Aires de Libertad

¿Quieres reaccionar a este mensaje? Regístrate en el foro con unos pocos clics o inicia sesión para continuar.

https://www.airesdelibertad.com

Leer, responder, comentar, asegura la integridad del espacio que compartes, gracias por elegirnos y participar

Estadísticas

Nuestros miembros han publicado un total de 978162 mensajes en 45266 argumentos.

Tenemos 1524 miembros registrados

El último usuario registrado es Gustavo Trejo

Temas similares

    Clik Boton derecho y elige abrir en pestaña nueva- DICC. R.A.E

    ¿Quién está en línea?

    En total hay 49 usuarios en línea: 10 Registrados, 0 Ocultos y 39 Invitados :: 2 Motores de búsqueda

    Chambonnet Gallardo, clara_fuente, Jessel, Josefina Simón, José Antonio Carmona, Maria Lua, Pascual Lopez Sanchez, Pedro Casas Serra, Ramón Carballal, Simon Abadia


    El record de usuarios en línea fue de 360 durante el Sáb 02 Nov 2019, 06:25

    Clik Boton derecho y elige abrir en pestaña nueva- DICC. R.A.E

    Diciembre 2022

    LunMarMiérJueVieSábDom
       1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031 

    Calendario Calendario

    Conectarse

    Recuperar mi contraseña

    Galería


    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty

    +13
    Beatrice
    Lluvia Abril
    isabel nuñez jimenez
    Walter Faila
    Pascual Lopez Sanchez
    cecilia gargantini
    Pedro Casas Serra
    Adriana Pardo (Luia)
    Miguel Garza
    Horacio Oliveira
    Antonietta Valentina
    Juan Martín
    Maria Lua
    17 participantes

    VINICIUS DE MORAES

    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Lun 10 Mayo 2021, 09:14

    SONETO DA ROSA

    Mais um ano na estrada percorrida
    Vem, como o astro matinal, que a adora
    Molhar de puras lágrimas de aurora
    A morna rosa escura e apetecida.

    E da fragrante tepidez sonora
    No recesso, como ávida ferida
    Guardar o plasma múltiplo da vida
    Que a faz materna e plácida, e agora

    Rosa geral de sonho e plenitude
    Transforma em novas rosas de beleza
    Em novas rosas de carnal virtude

    Para que o sonho viva da certeza
    Para que o tempo da paixão não mude
    Para que se una o verbo à natureza.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Miér 19 Mayo 2021, 06:53


    Música de Antônio Carlos Jobin
    Letra de Vinícius de Moraes


    Eu sei que vou te amar
    Por toda minha vida, eu vou te amar
    Em cada despedida, eu vou te amar
    Desesperadamente, eu sei que vou te amar

    E cada verso meu será pra te dizer
    Que eu sei que vou te amar
    Por toda minha vida
    Eu sei que vou chorar

    Em cada ausência tua, eu vou chorar
    Mas cada volta tua há de apagar
    O que essa ausência tua me causou

    Eu sei que vou sofrer
    A eterna desventura de viver
    A espera de viver ao lado teu
    Por toda minha vida


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Sáb 19 Jun 2021, 11:13



    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    avatar
    Angel Salas
    Baneado
    Baneado


    Cantidad de envíos : 20434
    Fecha de inscripción : 29/09/2009
    Edad : 68
    Localización : Santiago - Chile

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Angel Salas Dom 08 Ago 2021, 01:13

    Maria Lua: Que bonito volver a disfrutar de la música y la poesia de Vinicius


    Gracias amiga...
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Lun 04 Oct 2021, 07:53

    Gracias, amigo Angel, por tu presencia!




    SACRIFÍCIO DA AURORA


    Um dia a aurora chegou-se
    Ao meu quarto de marfim
    E com seu riso mais doce
    Deitou-se junto de mim
    Beijei-lhe a boca orvalhada
    E a carne tímida e exangue
    A carne não tinha sangue
    A boca sabia a nada.

    Apaixonei-me da Aurora
    No meu quarto de marfim
    Todo o dia à mesma hora
    Amava-a só para mim
    Palavras que me dizia
    Transfiguravam-se em neve
    Era-lhe o peso tão leve
    Era-lhe a mão tão macia.

    Às vezes me adormecia
    No meu quarto de marfim
    Para acordar, outro dia
    Com a Aurora longe de mim
    Meu desespero covarde
    Levava-me dia afora
    Andando em busca da Aurora
    Sem ver Manhã, sem ver Tarde.

    Hoje, ai de mim, de cansado
    Há dias que até da vida
    Durmo com a Noite, ausentado
    Da minha Aurora esquecida...
    É que apesar de sombria
    Prefiro essa grande louca
    À Aurora, que além de pouca
    É fria, meu Deus, é fria!


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Jue 07 Oct 2021, 23:09

    Nuvens lentas passavam
    Quando eu olhei o céu.
    Eu senti na minha alma a dor do céu
    Que nunca poderá ser sempre calmo.

    Quando eu olhei a árvore perdida
    Não vi ninhos nem pássaros.
    Eu senti na minha alma a dor da árvore
    Esgalhada e sozinha
    Sem pássaros cantando nos seus ninhos.

    Quando eu olhei minha alma
    Vi a treva.
    Eu senti no céu e na árvore perdida
    A dor da treva que vive na minha alma.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Sáb 09 Oct 2021, 10:37

    O que sou eu, gritei um dia para o infinito
    E o meu grito subiu, subiu sempre
    Até se diluir na distância.
    Um pássaro no alto planou voo
    E mergulhou no espaço.
    Eu segui porque tinha que seguir
    Com as mãos na boca, em concha
    Gritando para o infinito a minha dúvida.

    Mas a noite espiava a minha dúvida
    E eu me deitei à beira do caminho
    Vendo o vulto dos outros que passavam
    Na esperança da aurora.
    Eu continuo à beira do caminho
    Vendo a luz do infinito
    Que responde ao peregrino a imensa dúvida.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Lun 25 Oct 2021, 18:05

    Vive tu vida
    Tu camino es de paz y amor
    Vive tu vida, una linda canción de amor
    Abre tus brazos
    Y canta la última esperanza
    La esperanza divina de amar en paz
    Si todos fuesen iguales a ti
    Qué maravilla vivir
    Una canción al llegar
    Una mujer al cantar
    Una ciudad al cantar
    Al reír, al cantar, al pedir
    La belleza de amar
    Como el sol
    O la flor
    O la luz
    Amar sin mentir
    Ni sufrir
    Existiría la verdad
    Verdad que no hay por ahí
    Si todos fuesen un día iguales a ti.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Vie 05 Nov 2021, 18:15

    MENSAJE A LA POESÍA




    No puedo.
    No es posible.
    Díganle que es totalmente imposible.
    Ahora no puede ser.
    Es imposible.
    No puedo.
    Díganle que estoy tristísimo, pero no puedo ir esta noche
    a su encuentro.
    Cuéntenle que hay millones de cuerpos que enterrar,
    muchas ciudades que construir, mucha pobreza en el mundo.
    Cuéntenle que hay un niño llorando en alguna parte
    del mundo
    y que las mujeres se están volviendo locas, y hay legiones de ellas
    sollozando de saudade por sus hombres.
    Cuéntenle que hay un vacío en los ojos de los parias
    y que su magrura es extrema;
    cuéntenle que la vergüenza, la deshonra y el suicidio rondan los lares
    y es preciso reconquistar la vida.
    Háganle ver que necesito estar alerta,
    vuelto hacia todos los caminos,
    listo a socorrer, a amar, a mentir, a morir si fuese preciso.
    Explíquenle con cuidado – no la aflijan… – que si no voy
    no es porque no quiera: ella lo sabe; es porque hay un héroe
    en la cárcel,
    hay un campesino que fue agredido, hay un charco de sangre
    en una plaza.
    Cuéntenle, bien en secreto, que debo estar preparado, que mis hombros
    no deben doblarse,
    que mis ojos no deben dejarse intimidar,
    que llevo a cuestas la desgracia de los hombres
    y ahora no es el momento de detenerse;
    díganle, sin embargo, que sufro mucho,
    pero no puedo mostrar mi sufrimiento a los hombres perplejos;
    díganle que me fue dada la terrible participación, y que posiblemente
    deberé engañar, fingir, hablar con palabras ajenas
    porque sé que hay, lejana, la claridad de una aurora.
    Si ella no comprende, oh, procuren convencerla
    de ese ineludible deber mío; pero díganle que, en el fondo,
    todo lo que estoy dando es de ella, y que me duele
    tener que despojarla así, en este poema;
    que por otro lado no debo usarla en su misterio;
    la hora es de esclarecimiento;
    no de volcarme sobre mí cuando a mi lado hay hambre y mentira;
    y un niño abandonado en un camino
    junto a un cadáver de madre; díganle que hay un gran
    aumento de abismos en la tierra, hay súplicas, hay vociferaciones,
    hay fantasmas que me visitan de noche
    y que tengo que recibir; cuéntenle a ella de mi certeza en el mañana,
    que siento una sonrisa en el rostro invisible de la noche
    y vivo en tensión ante la expectativa del milagro;
    por eso pídanle que tenga paciencia, que no me llame ahora
    con su voz de sombra; que no me haga sentir cobarde
    de tener que abandonarla en este instante, en su inmensurable soledad;
    pídanle, oh, pídanle que se calle
    por un momento, que no me llame
    porque no puedo ir,
    no puedo ir,
    no puedo.

    Pero no la traicioné. En mi corazón
    vive su imagen, que me pertenece, y nada diré que pueda
    avergonzarla. Mi ausencia
    es también un sortilegio
    de su amor por mí. Vivo del deseo de volver a verla
    en un mundo en paz. Mi pasión de hombre
    aún me acompaña; mi soledad aún me acompaña;
    mi locura aún me acompaña. Tal vez deba morir sin verla más,
    sin sentir más
    el sabor de sus lágrimas, o verla correr libre y desnuda
    en las playas y los cielos y las calles de mi insomnio.
    Díganle que ese es mi martirio;
    que a veces me pesa sobre la cabeza la losa de la eternidad
    y las poderosas fuerzas de la tragedia
    se abaten sobre mí y me empujan hacia las tinieblas,
    pero que debo resistir, que es necesario…
    Que no obstante la amo con toda la fuerza de mi pasada
    adolescencia,
    con toda la violencia de las antiguas horas de contemplación
    extática,
    en un amor lleno de renuncia. Oh, pídanle
    que perdone a su triste e inconstante amigo,
    a quien le fue dado perderse de amor por su semejante,
    a quien le fue dado perderse de amor por una casita,
    por un antejardín, por una niñita de rojo;
    a quien le fue dado perderse de amor por el derecho de todos
    a tener una casita, un antejardín
    y una niñita de rojo, y perdiéndose
    le es dulce el perderse…
    Por eso convénzanla, explíquenle que es terrible,
    pídanle de rodillas que no me olvide, que me ame,
    que me espere, porque soy suyo, apenas suyo; pero que ahora
    es más fuerte que yo, no puedo ir,
    no es posible,
    me es totalmente imposible.
    No puede ser, no.
    Es imposible.
    No puedo.



    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Dom 07 Nov 2021, 16:45

    El tiempo en los parques genera el silencio del piar
    de los pájaros.
    Del pasar de los pasos, del color que se mueve a
    lo lejos.
    Es alto, antiguo, presiente el tiempo en los parques.
    Es incorruptible. El prenuncio de un aura.
    La agonia de una hoje, el abrirse de una flor.
    Deja un estremecimento en el espacio del tiempo
    en los parques.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Lun 08 Nov 2021, 09:34

    E escuto... Poeta! triste Poeta!
    Não, foi certamente o vento da manhã nas araucárias
    Foi o vento... sossega, meu coração; às vezes o vento parece falar...
    E escuto... Poeta! pobre Poeta!
    Acalma-te, tranqüilidade minha... é um passarinho, só pode ser um passarinho
    Eu nem me importo... e se não for um passarinho, há tantos lamentos nesta terra...
    E escuto... Poeta! sórdido Poeta!
    Oh angústia! desta vez... não foi a voz da montanha? Não foi o eco distante
    Da minha própria voz inocente?


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Mar 09 Nov 2021, 20:05

    SONETO DO SÓ

    (Parábola de Malte Laurids Brigge)

    Depois foi só. O amor era mais nada
    Sentiu-se pobre e triste como Jó
    Um cão veio lamber-lhe a mão na estrada
    Espantado, parou. Depois foi só.

    Depois veio a poesia ensimesmada
    Em espelhos. Sofreu de fazer dó
    Viu a face do Cristo ensanguentada
    Da sua, imagem — e orou. Depois foi só.

    Depois veio o verão e veio o medo
    Desceu de seu castelo até o rochedo
    Sobre a noite e do mar lhe veio a voz

    A anunciar os anjos sanguinários...
    Depois cerrou os olhos solitários
    E só então foi totalmente a sós.

    Rio, 1946


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Miér 10 Nov 2021, 22:41

    Nuvens lentas passavam
    Quando eu olhei o céu.
    Eu senti na minha alma a dor do céu
    Que nunca poderá ser sempre calmo.

    Quando eu olhei a árvore perdida
    Não vi ninhos nem pássaros.
    Eu senti na minha alma a dor da árvore
    Esgalhada e sozinha
    Sem pássaros cantando nos seus ninhos.

    Quando eu olhei minha alma
    Vi a treva.
    Eu senti no céu e na árvore perdida
    A dor da treva que vive na minha alma.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Jue 18 Nov 2021, 08:39

    SONETO À LUA

    Rio de Janeiro , 1938

    Por que tens, por que tens olhos escuros
    E mãos lânguidas, loucas e sem fim
    Quem és, quem és tu, não eu, e estás em mim
    Impuro, como o bem que está nos puros?

    Que paixão fez-te os lábios tão maduros
    Num rosto como o teu criança assim
    Quem te criou tão boa para o ruim
    E tão fatal para os meus versos duros?

    Fugaz, com que direito tens-me presa
    A alma que por ti soluça nua
    E não és Tatiana e nem Teresa:

    E és tampouco a mulher que anda na rua
    Vagabunda, patética, indefesa
    Ó minha branca e pequenina Lua!


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Sáb 27 Nov 2021, 09:08

    Para viver um grande amor, vos digo,
    é preciso atenção como o “velho amigo”,
    que porque é só vos quer sempre consigo
    para iludir o grande amor.


    É preciso muitíssimo cuidado
    com quem quer que não esteja apaixonado,
    pois quem não está,
    está sempre preparado pra chatear o grande amor.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Miér 08 Dic 2021, 09:00

    AUSENCIA


    Dejaré que muera en mí el deseo

    de amar tus ojos dulces,

    porque nada te podré dar sino la pena

    de verme eternamente exhausto.

    No obstante, tu presencia es algo

    como la luz y la vida.

    Siento que en mi gesto está tu gesto

    y en mi voz tu voz.

    No quiero tenerte porque en mi ser

    todo estará terminado.

    Sólo quiero que surjas en mí

    como la fe en los desesperados,

    para que yo pueda llevar una gota de rocío

    en esta tierra maldita

    que se quedó en mi carne

    como un estigma del pasado.

    Me quedaré… tu te irás,

    apoyarás tu rostro en otro rostro,

    tus dedos enlazarán otros dedos

    y te desplegarás en la madrugada,

    pero no sabrás que fui yo quien te logró,

    porque yo fui el amigo más íntimo de la noche,

    porque apoyé mi rostro en el rostro de la noche

    y escuché tus palabras amorosas,

    porque mis dedos enlazaron los dedos

    en la niebla suspendidos en el espacio

    y acerqué a mí la misteriosa esencia

    de tu abandono desordenado.

    Me quedaré solo como los veleros

    en los puertos silenciosos.

    Pero te poseeré más que nadie

    porque podré irme

    y todos los lamentos del mar,

    del viento, del cielo, de las aves,

    de las estrellas, serán tu voz presente,

    tu voz ausente, tu voz sosegada.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Miér 15 Dic 2021, 08:34

    E no entanto é preciso cantar

    Mais que nunca é preciso cantar

    É preciso cantar e alegrar a cidade...







    A tristeza que a gente tem

    Qualquer dia vai se acabar

    Todos vão sorrir, voltou a esperança

    É o povo que dança

    Contente da vida, feliz a cantar.







    Porque são tantas coisas azuis

    Há tão grandes promessas de luz

    Tanto amor para amar de que a gente nem sabe...







    Quem me dera viver pra ver

    E brincar outros carnavais

    Com a beleza dos velhos carnavais

    Que marchas tão lindas

    E o povo cantando seu canto de paz.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Vie 24 Dic 2021, 09:06

    POEMA DE NATAL

    Para isso fomos feitos:

    Para lembrar e ser lembrados

    Para chorar e fazer chorar

    Para enterrar os nossos mortos —

    Por isso temos braços longos para os adeuses

    Mãos para colher o que foi dado

    Dedos para cavar a terra.

    Assim será nossa vida:

    Uma tarde sempre a esquecer

    Uma estrela a se apagar na treva

    Um caminho entre dois túmulos —

    Por isso precisamos velar

    Falar baixo, pisar leve, ver

    A noite dormir em silêncio.

    Não há muito o que dizer:

    Uma canção sobre um berço

    Um verso, talvez de amor

    Uma prece por quem se vai —

    Mas que essa hora não esqueça

    E por ela os nossos corações

    Se deixem, graves e simples.

    Pois para isso fomos feitos:

    Para a esperança no milagre

    Para a participação da poesia

    Para ver a face da morte —

    De repente nunca mais esperaremos...

    Hoje a noite é jovem; da morte, apenas

    Nascemos, imensamente.





    ------------------------------------------------------------------





    POEMA DE NAVIDAD



    Para eso fuimos hechos:

    Para recordar y ser recordados

    Para llorar y hacer llorar

    Para enterrar a nuestros muertos;

    Por eso tenemos brazos largos para los adioses

    Manos para coger lo que fue dado

    Dedos para cavar la tierra.

    Así será nuestra vida:

    Una tarde siempre olvidando

    Una estrella apagándose en tinieblas

    Un camino entre dos túmulos;

    Por eso tenemos que velar

    Hablar bajo, pisar leve, ver

    A la noche dormir en silencio.

    No hay mucho que decir:

    Una canción sobre una cuna

    Un verso, tal vez, de amor

    Una oración por quien se va;

    Pero que no se olvide esa hora

    Y nuestros corazones por ella

    Se abandonen, graves y simples.

    Pues para eso fuimos hechos:

    Para esperar en el milagro

    Para participar en la poesía

    Para ver la faz de la muerte;

    De repente no esperaremos…

    La noche es joven hoy; y de la muerte, sólo,

    Hemos nacido, inmensamente.





    Vinícius de Moraes


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Dom 16 Ene 2022, 17:35

    A meu amigo Rubem Braga que é pena estar chovendo aqui
    Neste dia tão cheio de memórias. Mas
    Que beberemos à sua saúde, e ele há de estar entre nós
    O bravo capitão Braga, seguramente o maior cronista do Brasil
    Grave em seu gorro de campanha, suas sobrancelhas e seu bigode circunflexos
    Terno em seus olhos de pescador de fundo
    Feroz em seu focinho de lobo solitário
    Delicado em suas mãos e no seu modo de falar ao telefone
    E brindaremos à sua figura, à sua poesia única, à sua revolta, e ao seu cavalheirismo
    Para que lá, entre as velhas paredes renascentes e os doces montes cônicos de feno
    Lá onde a cobra está fumando o seu moderado cigarro brasileiro
    Ele seja feliz também, e forte, e se lembre com saudades
    Do Rio, de nós todos e ai! de mim.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Lun 14 Feb 2022, 17:58

    Soneto de Fidelidade

    Vinicius de Moraes


    De tudo ao meu amor serei atento
    Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
    Que mesmo em face do maior encanto
    Dele se encante mais meu pensamento.

    Quero vivê-lo em cada vão momento
    E em seu louvor hei de espalhar meu canto
    E rir meu riso e derramar meu pranto
    Ao seu pesar ou seu contentamento

    E assim, quando mais tarde me procure
    Quem sabe a morte, angústia de quem vive
    Quem sabe a solidão, fim de quem ama

    Eu possa me dizer do amor (que tive):
    Que não seja imortal, posto que é chama
    Mas que seja infinito enquanto dure.



    Soneto de fidelidad  


    Vinícius de Moraes




    De todo a mi amor estaré atento
    Antes, y con tal celo, y siempre, y tanto
    Que incluso ante el mayor encanto
    Con él se encante más mi pensamiento.

    Quiero vivirlo en cada vano momento
    Y en su loor he de esparcir mi canto
    Y reír mi risa y derramar mi llanto
    A su pesar o a su contentamiento.

    Y así, cuando más tarde me busque
    Quién sabe la muerte, angustia de quien vive
    Quién sabe la soledad, fin de quien ama

    Pueda yo decir del amor (que tuve):
    Que no sea inmortal, puesto que es llama
    Mas que sea infinito mientras dure.



    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Vie 25 Feb 2022, 07:13

    A rosa de Hiroxima




    Pensem nas crianças

    Mudas telepáticas

    Pensem nas meninas

    Cegas inexatas

    Pensem nas mulheres

    Rotas alteradas

    Pensem nas feridas

    Como rosas cálidas

    Mas oh não se esqueçam

    Da rosa da rosa

    Da rosa de Hiroxima

    A rosa hereditária

    A rosa radioativa

    Estúpida e inválida

    A rosa com cirrose

    A anti-rosa atômica

    Sem cor sem perfume

    Sem rosa sem nada.




    Vinícius de Moraes







    *****************







    La rosa de Hiroshima




    Piensen en la criaturas

    Mudas telepáticas

    Piensen en las niñas

    Ciegas inexactas

    Piensen en las mujeres

    Rotas alteradas

    Piensen en las heridas

    Como rosas cálidas

    Pero ¡oh! no se olviden

    De la rosa de la rosa

    De la rosa de Hiroshima

    La rosa hereditaria

    La rosa radioactiva

    Estúpida e inválida

    La rosa con cirrosis

    La anti-rosa atómica

    Sin color sin perfume

    Sin rosa sin nada.





    ***********





    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Mar 22 Mar 2022, 14:04

    Alma que sofres pavorosamente
    A dor de seres privilegiada
    Abandona o teu pranto, sê contente
    Antes que o horror da solidão te invada.

    Deixa que a vida te possua ardente
    Ó alma supremamente desgraçada.
    Abandona, águia, a inóspita morada
    Vem rastejar no chão como a serpente.

    De que te vale o espaço se te cansa?
    Quanto mais sobes mais o espaço avança...
    Desce ao chão, águia audaz, que a noite é fria.

    Volta, ó alma, ao lugar de onde partiste
    O mundo é bom, o espaço é muito triste...
    Talvez tu possas ser feliz um dia.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Mar 12 Abr 2022, 12:56

    Na hora dolorosa e roxa das emoções silenciosas
    Meu espírito te sentiu.
    Ele te sentiu imensamente triste
    Imensamente sem Deus
    Na tragédia da carne desfeita.

    Ele te quis, hora sem tempo
    Porque tu eras a sua imagem, sem Deus e sem tempo.
    Ele te amou
    E te plasmou na visão da manhã e do dia
    Na visão de todas as horas
    Ó hora dolorosa e roxa das emoções silenciosas.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Mar 19 Abr 2022, 08:20

    A CIDADE ANTIGA


    Rio de Janeiro , 2004


    Houve tempo em que a cidade tinha pêlo na axila 
    E em que os parques usavam cinto de castidade 
    As gaivotas do Pharoux não contavam em absoluto 
    Com a posterior invenção dos kamikazes 
    De resto, a metrópole era inexpugnável 
    Com Joãozinho da Lapa e Ataliba de Lara. 

    Houve tempo em que se dizia: LU-GO-LI-NA 
    U, loura; O, morena; I, ruiva; A, mulata! 
    Vogais! tônico para o cabelo da poesia 
    Já escrevi, certa vez, vossa triste balada 
    Entre os minuetos sutis do comércio imediato 
    As portadoras de êxtase e de permanganato! 

    Houve um tempo em que um morro era apenas um morro 
    E não um camelô de colete brilhante 
    Piscando intermitente o grito de socorro 
    Da livre concorrência: um pequeno gigante 
    Que nunca se curvava, ou somente nos dias 
    Em que o Melo Maluco praticava acrobacias. 

    Houve tempo em que se exclamava: Asfalto! 
    Em que se comentava: Verso livre! com receio... 
    Em que, para se mostrar, alguém dizia alto: 
    "Então às seis, sob a marquise do Passeio..." 
    Em que se ia ver a bem-amada sepulcral 
    Decompor o espectro de um sorvete na Paschoal 

    Houve tempo em que o amor era melancolia 
    E a tuberculose se chamava consumpção 
    De geométrico na cidade só existia 
    A palamenta dos ioles, de manhã... 
    Mas em compensação, que abundância de tudo! 
    Água, sonhos, marfim, nádegas, pão, veludo! 

    Houve tempo em que apareceu diante do espelho 
    A flapper cheia de it, a esfuziante miss 
    A boca em coração, a saia acima do joelho 
    Sempre a tremelicar os ombros e os quadris 
    Nos shimmies: a mulher moderna... Ó Nancy! Ó Nita! 
    Que vos transformastes em dízima infinita... 

    Houve tempo... e em verdade eu vos digo: havia tempo 
    Tempo para a peteca e tempo para o soneto 
    Tempo para trabalhar e para dar tempo ao tempo 
    Tempo para envelhecer sem ficar obsoleto... 
    Eis por que, para que volte o tempo, e o sonho, e a rima 
    Eu fiz, de humor irônico, esta poesia acima.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Lun 02 Mayo 2022, 07:27

        A AUSENTE


        Amiga, infinitamente amiga

        Em algum lugar teu coração bate por mim

        Em algum lugar teus olhos se fecham à ideia dos meus.

        Em algum lugar tuas mãos se crispam, teus seios

        Se enchem de leite, tu desfaleces e caminhas

        Como que cega ao meu encontro...

        Amiga, última doçura

        A tranquilidade suavizou a minha pele

        E os meus cabelos. Só meu ventre

        Te espera, cheio de raízes e de sombras.

        Vem, amiga

        Minha nudez é absoluta

        Meus olhos são espelhos para o teu desejo

        E meu peito é tábua de suplícios

        Vem. Meus músculos estão doces para os teus dentes

        E áspera é minha barba. Vem mergulhar em mim

        Como no mar, vem nadar em mim como no mar

        Vem te afogar em mim, amiga minha

        Em mim como no mar...



    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Mar 10 Mayo 2022, 07:44

    AURORA, COM MOVIMENTO
    (Posto 3)


    A linha móvel do horizonte
    Atira para cima o sol em diabolô
    Os ventos de longe
    Agitam docemente os cabelos da rocha
    Passam em fachos o primeiro automóvel, a última estrela
    A mulher que avança
    Parece criar esferas exaltadas pelo espaço
    Os pescadores puxando o arrastão parecem mover o mundo
    O cardume de botos na distância parece mover o mar.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Mar 10 Mayo 2022, 07:46

    CREPÚSCULO EM NEW YORK


    Com um gesto fulgurante o Arcanjo Gabriel
    Abre de par em par o pórtico do poente
    Sobre New York. A gigantesca espada de ouro
    A faiscar simetria, ei-lo que monta guarda
    A Heavens, Incorporations. Do crepúsculo
    Baixam serenamente as pontes levadiças
    De U.S.A. Sun até a ilha da Manhattan.
    Agora é tudo anúncio, irradiação, promessa
    Da Divina Presença. No imo da matéria
    Os átomos aquietam-se e cria-se o vazio
    Em cada coração de bicho, coisa e gente.


    E o silêncio se deixa assim, profundamente...


    Mas súbito sobe do abismo um som crestado
    De saxofone, e logo a atroz polifonia
    De cordas e metais, síncopas, arreganhos
    De jazz negro, vindos de Fifty Second Street.
    New York acorda para a noite. Oito milhões
    De solitários se dissolvem pelas ruas
    Sem manhã. New York entrega-se.
      Do páramo Balizas celestiais põem-se a brotar, vibrantes
    À frente da parada, enquanto anjos em nylon
    As asas de alumínio, as coxas palpitantes
    Fluem langues da Grande Porta diamantina.


    Cai o câmbio da tarde. O Sublime Arquiteto
    Satisfeito, do céu admira sua obra.
    A maquete genial reflete em cada vidro
    O olho meigo de Deus a dardejar ternuras.
    Como é bela New York!
    Aço e concreto armado
    A erguer sempre mais alto eternas estruturas!
    Deus sorri complacente. New York é muito bela!
    Apesar do East Side, e da mancha amarela
    De China Town, e da mancha escura do Harlem
    New York é muito bela! As primeiras estrelas 
    Afinam na amplidão cantilenas singelas...
    Mas Deus, que mudou muito, desde que enriqueceu
    Liga a chave que acende a Broadway e apaga o céu
    Pois às constelações que no espaço esparziu
    Prefere hoje os ersätze sobre La Guardia Field.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Dom 15 Mayo 2022, 09:07

    A LETRA A: PALAVRA POR PALAVRA (II)


    Rio de Janeiro, Jornal do Brasil, 31/12/1969


    Abacate: Fiz certa vez para a minha série de poeminhas infantis, um sexteto sobre essa fruta de que gosto muito e que pertence, segundo me ensina o verbete de mestre Aurélio, à família das Lauráceas - o que não é dizer pouco. O poeminha é como segue, e faz grande sucesso entre crianças de mentalidade cropófila e adultos de mentalidade de criança, como é o caso de meu amigo e compadre Chico Buarque:    

                A gente pega o abacate 
                Bate bem no batedor 
                Depois do bate-que-bate 
                Que é que parece? - Cocô. 
                Ô abacate biruta: 
                Tem mais caroço que fruta! 

          Mas eis que, de repente, surgem-me, no ato de escrever, confusas, dolorosas recordações ligadas a essa palavra. Vejo-me menino, na casa de meus avós paternos, à rua General Severiano em Botafogo, debruçado à grande mesa da sala de jantar, apreciando meu avô comer com delícia o seu abacate no ritual gastronômico cotidiano. Era toda uma cerimônia, as refeições de meu avô Moraes. Brando déspota baiano, cheio de bossa e filáucia, colocava-se ele à cabeceira, o guardanapo atacado ao pescoço, à moda antiga, e sem dizer abacate atacava os próprios, depois de cortá-los em duas metades, que enchia de açúcar até às bordas. E era de vê-lo traçando-os a colheradas, devagar e sempre, até a última epiderme. Depois, limpava, com um rápido gesto de ida e volta, a boca e o bigode branquinho, suspirava fundo e partia para o seu quarto de leitura, onde ficava o lindo oratório de minha avó. E ali se deixava ele no embalo da velha cadeira de balanço, de espaldar de palhinha, a ler pela milésima vez os folhetins de Michel Zevaco, de que eu era também leitor constante. Quantos títulos não lembro... Os Pardaillan, Buridan, Os amantes de Veneza, A torre de Nestle... 

          - Ecco la saeta! 
          - La paro! 

          O italiano entrava nos duelos como cor local. Pardaillan aparava o que viesse, o herói de todo caráter, enquanto, pouco a pouco, o velho avô se ia desintegrando em sono. Eu chegava pé ante pé para espiá-lo de mais perto, como quem examinava uma múmia de museu. Que fenômeno, um velho! Mas não qualquer velho: um ancião espetacular, como meu avô Moraes, o rosto cortado em mil rugas descendentes e as pálpebras inferiores começando a cair; um velho com o dorso das mãos enferrujado e a pele do pescoço pendente, já meio solta da carne. 

          Meu avô Antero Pereira da Silva Moraes... Bendita a palavra que desencadeou tanta saudade e o trouxe de volta tão nítido como o vejo agora... a arrastar os pés ao longo do corredor, sem tempo e sem rumo - um macróbio total. Circundava-o sempre um aroma de sândalo ou alfazema, por isso que minha avó nunca se esquecia de espalhar, em seus gavetões, sachets perfumosos que lhe impregnavam a roupa. E sua vida era essa: vagar pela casa, o único território em que podia velejar com segurança. 

          Nós, meninos, tínhamos cuidado para não esbarrar nele, em nossas correrias, de vez que o corredor era o desaguadouro natural de nosso tropel faminto, quando nos chamavam para a mesa. O velho, ao sentir que algum pé-de-vento o cruzava, dava uma leve guinada de proa, fazia uma lenta meia-volta parada e seguia mecanicamente em sua esteira, agarrado por cabos imponderáveis àquela vida infantil que passava à toa. Tudo nele parecia realizar-se num mundo acústico, onde os sons chegassem como num aparelho de surdo subitamente conectado. Uma porta batia, alguém berrava por alguém, o cachorro ladrava - e desencadeava-se em seus tímpanos uma tempestade que o fazia retornar ao mundo dos vivos. Sua máscara frouxa assumia um ar dramático e ele, transtornado, perguntava, numa voz pânica e trêmula de náufrago pedindo socorro: 

          - Que foi? 

          Às vezes parava, incerto sobre o rumo a tomar, desligado de tudo. Seu rosto ensimesmava-se, num desesperado esforço de ver, como se estivesse mirando um poço sem fundo, e depois exprimia espanto, pois o medo do desconhecido parecia de repente tomá-lo. Girava os olhos, então, dentro da cratera rubra das pálpebras soltas, como a buscar onde se ater. Ficava assim, a mover devagar a cabeça para um lado e outro - um bicho velho diante de sua própria morte. 

          Depois, refeito o vazio, ele reunia novas forças e saía em seu passinho miúdo e arrastado, de volta à cadeira de balanço como um velho barco ao ancoradouro. Ali, com um máximo de cautela para não cair, sentava-se bem devagarinho, num exercício cujo resultado parecia deixá-lo feliz, pelos esgares que fazia. Puxava a manta sobre os joelhos e, pouco a pouco, deixava pender a cabeça. Que pensamentos poderiam então tomá-lo? Talvez lhe chegassem, em fragmentos rútilos, as risadas claras das mulheres que teve - e muitas foram, ao que parece...; talvez os rufos e as clarinadas das paradas militares a que tanto gostava de assistir. 

          E era doce, nessas horas, depois que o sono vinha, ver chegar toda branquinha, toda curva, a sua eterna velhinha que se deixava estar um pouco junto ao umbral, queimando a sua cera antiga numa chama de amor quase apagando. E depois de mirá-lo algum tempo, ela ia, minha santa avozinha, e se ajoelhava ao pé do oratório, onde ficava a tatalar preces ausentes, os olhos postos com infinita devoção no Menino Deus, em sua manjedoura, ou em Nossa Senhora da Conceição, sua xará celeste, perdida na visão de beatitudes que não conheceu em vida - pois, segundo consta, em matéria de mulher, meu avô não deixou passar ninguém. Mas ela o amava, o velho sacripanta, de um amor tão puro de esposa, que eu posso vê-la neste instante, mesmo mergulhada na visão do Ser Egrégio, a cuja mão direita deve sentar-se agora, linda e modesta como sempre, tendo ao lado seu velhinho todo elegante em seu paletó de alpaca - e cuja entrada no Céu só obteve pelo muito que rezou e por todo o bem que fez em vida. Pois o velho não era de brincadeira.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Dom 15 Mayo 2022, 09:16

    ANTEATO: PALAVRA POR PALAVRA (I)


    Rio de Janeiro, Jornal do Brasil, 31/12/1969


          A idéia ocorreu-me em março de 1967, quando ganhei pela... ésima vez, para grande prazer meu, um novo Pequeno dicionário brasileiro da língua portuguesa, de meu velho amigo Aurélio Buarque de Holanda, que nada tem a ver com Sérgio e Chico, mas é, também, homem de muita cachola. Lembro-me de que era noite, e fiquei folheando-o à toa, e verificando uma vez mais a minha imensa ignorância do nosso léxico. De cada dez palavras, não sabia o significado de três ou quatro. É verdade que eram, o mais das vezes, palavras eruditas, de conteúdo científico e - bolas! - eu não sou cientista nem nada. Mas para um escritor, uma tal constatação é, de qualquer forma, humilhante. Passei a ler com mais freqüência o dicionário como recomendava Gide - o que, aliás, constitui para mim uma ocupação melhor que a leitura desses escritores de best sellers que andam em voga. 

          Muitos amigos me têm pedido que escreva as minhas memórias, Fernando Sabino em particular. Fico pensando... Para quê? Parece-me um ato de vaidade, mais que de despudor. Mas, pondera ele - o Otto Lara Resende já me disse o mesmo - eu percorri um caminho de tal modo vário em experiências, aqui e no estrangeiro, que sonegá-las aos que acreditam no que escrevo, à mocidade em particular, é, de certo modo, uma forma de vaidade maior ainda. Considerando-se, ademais, que minha vida sempre foi, por assim dizer, vivida abertamente... 

          Não sei. Tenho horror à idéia de tornar-me literário, de começar a redigir no ato de escrever. O que me dificulta, hoje em dia, a leitura dos escritores em geral, com pouquíssimas exceções, é justamente esse detestável defeito. Mal sinto, em lugar de estilo, o menor maneirismo, a menor fita, largo o livro de mão. Acho-os, na maioria, uns chatos, só contam o que todo mundo já sabe ou logo adivinha. A vida é infinitamente mais rica que suas palavras - e estou certo de que mesmo os mais mediocres são portadores de experiências que nas mãos de um bom romancista ou um bom biógrafo dariam matéria de interesse universal. Pois tudo tem interesse, mesmo o coito de duas moscas, desde que provoque no ser que o observa um reflexo vital. 

          Vale dizer que pouca gente vive: esta é a grande verdade; vive no sentido de queimar-se sem reservas, sem preconceitos, sem atitudes, sem julgamentos canonizados por uma moral convencional imposta. Mas, por outro lado, eu não gostaria de escandalizar. Escandalizar pode ser também uma forma infame de vaidade, um processo autocomplacente de criar uma antimoral como justificação de taras ou fraquezas pessoais. Não: eu sou um homem que, até certo ponto, venceu as barreiras do medo de viver, e viver é, hoje em dia, para mim, um ato simples, perturbado apenas pelas neuroses conseqüentes do simples ato de viver. A vida, trata-se de cumpri-la bem, sem outro temor que ter de apertar-lhe as rédeas. Ai de mim, que ilusão! - dizer isto na quadra dos cinqüenta, quando os frutos do amor crescem cada vez menos ao alcance das mãos, do meu desejo... 

          Mas o curioso em tudo isso é que, aquela noite de março de 1967, a leitura à toa do Pequeno dicionário fez-me voltar a 15 anos atrás, num hotel em Genebra, quando - lembro-me tão bem agora - veio-me pela primeira vez a vontade de escrever minhas memórias, e eu chamei um mensageiro e dentro em breve punha-me a rabiscar num grosso caderno suíço. O resultado de um dia de trabalho pareceu-me, na manhã seguinte, tão... não digo literário, mas auto-suficiente, que larguei aquela choldra com um profundo aborrecimento de mim mesmo. Eu nada fizera senão ir, conscientemente, tentar justificar-me, apresentar-me sob uma luz falso-modesta, ficar lambendo as próprias feridas. 

          Agora, não. Agora sinto que vou poder escrevê-las, usando as letras do alfabeto e as palavras da língua sob seus capítulos, como ímãs mnemônicos capazes de me mergulhar compulsivamente num abismo de lembranças: palavras concretas desagregando-se em memórias, um infinito de saudades, um sumidouro de associações caóticas, mas de onde possam vir à tona, tal um agente lisérgico, os fragmentos desse grande puzzle a reconstituir, que é a vida de um homem, de qualquer homem, de todos os homens. E fazê-lo dia a dia, numa hipnose consciente que possa resultar, quem sabe, numa auto-análise, tanto quanto possível próxima da verdade - que desta, realmente, não se sabe nunca. 

          Sim, a idéia me apaixona. Por que não tentar? Por que não pousar os olhos numa palavra e, através de conjeturas, sentir refluir o que ficou do tempo? Que mundo de livros, sobrasse-me vida, não poderia eu escrever com a palavra amor, a palavra amigo, a palavra mulher... Não criou a palavra ressentimento condições para que eu possa mergulhar na palavra sonho, e sonhar, e sonhar minha existência... - palavra por palavra?





    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
    Maria Lua
    Maria Lua
    Administrador-Moderador
    Administrador-Moderador


    Cantidad de envíos : 56102
    Fecha de inscripción : 12/04/2009
    Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Maria Lua Dom 15 Mayo 2022, 09:17

    SER MODERNO

    Rio de Janeiro, Jornal do Brasil, 31/12/1969

         Saía o Sol sobre a Terra quando Lot entrou em Zoar. Então fez o Senhor chover enxofre e fogo sobre Sodoma e Gomorra. E subverteu aquelas cidades e toda a campina, e todos os moradores das cidades, e o que nascia da terra. E a mulher de Lot olhou para trás e converteu-se numa estátua de sal.
     
          O grifo é meu e o texto está no Gênese, o primeiro livro de Moisés. O episódio bíblico constitui também, provavelmente, o primeiro caso psiquiátrico de neurose do passado. A mulher de Lot fora instruída a não olhar para trás, a andar a monte com seu marido e suas duas filhas, para não perecer no castigo imposto pelo Senhor à cidade de Sodoma. 

          - Quem mandou se meter a fogueteira? - diria um psiquiatra rnoderno da escola kleiniana. Não há que olhar para o passado. O passado é a neurose. O futuro é que conta. 
          - Então - perguntaria eu, bronqueado - por que é que você está usando uma expressão tão fora de época como "se meter a fogueteira"? 

          Aí o psiquiatra me explicaria que se tratava de uma expressão usada por sua avozinha, a única pessoa que conseguiu, com muito amor e paciência, corrigi-lo do hábito de fazer pipi na cama até os dez anos; mas que as pessoas projetadas para o futuro é que são isentas de neuroses. 

          - Feito os cosmonautas? - indagaria eu, meio preocupado com a lavagem cerebral indispensável ao equilíbrio neuropsíquico dos invasores do Cosmos. 
          - É, mas ou menos... - responderia o nosso amigo, com ar de quem não quer levar a discussão adiante. 

          Aí... - aí, pombas, cada um iria para a casa de sua mãe, mesmo porque a conversa já estava ficando com um certo ar de crônica de Art Buchwald, como está tão em moda. 
          É, velhinho... Que fazer? Dar uma de moderno, sair por aí, de calça vermelha ou azul-turquesa, camisa de florzinha e corrente com medalhão ao pescoço, puxando um fumo (1) honesto, e depois ir esticar com uma percanta (2) no Varanda, pra biritar (3) umas e outras? Ou assumir a vida, a experiência, o passado? 

          - Escuta, bicho, você tá por fora... Falar umas e outras já saiu do ar. Não vá me dizer isso no Veloso... A turma te dá uma buzinada. O último cara que falou assim foi o Chico Buarque, morou? 
          - Que é que tem o Chico? Eu acho o Chico, um sujeito por dentro, um compositor todo bom, cheio de sentimento... 
          - Sentimentos? Mas que é isso, bicho? Que coisa mais antiga... Quem tem sentimento é guia de cego. O negócio é entrar na onda (4). Você está em outra (5). Leia Marcuse e Norman Mailer e atualize seu repertório (6). Deixe o espírito vagar. Tem que ter plá (7). 

          Tem que ter plá, ouviram bem? Ser moderno é achar que a história começa com os Beatles e termina com os hippies. Depois disso, não há mais nada a fazer. É ir levando, entrar em órbita (Cool, canear (9) por aí com umas grinfas (10) bem xués (11), que é pra não dar dor de cabeça. É o sideral (12). O negócio é muita bolinha (13), muita tia-branca (14), muito LSD ou qualquer outro psicotrópico que dê um barato (15) firme. É de lei! 

          Realmente, a que se pode aspirar, depois de atingir a categoria hippy? O hippy é, no fundo, tão velho e sem perspectiva quanto um embaixador que caiu na compulsória. É um jovem que pediu aposentadoria da vida, motivado, é claro, pelos mais nobres sentimentos. Tudo, menos o trabalho burguês. Amor, não a guerra. Sexo livre, ambidestro e descompromissado. Desligamento total dos laços tradicionais de família. "Familles, je vous hais; foyers clos, portes renfermées, possessions jalouses du bonheur!" (16) - como já disse André Gide, esse Marcuse avant la lettre, esse velho hippy formalista, que viu Verlaine bêbado na rua sendo apupado e maltratado por um bando de colegiais, e optou por não socorrê-lo para não intervir no curso do seu destino. 

          E há - importantíssimo! - o problema "acústico". 

          - Que é que você achou da mulher americana, Miltinho? 
          - Humm... Não tem som (17). 

          Tem que ter som, ouviram, ó mulhas? (18). Não basta ser dondoca bonérrima, ter curso de psicologia na PUC, ser aprendiz de guerrilheira ou dona de boutique, assistente social ou bandida (19), grã-fina ou grã-grossa. O negócio é o seguinte: tem que ter som. Perguntem aos músicos mais pra frente (e perdoem se esta expressão tiver sido excomungada ontem no novo Zepelim). 

          - O Sérgio Mendes? Ih, bicho... já deu o que tinha dar. O som já não é mais aquele, morou? Muito comercial, muito pra gringo. Não dá mais pé. Agora: você já ouviu uns garotos que estão com um conjunto de cavaquinhos e gaitas eletrônicas? Velhinho, aquilo é que é som. 

          Resultado: andam os músicos a experimentar, dia e noite com seus conjuntos, à cata de um som: um como aquele que conduziu Sérgio Mendes ao auge do faturamento. 

          - Não, ô cara, a poesia não deixa de ter sua importância na canção, se o infeliz não me vier de amor - saudade - tristeza - coração - luar. Agora: importante mesmo é o som. A letra tem que interpretar o momento presente, aproveitar das novas estruturas, das novas formas, dos novos materiais, da nova linguagem publicitária de nossa sociedade de consumo. Tem que passar sinteco no samba. 

          - Mas... e o Tom? 
          - Bem... o Tom é grande, mas já está ultrapassado. Deu uma de coroa (20). Poxa, gravar com o Sina (21), um velhunco, um tremendo matusa (22). Não, bicho, eu estou em outra... 

          De maneira, arcaico leitor, que o seguinte é o que se segue; e o que se segue é a realidade; e a realidade é um fato; e fato é o que eu vou lhe provar agora: para ser moderno, você tem que estar na deles. Estando com eles, está com Deus. Você tem que usar calças Lee, de preferência desbotadas e puídas nos joelhos (camisas Lacoste é pra granfunço); tem que estar por dentro de blá(23) de malandro e gíria de barbudo de Ipanema; tem que fazer a ponte Zepelim-Varanda, e de vez em quando dar uma de Degrau; tem que discutir cinema novo, e sobretudo Gláuber; tem que saber queimar-o-pé (24) e entrar no embalo-7 (25) com birita de pobre: uísque é pros Onassis da vida; ou estar a balão (26) sempre que puder, puxando seu charo (27) em companhia de uma grinfete (28) super, levando o seu (29) com aquela disponibilidade; mas também sabendo quebrar um pau (30) quando o negócio estiver mais pra fezes (com perdão do eufemismo) que pra mousse de chocolate; tem que gostar de Gal Costa (sem que isso tenha nada a ver com o fato de ela ser uma excelente cantora) e Caetano Veloso (idem para o grande compositor), e tem que achar o Chico um ótimo letrista mas um músico meio devagar; tem que considerar o Chacrinha um gênio, inteiramente dentro do contexto, que é cafono por natureza: (Isso é que é tropicalismo, morou, ô infeliz?); tem que encarar de ver em quando umas patuleiras do asfalto (31), e se mandar pra Barra no carango (32), a mil; tem que, pelo menos uma vez por ano, fundir a cuca (33) e ir misturar as estações (34) numa clínica de repouso, e fazer uma sonda (35) seguida de uma psicoterapia de apoio - dá um pé bárbaro! 

          É isso que você tem que fazer, execrável leitor, se quiser ser moderno. Pergunte a esse grande ator Hugo Carvana, que me forneceu muitos dos elementos que estão aqui. O resto é papo furado. Se você não estiver nessa nunca vai ser um praça-boa, uma pedra-90 (36). Senão, bicho, quando você for buscar o milho, eles já fizeram a pipoca. Em rio que tem piranha, mosquito não dá rasante. Quem se mete a avestruz tem que agüentar o ovo. Ou como diz o fotógrafo filósofo e gentleman tijuco-ipanemense Paulinho Garcez: "Ajoelhou, tem que rezar!" 


    * P.S. Para os que estão mais por fora que marido enganado, fiz um pequeno glossário. Se quaisquer outras dúvidas ocorrerem, consultem o jovem super ao seu lado. 

    E por falar nisso: pode haver nada mais velho do que o novo? 
    1 - fumando maconha; 2 - mulher, garota que se namora; 3 - bebiba alcoólica; 4 - assumir o moderno, com tudo o que ele implica; 5 - ser antigo, ou quadrado; 6 - a súmula do linguajar moderno; 7 - substrato, bossa, espírito; 8 embriagar-se com drogas; 9 - beber; 10 - mulheres, garotas do mesmo naipe; 11 - malucas; 12 - embriaguez específica por drogas ou psicotrópicos; 13 - excitantes medicamentosos em pílulas; 14 - cocaína; 15 - corruptela de baratino: o mesmo que o item 12; 16 - "Famílias, eu vos odeio; lares fechados, portas trancadas, possessões ciumentas da felicidade"; 17 - musicalmente, o correspondente a plá, qualidade sonora, bossa, inventiva, expressão; 18 - corruptela de mulher em gíria; 19 - mulher ou garota de vida fácil, sem chegar a ser uma prostituta: diz-se também vadia; 20 - quarentão; 21 - Sinatra; 22 - corruptela de Matusalém; velhíssimo, ancião; 23 - papo, conversa; 24 embriagar-se; 25 - embriagar-se muito; também se diz encher a cara; 26 - inebriar-se com drogas ou psicotrópicos; estar suspenso no ar; 27 - corruptela de charuto; cigarro mais grosso de maconha; 28 - diminutivo de grinfa (ver no 10), broto, lolita; 29 - contando suas histórias, levando o seu papo; 30 - brigar fisicamente; 31 - prostitutas perambulantes, como se vê ao longo das praias; 32 - automóvel de preferência velho; 33 - ficar neurótico, ou muito perturbado mentalmente; 34 - idem, como se se tratasse de um rádio; 35 - sonoterapia, 36 - pessoa de qualidade; o mesmo que bacana.


    _________________



    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


    "Ser como un verso volando
    o un ciego soñando
    y en ese vuelo y en ese sueño
    compartir contigo sol y luna,
    siendo guardián en tu cielo
    y tren de tus ilusiones."
    (Hánjel)





    [Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]

    Contenido patrocinado


    VINICIUS DE MORAES  - Página 14 Empty Re: VINICIUS DE MORAES

    Mensaje por Contenido patrocinado


      Fecha y hora actual: Mar 06 Dic 2022, 10:18