto, se o aceite como um destino indiferente, em que
    não há nem que sofrer nem que aceitar.
    Desejei sempre agradar. Doeu-me sempre que me fossem indiferentes.
    Órfão da Fortuna, tenho, como todos os órfãos, a necessidade de ser o objeto
    da afeição de alguém. Passei sempre fome da realização dessa necessidade.
    Tanto me adaptei a essa fome inevitável que, por vezes, nem sei se sinto a
    necessidade de comer.
    Com isto ou sem isto a vida dói-me.
    Os outros têm quem se lhes dedique. Eu nunca tive quem sequer pensasse
    em se me dedicar. Servem os outros: a mim tratam-me bem.
    Reconheço em mim a capacidade de provocar respeito, mas não afeição.
    Infelizmente não tenho feito nada com que justifique a si próprio esse respeito
    começado quem o sinta; de modo que nunca chegam a respeitar-me deveras.
    Julgo às vezes que gozo sofrer. Mas na verdade eu preferiria outra coisa.
    Não tenho qualidades de Chefe, nem de sequaz. Nem sequer as tenho de
    satisfeito, que são as que valem quando essas outras faltem.
    Outros, menos inteligentes que eu, são mais fortes.
    Talham melhor a sua vida entre gente; administram mais habilmente a sua
    inteligência. Tenho todas as qualidades para influir, menos a arte de o fazer,
    ou a vontade, mesmo, de o desejar.
    Se um dia amasse, não seria amado.
    Basta eu querer uma coisa para ela morrer. O meu destino, porém, não tem
    a força de ser mortal para qualquer coisa. Tem a fraqueza de ser mortal nas
    coisas para mim.
    4


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]

    Contenido patrocinado


     FERNANDO PESSOA II   (13/ 06/1888- 30/11/1935) ) Empty Re: FERNANDO PESSOA II (13/ 06/1888- 30/11/1935) )

    Mensaje por Contenido patrocinado


      Fecha y hora actual: Vie 19 Jul 2024, 18:49