Aires de Libertad

¿Quieres reaccionar a este mensaje? Regístrate en el foro con unos pocos clics o inicia sesión para continuar.

https://www.airesdelibertad.com

Leer, responder, comentar, asegura la integridad del espacio que compartes, gracias por elegirnos y participar

Estadísticas

Nuestros miembros han publicado un total de 932365 mensajes en 43747 argumentos.

Tenemos 1474 miembros registrados

El último usuario registrado es Irene

Clik Boton derecho y elige abrir en pestaña nueva- DICC. R.A.E

¿Quién está en línea?

En total hay 41 usuarios en línea: 2 Registrados, 0 Ocultos y 39 Invitados :: 2 Motores de búsqueda

Maria Lua, Walter Faila


El record de usuarios en línea fue de 360 durante el Sáb 02 Nov 2019, 06:25

Clik Boton derecho y elige abrir en pestaña nueva- DICC. R.A.E

Octubre 2021

LunMarMiérJueVieSábDom
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Calendario Calendario

Conectarse

Recuperar mi contraseña

Galería


ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 08:28

[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Antônio Gonçalves Dias (Caxias, Maranhão, 10 de agosto de 1823 - Guimarães, Maranhão, 3 de noviembre de 1864) fue un poeta y especialista en teatro brasileño.


Nació en Caxias, Maranhão, hijo de una unión no matrimonial entre un comerciante portugués con una mestiza zamba brasileña. Estudió inicialmente por un año con el profesor José Joaquim de Abreu, cuando comenzó a trabajar como cajero y a tratar de lograr la escrituración del comercio de su padre, quien fallece en 1837.

Comenzó sus estudios de latín, francés y filosofía en 1835 cuando fue matriculado en un colegio particular.

Estudió en Europa, en Portugal en 1838 donde terminó sus estudios secundarios e ingresó en la Facultad de Derecho de la Universidad de Coímbra (en 1840), regresando en 1845, después de graduarse. Pero antes de regresar, todavía en Coímbra, participó de los grupos de la Gazeta Literária y de O Trovador, compartiendo las ideas románticas de Almeida Garrett, Alexandre Herculano y Antonio Feliciano de Castilho. Por hallarse tanto tiempo fuera de su patria se inspiró para escribir la Canção do exílio y parte de los poemas de "Primeiros cantos" y "Segundos cantos"; el drama Patkull; y "Beatriz de Cenci", después rechazado por ser considerado un texto «inmoral» por el Conservatorio Dramático de Brasil. Fue en este período cuando escribió fragmentos del romance biográfico "Memórias de Agapito Goiaba", destruido después por el propio poeta, por contener alusiones a personas aún vivas.

En el año siguiente a su regreso conoció aquella mujer que sería su más grande musa inspiradora: Ana Amélia Ferreira Vale. Varias de sus piezas románticas, inclusive Ainda uma vez — Adeus fueron escritas para ella. En ese mismo año viajó a Río de Janeiro, en ese momento capital de Brasil, donde trabajó como profesor de historia y latín del Colegio Pedro II, además de desempeñarse como periodista, en diversos periódicos: Jornal do Commercio, Gazeta Oficial, Correio da Tarde e Sentinela da Monarquia, publicando crónicas, folletinrs teatrales y haciendo crítica literária.


Litografía de Gonçalves Dias en el rótulo de un cigarro.
En 1849 fundó con Manuel de Araújo Porto-Alegre y Joaquim Manuel de Macedo la revista Guanabara, que divulgaba el movimiento romántico de la época. En 1851 regresó a São Luís do Maranhão, a pedido del gobierno para estudiar el problema de la educación pública en aquel estado.

Gonçalves Dias le pidió a Ana Amélia casamiento en 1852, pero la familia de ella, debido a la ascendencia mestiza del escritor, refutó este pedido. En ese mismo año regresó a Río de Janeiro, donde se casó con Olímpia da Costa. Luego fue nombrado oficial de la Secretaría de Negocios Extranjeros. Pasó los siguientes cuatro años en Europa, realizando investigaciones sobre educación nacional. Al regresar a Brasil invitado a participar de la Comisión Científica de Exploración, debido a esto viajó por casi todo el norte del país.

Regresó a Europa en 1862 para un tratamiento de salud. Al no obtener resultados regresó a Brasil en 1864 en el navío Ville de Boulogne, que naufragó en la costa brasileña; se salvaron todos los pasajeros, excepto el poeta que fue olvidado agonizando en su lecho y se ahogó. El accidente ocurrió en los bajíos de Atins, cerca de la villa de Guimarães en Maranhão.

Su obra puede encuadrarse en el Romanticismo. Procuró formar un sentimiento nacionalista al incorporar asuntos, pueblos y paisajes brasileñas en la literatura nacional. Al igual que José de Alencar, desarrolló el indianismo.



******************************

Obras
1843: Canção do exílio
1846: Primeiros cantos
1846: Meditação
1846: O Brazil e Oceania (prosa)
1848: Segundos Cantos
1848: As sextilhas de Frei Antão
1846: Seus Olhos
1857: Os timbiras
1851: I-Juca-Pirama
1858: Dicionário da Língua Tupi chamada língua geral dos indígenas do Brasil




**********************



Antonio Gonçalves Dias

Nacimiento 10 de agosto de 1823
Caxias, Maranhão, Brasil.
Fallecimiento 3 de noviembre de 1864 (41 años)

Causa de la muerte Naufragio Ver y modificar los datos en Wikidata
Nacionalidad brasileño.
Educación
Educado en Facultad de Derecho de la Universidad de Coímbra
Información profesional
Ocupación poeta y periodista.
Años activo Siglo XIX
Movimiento Romanticismo de Brazil e indianismo artístico
Géneros poesía, ensayo.
Miembro de Academia Brasileña de Letras


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 08:39



LA MÁS FAMOSA POESÍA DE GONÇAVES DIAS ES LA CANÇÃO DO EXILIO.

ALGUNOS DE SUS VERSOS ESTÁN DESTACADOS EN PRIMERIRA ESTROFA DE LA SEGUNDA PARTE D EL HIMNO NACIONAL DE BRASIL

Deitado eternamente em berço esplêndido,
Ao som do mar e à luz do céu profundo,
Fulguras, ó Brasil, florão da América,
Iluminado ao sol do Novo Mundo!
Do que a terra, mais garrida,
Teus risonhos, lindos campos têm mais flores;
"Nossos bosques têm mais vida",
"Nossa vida" no teu seio "mais amores."







CANÇÃO DO EXÍLIO



       
Kennst du das Land, wo die Citronen blühen,

           Im dunkeln die Gold-Orangen glühen,

           Kennst du es wohl? - Dahin, dahin!

           Mocht ich ... ziehn.

                                              GOETHE



Minha terra tem palmeiras,

Onde canta o Sabiá;

As aves, que aqui gorjeiam,

Não gorjeiam como lá.



Nosso céu tem mais estrelas,

Nossas várzeas têm mais flores,

Nossos bosques têm mais vida,

Nossa vida mais amores.



Em cismar, sozinho, à noite,

Mais prazer encontro eu lá,

Minha terra tem palmeiras,

Onde canta o Sabiá.



Minha terra tem primores,

Que tais não encontro eu cá;

Em cismar, —sozinho, à noite—

­Mais prazer encontro eu lá;

Minha terra tem palmeiras,

Onde canta o Sabiá.



Não permita Deus que eu morra,

Sem que eu volte para lá;

Sem que desfrute os primores

Que não encontro por cá;

Sem qu'inda aviste as palmeiras,

Onde cantei o Sabiá.



           Coimbra - Julho 1843.





CANCIÓN DEL EXILIO



       
Kennst du das Land, wo die Citronen blühen,

           Im dunkeln die Gold-Orangen glühen,

           Kennst du es wohl? - Dahin, dahin!

           Mocht ich ... ziehn.

                                              GOETHE



Mi tierra tiene palmeras

En donde canta el sabiá;

Las aves que aquí gorjean,

No gorjean como allá.



En nuestro cielo hay más luces,

En nuestras vegas más flores,

En nuestros bosques más vida

Y vida con más amores.



Al pensar, solo, en la noche

Más placer encuentro allá;

Mi tierra tiene palmeras

En donde canta el sabiá.



Mi tierra tiene primores

Como no las hallo acá;

Al pensar -solo y de noche­

Más placer encuentro allá;

Mi tierra tiene palmeras

En donde canta el sabiá.



No permita Dios que muera

Sin que vuelva para allá;

Sin que goce los primores

Que no encuentro por acá;

Sin que vea las palmeras,

En donde canta el sabiá.



_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 08:48

Y-JUCA-PYRAMA ( FRAGMENTO)

IV



Meu canto de morte,

Guerreiros, ouvi:

Sou filho das selvas,

Nas selvas cresci;

Guerreiros, descendo

Da tribo tupi.



Da tribo pujante,

Que agora anda errante

Por fado inconstante,

Guerreiros, nasci:

Sou bravo, sou forte,

Sou filho do Norte;

Meu canto de morte,

Guerreiros, ouvi.



Já vi cruas brigas,

De tribos imigas,

E as duras fadigas

Da guerra provei;

Nas ondas mendaces

Senti pelas faces

Os silvos fugaces

Dos ventos que amei.



Andei longes terras,

Lidei cruas guerras,

Vaguei pelas serras

Dos vis Aimorés;

Vi lutas de bravos,

Vi fortes — escravos!

De estranhos ignavos

Calcados aos pés.



E os campos talados,

E os arcos quebrados,

E os piagas coitados

Já sem maracás;

E os meigos cantores,

Servindo a senhores,

Que vinham traidores,

Com mostras de paz.



Aos golpes do imigo

Meu último amigo,

Sem lar, sem abrigo

Caiu junto a mil

Com plácido rosto,

Sereno e composto,

O acerbo desgosto

Comigo sofri.



Meu pai a meu lado

Já cego e quebrado,

De penas ralado,

Firmava-se em mi:

Nós ambos, mesquinhos,

Por ínvios caminhos,

Cobertos d'espinhos

Chegamos aqui!



O velho no em tanto

Sofrendo já tanto

De fome e quebranto,

Só qu'ria morrer!

Não mais me contenho,

Nas matas me embrenho,

Das frechas que tenho

Me quero valer.



Então, forasteiro,

Caí prisioneiro

De um troço guerreiro

Com que me encontrei:

O cru desasossego

Do pai fraco e cego,

Em quanto não chego,

Qual seja, — dizei!



Eu era o seu guia

Na noite sombria,

A só alegria

Que Deus lhe deixou:

Em mim se apoiava,

Em mim se firmava,

Em mim descansava,

Que filho lhe sou.



Ao velho coitado

De penas ralado,

Já cego e quebrado,

Que resta? —Morrer.

Em quanto descreve

O giro tão breve

Da vida que teve,

Deixai-me viver!



Não vil, não ignavo,

Mas forte, mas bravo,

Serei vosso escravo:

Aqui virei ter.

Guerreiros, não coro

Do pranto que choro;

Se a vida deploro,

Também sei morrer.




****************


I JUCA-PIRAMA

(fragmentos)



IV

Mi canto de muerte,

Guerreros, oíd:

Hijo de la selva,

En selvas crecí;

Guerreros, provengo

De tribu tupí.



EI hado inconstante

Ha tornado errante

La tribu pujante

En la que nací.

Norteño, por suerte,

Soy bravo, soy fuerte,

Mi canto de muerte,

Guerreros, oíd.



Ví en guerras e intrigas

Tribus enemigas,

Las duras fatigas

Guerreras probé.

En ondas falaces

Sentí los mordaces

Silbidos fugaces

Del viento que amé



Corrí luengas tierras,

Luché en duras guerras,

Vagué por las sierras

De los Aimorés.

Ví lides de bravos,

Ví fuertes esclavos

De hierros cargados

En manos y pies.

Ví campos talados,

Arcos vi quebrados

Y brujos cuitados

Sin sus maracás.

Vi a tiemos cantores,

Sirviendo a señores,

Que fingen traidores,

Amor a la paz.



Sin hogar ni abrigo,

Al golpe enemigo,

mi mejor amigo

¡Cayó junto a mí!

Con faz como ajena,

Plácida y serena,

Tan amarga pena

Callado sufrí.



Mi padre a mi lado,

Ciego y quebrantado,

De penas calado,

Se apoyaba en mí.

Entrambos, mezquinos,

Por malos caminos,

Cubierto de espinos,

Llegamos aquí.



El viejo, entretanto,

Sufría ya tanto

El hambre y quebranto

¡Que ansiaba morir!

Ya no me contuve

Al bosque me atuve,

Las flechas que tuve

Me iban a servir.



Luego, forastero,

Caí prisionero

De un grupo guerrero

Con el que topé.

Los trágicos ruegos

De mi padre ciego

Al ver que no llego,

Triste imaginé.



Era yo la guía

En su hora sombría,

La única alegría

Que Dios le dejó.

En mí se apoyaba,

En mí se afirmaba,

En mí descansaba,

¡Hijo suyo soy!



¿Qué resta al cuitado

Viejo quebrantado,

Ciego, abandonado?

Tan sólo morir.

El tiempo tan breve

Que su vida leve

Acabarse debe,

¡Dejadme vivir!



Yo, sin menoscabo,

No vil sino bravo,

Seré vuestro esclavo,

Volveré hasta aquí.

Corre sin desdoro

EI llanto que lloro,

La vida no imploro:

¡También sé morir!    






Extraído de TRES POETAS ROMÁNTICOS: GONÇALVES DIAS, CASTRO ALVES, SOUSÃNDRADE. Prólogo de Luis Jaime Cisneros. Traducciones de Washington Delgado, Arturo Corcuera y Javier Sologuren.  Lima: Centro de Estudios Brasileños, 1984.  109 p.

(Tierra Brasileña. Poesía, 20)


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 08:50

Y-JUCA-PYRAMA



I



No meio das tabas de amenos verdores,
Cercadas de troncos — cobertos de flores,
Alteiam-se os tectos de altiva nação;
São muitos seus filhos, nos ânimos fortes,
Temíveis na guerra, que em densas cohortes
Assombram das matas a immensa extensão.


São rudos, severos, sedentos de gloria,
Já prélios incitam, já cantam victoria,
Já meigos attendem á voz do cantor :
São todos Tymbiras, guerreiros valentes!
Seu nome lá vôa na bocca das gentes,
Condão de prodígios, de gloria e terror !



As tribus visinhas, sem forças, sem brio,
As armas quebrando, lançando-as ao rio
O incenso aspiraram dos seus maracás :
Medrosos das guerras que os fortes accendem,
Custosos tributos ignavos lá rendem
Aos duros guerreiros sujeitos na paz.



No centro da taba se estende um terreiro,
Onde ora se aduna o concilio guerreiro
Da tribu, senhora das tribus servis :
Os velhos sentados praticam de outrora,
E os moços inquietos, que a festa enamora,
Derramam-se em torno dum indio infeliz.



Quem é ? — ninguém sabe : seu nome é ignoto.
Sua tribu não diz : — de um povo remoto
Descende por certo — de um povo gentil;
Assim lá na Grecia ao escravo insulano
Tornavam distincto do vil musulmano
As linhas correctas do nobre perfil.



Por casos de guerra caiu prisioneiro
Nas mãos dos Tymbiras; — no extenso terreiro
Assola-se o tecto, que o teve em prisão;
Convidam-se as tribus dos seus arredores,
Cuidosos se incumbem do vaso das cores,
Dos vários aprestos da honrosa funcção.



Acerva-se a lenha da vasta fogueira,
Entesa-se a corda da embira ligeira,
Adorna-se a maça com pennas gentis :
A custo, entre as vagas do povo da aldeia,
Caminha o Tymbira, que a turba rodeia,
Garboso nas plumas de vario matiz.



Em tanto as mulheres com leda trigança,
Affeitas ao rito da barbara usança,
O indio já querem captivo acabar :
A coma lhe cortam, os membros lhe tingem,
Brilhante enduape no corpo lhe cingem,
Sombreia-lhe a fronte gentil kanitar.



_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 08:51



II



Em fundos vasos de alvacenta argila
Ferve o cauim;
Enchem-se as copas, o prazer começa,
Keina o festim.



O prisioneiro, cuja morte anceiam,
Sentado está,
O prisioneiro, que outro sol no ocaso
Jámais verá!



A dura corda, que lhe enlaça o collo,
Mostra-lhe o fim
Da vida escura, que será mais breve
Do que o festim !



Comtudo os olhos de ignóbil pranto
Seccos estão;
Mudos os lábios não descerram queixas
Do coração.



Mas um martyrio, que encobrir não pôde,
Em rugas faz
A mentirosa placidez do rosto
Tia fronte audaz !



Que tens, guerreiro? Que temor te assalta
No passo horrendo?

Honra das tabas que nascer te viram,
Folga morrendo.



Folga morrendo; porque além dos Andes
Revive o forte,
Que soube ufano contrastar os medos
Da fria morte.



Rasteira grama, exposta ao sol, á chuva,
Lá murcha e pende :
Somente ao tronco, que devassa os ares,
O raio offende!



Que foi? Tupan mandou que elle caísse
Como viveu;
E o caçador que o avistou prostrado
Esmoreceu!



Que temes, ó guerreiro? Além dos Andes
Revive o forte,
Que soube ufano contrastar as medos
Da fria morte.



_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 08:52

III



Em larga roda de novéis guerreiros
Ledo caminha o festival Tymbira,
A quem do sacrifício cabe a honra.
Na fronte o kanitar sacode em ondas,
O enduape na cinta se embalança,
Na dextra mão sopesa a iverapeme,

Orgulhoso e pujante. — Ao menor passo,
Collar d'alvo marfim, insignia de honra,
Que lhe orna o collo e o peito, ruge e freme,
Como que por feitiço não sabido
Encantadas alli as almas grandes
Dos vencidos Tapuyas, inda chorem
Serem gloria e brasão de imigos feros.


« Eis-me aqui, diz ao indio prisioneiro;

«Pois que fraco, e sem tribu, e sem familia,

« A nossas matas devassaste ousado,

« Morrerás morte vil da mão de um forte.

Vem a terreiro o misero contrario;

Do collo à cinta a musurana desce:

« Dize-nos tu quem és, teus feitos canta,

« Ou, se te apraz, defende-te... » Começa

O indio, que ao redor derrama os olhos,

Com triste voz que os ânimos commove
.« Eis-me aqui, diz ao indio prisioneiro;

«Pois que fraco, e sem tribu, e sem familia,

« A nossas matas devassaste ousado,

« Morrerás morte vil da mão de um forte.

Vem a terreiro o misero contrario;

Do collo à cinta a musurana desce:

« Dize-nos tu quem és, teus feitos canta,

« Ou, se te apraz, defende-te... » Começa

O indio, que ao redor derrama os olhos,

Com triste voz que os ânimos commove.



_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 09:22

IV



Meu canto de morte,

Guerreiros, ouvi:

Sou filho das selvas,

Nas selvas cresci;

Guerreiros, descendo

Da tribo tupi.



Da tribo pujante,

Que agora anda errante

Por fado inconstante,

Guerreiros, nasci:

Sou bravo, sou forte,

Sou filho do Norte;

Meu canto de morte,

Guerreiros, ouvi.



Já vi cruas brigas,

De tribos imigas,

E as duras fadigas

Da guerra provei;

Nas ondas mendaces

Senti pelas faces

Os silvos fugaces

Dos ventos que amei.



Andei longes terras,

Lidei cruas guerras,

Vaguei pelas serras

Dos vis Aimorés;

Vi lutas de bravos,

Vi fortes — escravos!

De estranhos ignavos

Calcados aos pés.



E os campos talados,

E os arcos quebrados,

E os piagas coitados

Já sem maracás;

E os meigos cantores,

Servindo a senhores,

Que vinham traidores,

Com mostras de paz.



Aos golpes do imigo

Meu último amigo,

Sem lar, sem abrigo

Caiu junto a mil

Com plácido rosto,

Sereno e composto,

O acerbo desgosto

Comigo sofri.



Meu pai a meu lado

Já cego e quebrado,

De penas ralado,

Firmava-se em mi:

Nós ambos, mesquinhos,

Por ínvios caminhos,

Cobertos d'espinhos

Chegamos aqui!



O velho no em tanto

Sofrendo já tanto

De fome e quebranto,

Só qu'ria morrer!

Não mais me contenho,

Nas matas me embrenho,

Das frechas que tenho

Me quero valer.



Então, forasteiro,

Caí prisioneiro

De um troço guerreiro

Com que me encontrei:

O cru desasossego

Do pai fraco e cego,

Em quanto não chego,

Qual seja, — dizei!



Eu era o seu guia

Na noite sombria,

A só alegria

Que Deus lhe deixou:

Em mim se apoiava,

Em mim se firmava,

Em mim descansava,

Que filho lhe sou.



Ao velho coitado

De penas ralado,

Já cego e quebrado,

Que resta? —Morrer.

Em quanto descreve

O giro tão breve

Da vida que teve,

Deixai-me viver!



Não vil, não ignavo,

Mas forte, mas bravo,

Serei vosso escravo:

Aqui virei ter.

Guerreiros, não coro

Do pranto que choro;

Se a vida deploro,

Também sei morrer.



_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 09:23

V



Soltae-o ! — diz o chefe. Pasma a turba :

Os guerreiros murmuram : mal ouviram,

Nem poude nunca um chefe dar tal ordem !

Brada segunda vez com voz mais alta.

Afrouxam-se as prisões, a embira cede,

A custo, sim, mas cede : o estranho é salvo.

— Tymbira, diz o indio enternecido,

Solto apenas dos nós que o seguravam :

E's um guerreiro illustre, um grande chefe,

Tu que assim do meu mal te commoveste,

Nem soffres que, transposta a natureza,

Com olhos onde a luz já não scintilla,
Chore a morte do filho o pai cançado,
Que sómente por seu na voz conhece.

— E's livre; parte.

— E voltarei.

— Debalde.

— Sim, voltarei, morto meu pai.

Não voltes!

E bem feliz, se existe, em que não veja

Que filho tem, qual chora : és livre; parte !

—Acaso tu suppões que me acobardo,

Que receio morrer!

— E's livre; parte!

— Ora não partirei; quero provar-te

Que um filho dos Tupis vive com honra,

E com honra maior, se acaso o vencem.

Da morte o passo glorioso aífronta.

— Mentiste, que um Tupi não chora nunca,

E tu choraste!... parte; não queremos

Com carne vil enfraquecer os fortes.

Sobresteve o Tupi: arfando em ondas

O rebater do coração se ouvia

Precipite; do rosto afogueado

Gélidas bagas de suor corriam :

Talvez que o assaltava um pensamento ...

Já não... que na enluctada fantasia,

Um pesar, um martyrio ao mesmo tempo,

Do velho pai a moribunda imagem

Quasi bradar-lhe ouvia : — Ingrato ! ingrato !

Curvado o collo, taciturno e frio.

Espectro de homem, penetrou no bosque !


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 09:24

VI



— Filho meu, onde estás?

— Ao vosso lado !

Aqui vos trago provisões : tomae-as,

As vossas forças restaurae perdidas,

E a caminho, e já!

— Tardaste muito!

Não era nado o sol, quando partiste,

E frouxo o seu calor já sinto agora!

— Sim, demorei-me a divagar sem rumo,

Perdi-me nestas matas intrincadas,

Reaviei-me e tornei; mas urge o tempo;

Convém partir, e já!

— Que novos males



Nos restam de soffrer? que novas dores,

Que outro fado peior Tupan nos guarda?

— As settas da afflicção já se exgotaram,

Nem para novo golpe espaço intacto

Em nossos corpos resta.

— Mas tu tremes !

— Talvez do afan da caça...

— O' filho caro

Um quê mysterioso aqui me fala,

Aqui no coração; piedosa fraude

Será por certo, que não mentes nunca!

Não conheces temor, e agora temes?

Vejo e sei: é Tupan que nos afflige,

E contra o seu querer não valem brios.

Partamos !...

E com mão tremula, incerta

Procura o filho, tacteando as trevas

Da sua noite lúgubre e medonha.

Sentindo o acre odor das frescas tintas,

Uma idéa fatal correu-lhe á mente...

Do filho os membros gélidos apalpa,

E a dolorosa maciez das plumas

Conhece estremecendo : foge, volta,

Encontra sob as mãos o duro craneo,

Despido então do natural ornato !...

Recúa afflicto e pávido, cobrindo

A's mãos ambas os olhos fulminados;

Como que teme ainda o triste velho

De ver, não mais cruel, porém mais clara,

Daquelle exicio grande a imagem viva

Ante os olhos do corpo afigurada.

Não era que a verdade conhecesse

Inteira e tão cruel qual tinha sido;

Mas que funesto azar correra o filho,

ElLe o via ; elle o tinha alli presente;

E era de repetir-se a cada instante.

A dor passada, a previsão futura

E o presente tão negro, alli os tinha;

Alli no coração se concentrava,

Era num ponto só, mas era a morte!

— Tu prisioneiro, tu?

— Vós o dissestes

— Dos indios?

— Sim.

— De que nação?

— Tymbiras.

— E a musurana funeral rompeste,

Dos falsos manitôs quebraste a maça...

— Nada fiz... aqui estou.

Emmudecem;

Curto instante depois prosegue o velho :

— Tu és valente, bem o sei; confessa,

Fizeste-o, certo, ou já não foras vivo !

— Nada fiz, mas scraberam da existência

De um pobre velho, que em mim só vivia...

— E depois?...

— Eis-me aqui.

— Fica essa taba?

Na direcção do sol, quando transmonta.

Longe?

— Não muito.

— Tens razão : partamos.

E quereis ir?...

— Na direcção do occaso.



_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 09:24

VII



« Por amor de um triste velho,

Que ao termo fatal já chega,

Vós, guerreiros, concedestes

A vida a um prisioneiro.

Acção tão nobre vos honra,

Nem tão alta cortezia

Vi eu jámais praticada

Entre os Tupis, — e mais foram

Senhores em gentileza.



« Eu porém nunca vencido,

Nem nos combates por armas,

Nem por nobreza nos actos;

Aqui venho, e o filho trago.

Vós o dizeis prisioneiro,

Seja assim como dizeis;

Mandae vir a lenha, o fogo,

A maça do sacrifício

E a musurana ligeira;

Em tudo o rito se cumpra!

E quando eu fôr só na terra,

Certo acharei entre os vossos,

Que tão gentis se revelam,

Alguém que meus passos guie;

Alguém, que vendo o meu peito

Coberto de cicatrizes,

Tomando a vez de meu filho, D

e haver-me por pai se ufane ! »



Mas o chefe dos Tymbiras,

Os sobrolhos encrespando,

Ao velho Tupi guerreiro

Responde com torvo accento :



— Nada farei do que dizes;

E' teu filho imbelle e fraco !

Aviltaria o triumpho

Da mais guerreira das tribus

Derramar seu ignóbil sangue :

Elle chorou de cobarde;

Nós outros, fortes Tymbiras,

Só de heroes fazemos pasto.



Do velho Tupi guerreiro

A surda voz na garganta

Faz ouvir uns sons confusos, C

Como os rugidos de um tigre.

Que pouco a pouco se assanha !



_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 09:26

VIII



« Tu choraste em presença da morte!

Na presença de estranhos choraste!

Não descende o cobarde do forte;

Pois choraste, meu filho não és !

Possas tu, descendente maldicto,

De uma tribu de nobres guerreiros,

Implorando cruéis forasteiros,

Seres presa de vis Aymorés.



Possas tu, isolado na terra,

Sem arrimo e sem pátria vagando,

Regeitado da morte na guerra,

Regeitado dos homens na paz,

Ser das gentes o espectro execrado;

Não encontres amor nas mulheres;

Teus amigos, se amigos tiveres,

Tenham alma inconstante e fallaz !



Não encontres doçura no dia,

Nem as côres da aurora te ameiguem,

E entre as larvas da noite sombria

Nunca possas descanço gozar;

Não encontres um tronco, uma pedra,

Posta ao sol, posta ás chuvas e aos ventos,

Padecendo os maiores tormentos,

Onde possas a fronte pousar.



Que a teus passos a relva se torre,

Murchem prados, a flor desfalleça,

E o regato que límpido corre,

Mais te accenda o vesano furor;

Suas aguas depressa se tornem,

Ao contacto dos lábios sedentos,

Lago impuro de vermes nojentos,

Donde fujas com asco e terror!



Sempre o céo, como um tecto incendido,

Creste e punja teus membros maldictos,

E o oceano de pó denegrido

Seja a terra ao ignavo tupi!

Miserável, faminto, sedento,

Manitôs lhe não falem nos sonhos,

E do horror os espectros medonhos

Traga sempre o cobarde após si.



Um amigo não tenhas piedoso

Que o teu corpo na terra embalsame,

Pondo em vaso de argilla cuidoso

Arco e frecha e tacape a teus pés !

Sê maldicto, e sósinho na terra:

Pois que a tanta vileza chegaste,

Que em presença da morte choraste;

Tu, cobarde, meu filho não és. »





_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 09:26

IX



Isto dizendo, o miserando velho

A quem Tupan tamanha dôr, tal fado

Já nos confins da vida reservara,

Vae com tremulo pé, com as mãos já frias

Da sua noite escura as densas trevas

Palpando. — Alarma! alarma ! — O velho pára;

O grito que escutou é voz do filho,

Voz de guerra que ouviu já tantas vezes

Noutra quadra melhor. — Alarma! alarma

— Esse momento só vale apagar lhe

Os tão compridos trances, as angustias,

Que o frio coração lhe atormentaram

De guerreiro e de pai: — vale, e de sobra.

Elle que em tanta dôr se contivera,

Tomado pelo súbito contraste,

Desfaz-se agora em pranto copioso,

Que o exhaurido coração remoça.



A taba se alborota, os golpes descem,

Gritos, imprecações profundas soam,

Emmaranhada a multidão braveja,

Revolve-se, ennovela-se confusa,

E mais revolta em mor furor se accende.

E os sons dos golpes que incessantes fervem

Vozes, gemidos, estertor de morte

Vão longe pelas ermas serranias

Da humana tempestade propagando

Quantas vagas de povo enfurecido

Contra um rochedo vivo se quebravam.



Era elle, o Tupi; nem fôra justo

Que a fama dos Tupis — o nome, a gloria,

Aturado labor de tantos annos,

Derradeiro brasão da raça extincta,

De um jacto e por um só se aniquilasse.

— Basta! já clama o chefe dos Tymbiras,

— Basta, guerreiro illustre! assaz luctaste,

E para o sacrifício é mister força. —

0 guerreiro parou, caiu nos braços

Do velho pai, que o cinge contra o peito,

Com lagrimas de jubilo bradando :

« Este, sim, que é meu filho muito amado !

« E pois que o acho em fim, qual sempre o tive,

« Corram lives as lagrimas que choro,

« Estas lagrimas, sim, que não deshonram. »





_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 09:31

I-Juca-Pirama~

I-Juca-Pirama é um poema Indianista brasileiro escrito pelo poeta Gonçalves Dias. Publicado em 1851 nos Últimos Cantos, está escrito em versos pentassilábicos, decassilábicos e endecassilábicos, e dividido em dez cantos. É um dos mais famosos poemas Indianistas do Romantismo Brasileiro. Considerado por muitos a obra-prima do poeta maranhense, o poema possui 484 versos.

Etimologia

I-Juca-Pirama é um termo do Tupi que originalmente sofre as seguintes alterações: I-Juká Pyr-ama; I Îuká-pyr-ama; Y Yuká Pyr-ama; Y-Îuká Pyr-ama podendo ainda o k ser substituído por c dependendo do gramático. Gonçalves Dias grafou Y-Juca-Pyrama.

"Y" ou "Î" é em Tupi o pronome pessoal da segunda série (existem duas) que indica tanto a 3ª pessoa do singular quanto do plural. (no tupi só há 3ª pessoa e é o verbo que vai determinar se está no singular ou no plural).
"Yuká", ou "îuká" ou "Juká" é o verbo correspondente ao nosso "matar". No entanto, o verbo em tupi é ativo se o sujeito é o próprio agente, isto é. O verbo"Yuká" quer é literalmente "fazer matar", enquanto que o verbo correspondente para "matar" (a gente) é apiti.
"Pyr-ama"; para compreender "Pyrama" é preciso percebermos que em Tupi há vários sufixos de nomes verbais e particípios: bae, (s)ara, (s)aba, pyra, pora, bora, sûara, sûera, tyba. Pyra é o particípio passivo à semelhança de t-e-mi, enquanto que o ativo é bae, (s)ara; o "a" final de pyr-a é sufixo nominal. Assim o-îuká-bae é "o que mata". Os substantivos tupis entretanto tem futuro e passado e formam-se com as partículas rama e pûera. Assim sendo, o passado de i-îuká-pyr-ama é i-îuká-pyr-ûera. Acontece que se tem n ou r, no futuro se junta ama; no passado, aqueles que têm r, faz-se era e às vezes ûera. Sendo assim temos i-îuká-pyr-ama ao invés de i-îuká pyra-rama.


Enredo

O poema relata a história de um guerreiro tupi sobrevivente e fugitivo da destruição na costa que cai aprisionado por uma tribo antropófaga dos Timbiras e que deve ser sacrificado conforme o rito. Antes dos sacrifícios o chefe Timbira propõe que aquele que vai ser morto deve cantar as suas façanhas para que os bravos Timbiras tenham maior gosto em sacrificá-lo; e assim inicia o seu canto:

Meu canto de morte,
guerreiros, ouvi:
Sou filho das selvas,
nas selvas cresci,
Guerreiros, descendo
Da tribo Tupi. (112-117)

Entretanto, a cena que se segue é um pedido de clemência em virtude de ser o último sobrevivente da sua tribo e ter ainda a responsabilidade de cuidar do velho pai, velho e cego. Depois do seu canto os Timbiras não querem mais sacrificá-lo e então o jovem parte triste com à recusa, entretanto quando chega junto do velho pai, este percebe que o filho está com cheiro da tinta com que este está ungido para efeitos de sacrifício, então ambos travam uma conversa porque o velho pai, interessado na bravura do filho, quer saber como fugiu à massa. Quando descobre que o filho não terminou o ritual nem tampouco matou os seus agressores decide que devem ir à tribo terminar o ritual.

Entretanto, ao chegarem na tribo Timbira o velho Tupi descobre o engodo, que o filho em verdade havia chorado em presença da morte e então o pai amaldiçoa o filho:

Tu choraste em presença da morte?
Na presença de estranhos choraste?
Não descende o covarde do forte:
Pois choraste, meu filho não és. (370-374).

O pai pragueja uma sequencia de desgraças para o filho, que manchara a honra e o nome na raça Tupi. O filho, não podendo suportar o ódio do pai, se enche de valentia e num súbito ato, declara ataque a toda a tribo Timbira. O cego reconhece o brado do filho, e ouvindo os barulhos da que se formou entendeu que o filho lutava com bravura. A confusão acabou quando o chefe Timbira gritou:

"— Basta, guerreiro ilustre! Assaz lutaste, — E para o sacrifício é mister forças. — " (451-452).

Ouvindo isso, o velho Tupi caiu em choro copioso. Choro de alegria.

O caso virou história contada nas noites por um velho Timbira.

Adaptações
Peça de teatro
Em 1869, José Bernardino dos Santos publicou a peça Quadros da vida selvagem – Y-Juca Pirama, poesia de A. Gonçalves Dias.

Histórias em quadrinhos
Em 2012, a editora Peirópolis publicou uma quadrinização, escrita e desenhada por Laerte Silvino.


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 09:51

Y-JUCA-PIRAMA, ANTONIO GONÇALVES DIAS

Drama del poeta bra­sileño Antonio Gonçalves Dias (1823-1864), publicado en 1857. Se inspira en las costumbres de los indios guaraníes y su título quiere decir: «El que debe morir». Y-Juca- Pirama, héroe de la tribu de los tupíes, caído prisionero de la tribu enemiga de los timbira, es condenado al suplicio de empalamiento.

Pero cuando la condena está a punto de ser ejecutada, el prisionero pide gracia: desea volver junto a su anciano pa­dre ciego, a proteger y sostener los últimos días del que le reconoce sólo por la voz. El jefe timbira, más por desprecio que por piedad, lo echa, insultándole. Y-Juca- Pirama vuelve junto a su padre, pero el viejo indio, al conocer el precio de la liber­tad de su hijo, lo acompaña de nuevo al campo de los timbira y rechaza el indulto envilecedor que le han concedido. Entonces Y-Juca-Pirama desafía a uno de los jefes timbira, y muestra tanto valor que los mis­mos enemigos lo llevan en triunfo y finalmente le eligen jefe de la tribu. Gonçalves, ya famoso por sus producciones de carácter e inspiración indios [Os Timbiras, Cangao de Tamoyo], por las poesías épicas dedica­das a las conquistadores portugueses [Sextilhas de Frei Antao], en esta obra se aban­dona completamente al gusto por lo primi­tivo, y crea el tema nacional aborigen, la exaltación de los guaraníes.



Su estilo se adapta. a la emotiva inspiración; el diá­logo es esculpido y enérgico en su carácter rectilíneo; la narración tiene rasgos feliz­mente épicos y hasta de lírica elevación, de profunda penetración psicológica.


****************************








_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 10:24

DESEJO



       

E poi morir.

           METASTÁSIO




Ah! que eu não morra sem provar, ao menos

Sequer por um instante, nesta vida

        Amor igual ao meu!

Dá, Senhor Deus, que eu sobre a terra encontre

Um anjo, uma mulher, uma abra tua,

        Que sinta o meu sentir;

Uma alma que me entenda, irmã da minha,

Que escute a meu silêncio, que me siga

        Dos ares na amplidão!

Que em laço estreito unidas, juntas, presas,

Deixando a terra e o lodo, aos céus remontem

        Num êxtase de amor!



           (De Primeiros Cantos)


**********************




DESEO



¡Que no me muera sin gustar, al menos

Por un breve momento, en esta vida

Amor igual al mío!

Permite, Dios, que en esta tierra encuentre

Una mujer, un ángel, la obra tuya

Que sienta como yo.

¡Un alma afín, hermana de la mía

Que mi silencio escuche, que me siga

Por la amplitud del aire!

¡Que estrechamente unidas, nuestras almas

Dejen la tierra y hacia el cielo suban

En éxtasis de amor!





Última edición por Maria Lua el Jue 11 Mar 2021, 10:28, editado 1 vez


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 10:27

NÃO ME DEIXES!



Debruçada nas águas dum regato

A flor dizia em vão

A corrente, onde bela se mirava ...

"Ai, não me peixes, não!



"Comigo fica ou leva-me contigo

"Dos mares à amplidão,

"Límpido ou turvo, te amarei constante

"Mas não me deixes, não!"



E a corrente passava; novas águas

Após as outras vão;

E a flor sempre a dizer curva na fonte:

"Ai, não me deixes, —não!"



E das águas que fogem incessantes

A eterna sucessão

Dizia sempre a flor, e sempre embalde:

"Ai, não me deixes, não!"



Por fim desfalecida e a cor murchada,

Quase a lamber o chão,

Buscava inda a corrente por dizer-lhe

Que a não deixasse, não.



A corrente impiedosa a flor enleia,

Leva-a do seu torrão;

A afundar-se dizia a pobrezinha:

"Não me deixaste, não!"



(De Novos Cantos)


¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨




!NO ME DEJES!



Asomada a las aguas del arroyo

Dijo en vano la flor

A la corriente donde se miraba ...

"iAy, no me dejes, no!



"Quédate aquí o trasládame contigo

A la amplitud del mar.

Límpida o turbia, te amaré por siempre.

¡No me dejes jamás!"



La corriente pasaba, iban las aguas

Tras otras siempre en poso

Inclinada la flor, decía en vano:

"!Ay, no me dejes, no!"



A las aguas que huían incesantes

En igual sucesión,

Siempre hablaba la flor, en vano siempre:

"!Ay, no me dejes, no!"



Por fin desfallecida, ya en el suelo,

Marchita y sin colar,

Busca el arroyo aún para decirle

Que no la deje, no.



La impiadosa corriente la envolvía

Y, mortal, la arrastró.

AI hundirse decía, pobrecita:

"!No me dejaste, no!"


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 10:30

SE SE MORRE DE AMOR!



Se se morre de amor! — Não, não se morre,
Quando é fascinação que nos surprende
De ruidoso sarau entre os festejos;
Quando luzes, calor, orchestra e flores
Assomos de prazer nos raiam n'alma,
Que embellezada e solta em tal ambiente,
No que houve, e no que vê prazer alcança

Sympathicas feições, cintura breve,
Graciosa postura, porte airoso,
Uma fita, uma flôr entre os cabellos,
Um quê mal definido, acaso podem
Num engano de amor arrebatar-nos.
Mas isso amor não é; isso ó delírio,
Devaneio, illusão, que se esvaece
Ao som final da orchestra, ao derradeiro
Clarão que as luzes no morrer despedem;
Se outro nome lhe dão, se amor o chamam,
De amor igual ninguém succumbe á perda.

Amor é vida; é ter constantemente;
Alma, sentidos, coração — abertos
Ao grande, ao bello; é ser capaz de extremos,

De altas virtudes, té capaz de crimes !

Comprehender o infinito, a immensidade,

E a natureza e Deus; gostar dos campos;

D'aves, flores, murmúrios solitários;

Buscar tristeza, a soledade, o ermo,

E ter o coração em riso e festa;

E á branda festa, ao riso da nossa alma

Fontes de pranto intercalar sem custo;

Conhecer o prazer e a desventura

No mesmo tempo, e ser no mesmo ponto

O ditoso, o misérrimo dos entes :

Isso é amor, e desse amor se morre !



Amar, e não saber, não ter coragem

Para dizer que amor que em nós sentimos;

Temer que olhos profanos nos devassem

O templo, onde a melhor porção da vida

Se concentra; onde avaros recatamos

Essa fonte de amor, esses thesouros

Inexgotaveis, de illusões floridas;

Sentir, sem que se veja, a quem se adora,

Comprehender, sem lhe ouvir, seus pensamentos,

Seguil-a, sem poder fitar seus olhos,

Amal-a, sem ousar dizer que amamos,

E, temendo roçar os seus vestidos,

Arder por afogal-a em mil abraços :

Isso é amor, e desse amor se morre!

Se tal paixão porém emfim transborda,
Se tem na terra o galardão devido
Em reciproco affecto; e unidas, uma,
Dois seres, duas vidas se procuram,
Entendem-se, confundem-se e penetram
Juntas — em puro céo de extasis puros;
Se logo a mão do fado as torna extranhas,
Se os duplica e separa, quando unidos
A mesma vida circulava em ambos;
Que será do que fica, e do que longe
Serve ás borrascas de ludibrio e escarneo ?
Pôde o raio num píncaro caindo,
Tornal-o dois, e o mar correr entre ambos;
Pôde rachar o tronco levantado
E dois cimos depois verem-se erguidos,
Signaes mostrando da alliança antiga;
Dois corações porém, que juntos batem,
Que juntos vivem, — se os separam, morrem
Ou se entre o próprio estrago inda vegetam,
Se apparencia de vida, em mal, conservam,
Anciãs crúas resumem do proscripto,
Que busca achar no berço a sepultura!



Esse, que sobrevive á própria ruina,
Ao seu viver do coração, — ás gratas
Illusões, quando em leito solitário,
Entre as sombras da noite, em larga insomni
Devaneiando, a futurar venturas,
Mostra-se e brinca a appetecida imagem;
Esse, que á dor tamanha não succumbe,
Inveja a quem na sepultura encontra
Dos males seus o desejado termo!





_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 10:31

AINDA UMA VEZ, ADEUS



Emflm te vejo! — emfim posso,
Curvado a teus pés, dizer-te
Que não cessei de querer-te,
Pezar de quanto soffri. Muito penei!
Cruas anciãs, Dos teus olhos afastado,
Houveram-me acabrunhado,
A não lembrar-me de ti!



Dum mundo a outro impellido,
Derramei os meus lamentos
Nas surdas azas dos ventos,
Do mar na crespa cerviz !
Baldão, ludibrio da sorte
Em terra estranha, entre gente
Que alheios males não sente,
Nem se condóe do infeliz!

Louco, afflicto, a saciar-me
De aggravar minha ferida,
Tomou-me tédio da vida,



Passos da morte senti;
Mas quasi no passo extremo,
No ultimo arcar da esperança,
Tu me vieste á lembrança :
Quiz viver mais e vivi!

Vivi; pois Deus me guardava
Para este logar e hora !
Depois de tanto, senhora,
Ver-te e falar-te outra vez;
Rever-me em teu rosto amigo,
Pensar em quanto hei perdido,
E este pranto dolorido
Deixar correr a teus pés.



Mas que tens? Não me conheces?
De mim afastas teu rosto?
Pois tanto pôde o desgosto
Transformar o rosto meu?
Sei a afflicção quanto pôde,
Sei quanto ella desfigura,

E eu não vivi na ventura...
Olha-me bem, que sou eu !



Nem uma voz me diriges !...
Julgas-te acaso offendida?
Déste-me amor, e a vida
Que m'a darias — bem sei;
Mas lembrem-te aquelles feros
Corações, que se metteram
Entre nós; e se venceram,
Mal sabes quanto luctei!



Oh ! se luctei! .. mas devera
Expôr-te em publica praça,
Como um alvo á populaça,
Um alvo aos dicterios seus !
Devêra, podia acaso
Tal sacrifício acceitar-te
Para no cabo pagar-te,
Meus dias unindo aos teus?



Devêra, sim; mas pensava
Que de mim te esquecerias,
Que, sem mim, alegres dias
Te esperavam; e em favor
De minhas preces, contava
Que o bom Deus me acceitaria
O meu quinhão de alegria
Pelo teu quinhão de dôr !



Que me enganei, ora o vejo;
Nadam-te os olhos em pranto,
Arfa-te o peito, e no emtanto
Nem me pódes encarar;
Erro foi, mas não foi crime;
Não te esqueci, eu t'o juro :
Sacrifiquei meu futuro.
Vida e gloria por te amar!



Tudo, tudo; e na miséria
De um martyrio prolongado,
Lento, cruel, disfarçado,
Que eu nem a ti confiei :
a Ella é feliz (me dizia)
"Seu descanço é obra minha. »
Negou-m'o a sorte mesquinha... }
Perdôa, que me enganei!



Tantos encantos me tinham,

Tanta illusão me afagava
De noite, quando aecordava,
De dia em sonhos talvez !
Tudo isso agora onde pára?
Onde a illusão dos meus sonhos?
Tantos projectos risonhos,
Tudo esse engano desfez !



Enganei-me!... — Horrendo cháos
Nessas palavras se encerra,
Quando do engano, quem erra,
Não pôde voltar atraz !
Amarga irrisão ! reflecte :
Quando eu gozar-te pudera,
Martyr quiz ser, cuidei qu'era...
E um louco fui, nada mais !



Louco, julguei adornar-me
Com palmas de alta virtude!
Que tinha eu bronco e rude
Com o que se chama ideal?
O meu eras tu, não outro;
'Stava em deixar minha vida
Correr por ti conduzida,
Pura, na ausência do mal.



Pensar eu que o teu destino
Ligado ao meu, outro fôra;
Pensar que te vejo agora,
Por culpa minha, infeliz;
Pensar que a tua ventura
Deus ab eterno a fizera,
No meu caminho a puzera...
E eu ! eu fui que a não quiz !



E's de outro agora, e p'ra sempre !
Eu a misero desterro
Volto, chorando o meu erro,
Quasi descrendo dos céus !
Dóe-te de mim, pois me encontras
Em tanta miséria posto,
Que a expressão deste desgosto
Será um crime ante Deus !

Dóe-te de mim, que te imploro
Perdão, a teus pés curvado;
Perdão ! de não ter ousado
Viver contente e feliz !
Perdão da minha miséria,
Da dôr que me rala o peito,
E se do mal que te hei feito,
Também do mal que me fiz !



Adeus, que eu parto, senhora;
Negou-me o fado inimigo
Passar a vida comtigo,
Ter sepultura entre os meus;
Negou-me nesta hora extrema,
Por extrema despedida,
Ouvir-te a voz comovida
Soluçar um breve adeus !



Lerás porém algum dia
Meus versos, da alma arrancados,
De amargo pranto banhados,
Com sangue escriptos; — e então
Confio que te commovas,
Que a minha dor te apiade,
Que chores, não de saudade,
Nem de amor,— de compaixão.



_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 10:32

SE MUITO SOFFRI JÁ, NÃO M´O PERGUNTES



Se muito soffri já, se ainda soffo
Por teo amor ?!
Não m´o pergunte ! que do inferno a vida
Não é pior !...

Eu ! vegetar da terra entre os felizes !
Que faço aqui ?
Sonhos de amor, de glória, — lá se forão
Atrás de ti !

A ver se encontro d´esperança um raio
Ólho em redor,
E nada vejo, e mais profunda sinto
No peito a dôr !

Que faço aqui ? Dias cançados, anos
Sem fim — durar !
Depois que te perdi, viver ainda,
Viver ! pensar !...

Eu, não! Quem for feliz que prese a vida,
Tema perdel-a !...
Por mim, não tenho horror, nem tedio á morte,
Clamo por ella !

Bedicta seja pois a que mandada
Me for — por Deos.
Matar-me, não ; que quero, ver-te ainda
Feliz nos céos !

Mas no pego da dôr, em que me abysmo,
— Nesta afflicção
Negra como a do cego que na estrada
Esmóla o pão !

Como a do viajor que pelas trevas
Sem tino vae,
E, errado o trilho, se empenhou nas matas,
Nem delas sae !

Neste viver sofrendo, errante, louco,
Misero Job,
Que amigos e inimigos á porfia
Pungem sem dó !

Às veses, da amargura no remanso,
Ao Creador
Minha alma eleva cânticos de graças,
Hymnos de amor !

Que se estivesse em mim renascer hoje,
Soffrer o que soffri...
Eu quisera viver para inda amar-te
E amado ser por ti!




Manáus – 16 de Junho de 1861


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 10:32

Ao teo livro uma pagina roubando,
Consente-me escrever aqui meo nome.
É talvez quanto resta de um amigo.
Quando a terra o seo corpo já consome.

Isto apenas! que o homem — fragil barro,
A vida frue apenas um momento,
Bem feliz quando lega uma saudade,
Ou deixa atrás de si um pensamento !

Vive tu, vive feliz, enquanto
O meo destino sigo caprichoso.
Fará tua ventura a de um amigo,
E a dita de ambos me fará ditoso.



Rio de Janeiro – 17 de Março de 1851


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 10:33

SONETO VI

Baixel veloz,que ao húmido elemento
A voz do nauta experto afoito entrega,
Demora o curso teo, perto navega
Da terra onde me fica o pensamento !

Enquanto vais cortando o salso argento,
Desta praia feliz não se desprega
(Meos olhos, não, que amargo pranto os rega)
Minha alma, sim, e o amor que é meo tormento.

Baixel, que vais fugindo despiedado,
Sem temor dos contrastes da procela,
Volta ao menos, qual vais tão apressado.

Encontre-a eu gentil, mimosa e bella !
E o pranto qu´ora verto amargurado,
Póssa eu verter então nos lábios d´ella!





Rio de Janeiro – 17 de Junho de 1847


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 10:36

CANÇÃO DO TAMOIO

(Natalícia)



Não chores, meu filho;

Não chores, que a vida

É luta renhida:

Viver é lutar.

A vida é combate,

Que os fracos abate,

Que os fortes, os bravos,

Só pode exaltar.



II



Um dia vivemos!

O homem que é forte

Não teme da morte;

Só teme fugir;

No arco que entesa

Tem certa uma presa,

Quer seja tapuia,

Condor ou tapir.



III



O forte, o cobarde

Seus feitos inveja

De o ver na peleja

Garboso e feroz;

E os tímidos velhos

Nos graves conselhos,

Curvadas as frontes,

Escutam-lhe a voz!



IV



Domina, se vive;



Se morre, descansa

Dos seus na lembrança,

Na voz do porvir.

Não cures da vida!

Sê bravo, sê forte!

Não fujas da morte,

Que a morte há de vir!





V



E pois que és meu filho,

Meus brios reveste;



Tamoio nasceste,

Valente serás.

Sê duro guerreiro,

Robusto, fragueiro,

Brasão dos tamoios

Na guerra e na paz.



VI



Teu grito de guerra

Retumbe aos ouvidos

D'imigos transidos

Por vil comoção;

E tremam d'ouvi-lo

Pior que o sibilo

Das setas ligeiras,

Pior que o trovão.



VII



E a mãe nessas tabas,

Querendo calados

Os filhos criados

Na lei do terror;

Teu nome lhes diga,

Que a gente inimiga

Talvez não escute

Sem pranto, sem dor!



VIII



Porém se a fortuna,

Traindo teus passos,

Te arroja nos laços

Do imigo falaz!

Na última hora

Teus feitos memora,

Tranquilo nos gestos,

Impávido, audaz.



IX



E cai como o tronco

do raio tocado,

Partido, rojado

Por larga extensão;

Assim morre o forte!

No passo da morte

Triunfa, conquista

Mais alto brasão.



X



As armas ensaia,

Penetra na vida:

Pesada ou querida,

Viver é lutar.

Se o duro combate

Os fracos abate,

Aos fortes, aos bravos,

Só pode exaltar.







Tamoio es un hombre de la nación de los TAMOIOS,
que habitaba Brasil.


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 10:39

I-JUCA-PIRAMA ( poema completo)



I

No meio das tabas de amenos verdores,
Cercadas de troncos — cobertos de flores,
Alteiam-se os tetos d’altiva nação;
São muitos seus filhos, nos ânimos fortes,
Temíveis na guerra, que em densas coortes
Assombram das matas a imensa extensão.

São rudes, severos, sedentos de glória,
Já prélios incitam, já cantam vitória,
Já meigos atendem à voz do cantor:
São todos Timbiras, guerreiros valentes!
Seu nome lá voa na boca das gentes,
Condão de prodígios, de glória e terror!

As tribos vizinhas, sem forças, sem brio,
As armas quebrando, lançando-as ao rio,
O incenso aspiraram dos seus maracás:
Medrosos das guerras que os fortes acendem,
Custosos tributos ignavos lá rendem,
Aos duros guerreiros sujeitos na paz.

No centro da taba se estende um terreiro,
Onde ora se aduna o concílio guerreiro
Da tribo senhora, das tribos servis:
Os velhos sentados praticam d’outrora,
E os moços inquietos, que a festa enamora,
Derramam-se em torno d’um índio infeliz.

Quem é? — ninguém sabe: seu nome é ignoto,
Sua tribo não diz: — de um povo remoto
Descende por certo — d’um povo gentil;
Assim lá na Grécia ao escravo insulano
Tornavam distinto do vil muçulmano
As linhas corretas do nobre perfil.

Por casos de guerra caiu prisioneiro
Nas mãos dos Timbiras: — no extenso terreiro
Assola-se o teto, que o teve em prisão;
Convidam-se as tribos dos seus arredores,
Cuidosos se incumbem do vaso das cores,
Dos vários aprestos da honrosa função.

Acerva-se a lenha da vasta fogueira,
Entesa-se a corda de embira ligeira,
Adorna-se a maça com penas gentis:
A custo, entre as vagas do povo da aldeia
Caminha o Timbira, que a turba rodeia,
Garboso nas plumas de vário matiz.

Entanto as mulheres com leda trigança,
Afeitas ao rito da bárbara usança,
O índio já querem cativo acabar:
A coma lhe cortam, os membros lhe tingem,
Brilhante enduápe no corpo lhe cingem,
Sombreia-lhe a fronte gentil canitar.


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 10:43

I-JUCA-PIRAMA ( poema completo)

II

Em fundos vasos d’alvacenta argila
Ferve o cauim;
Enchem-se as copas, o prazer começa,
Reina o festim.

O prisioneiro, cuja morte anseiam,
Sentado está,
O prisioneiro, que outro sol no ocaso
Jamais verá!

A dura corda, que lhe enlaça o colo,
Mostra-lhe o fim
Da vida escura, que será mais breve
Do que o festim!

Contudo os olhos d’ignóbil pranto
Secos estão;
Mudos os lábios não descerram queixas
Do coração.

Mas um martírio, que encobrir não pode,
Em rugas faz
A mentirosa placidez do rosto
Na fronte audaz!

Que tens, guerreiro? Que temor te assalta
No passo horrendo?
Honra das tabas que nascer te viram,
Folga morrendo.

Folga morrendo; porque além dos Andes
Revive o forte,
Que soube ufano contrastar os medos
Da fria morte.

Rasteira grama, exposta ao sol, à chuva,
Lá murcha e pende:
Somente ao tronco, que devassa os ares,
O raio ofende!

Que foi? Tupã mandou que ele caísse,
Como viveu;
E o caçador que o avistou prostrado
Esmoreceu!

Que temes, ó guerreiro? Além dos Andes
Revive o forte,
Que soube ufano contrastar os medos
Da fria morte.


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 10:44

I-JUCA-PIRAMA ( poema completo)


III

Em larga roda de novéis guerreiros
Ledo caminha o festival Timbira,
A quem do sacrifício cabe as honras.
Na fronte o canitar sacode em ondas,
O enduape na cinta se embalança,
Na destra mão sopesa a iverapeme,
Orgulhoso e pujante. — Ao menor passo
Colar d’alvo marfim, insígnia d’honra,
Que lhe orna o colo e o peito, ruge e freme,
Como que por feitiço não sabido
Encantadas ali as almas grandes
Dos vencidos Tapuias, inda chorem
Serem glória e brasão d’imigos feros.

“Eis-me aqui, diz ao índio prisioneiro;
“Pois que fraco, e sem tribo, e sem família,
“As nossas matas devassaste ousado,
“Morrerás morte vil da mão de um forte.”

Vem a terreiro o mísero contrário;
Do colo à cinta a muçurana desce:
“Dize-me quem és, teus feitos canta,
“Ou se mais te apraz, defende-te.” Começa
O índio, que ao redor derrama os olhos,
Com triste voz que os ânimos comove.


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 13:53

IV

Meu canto de morte,
Guerreiros, ouvi:
Sou filho das selvas,
Nas selvas cresci;
Guerreiros, descendo
Da tribo Tupi.

Da tribo pujante,
Que agora anda errante
Por fado inconstante,
Guerreiros, nasci:
Sou bravo, sou forte,
Sou filho do Norte;
Meu canto de morte,
Guerreiros, ouvi.

Já vi cruas brigas,
De tribos imigas,
E as duras fadigas
Da guerra provei;
Nas ondas mendaces
Senti pelas faces
Os silvos fugaces
Dos ventos que amei.

Andei longes terras,
Lidei cruas guerras,
Vaguei pelas serras
Dos vis Aimorés;
Vi lutas de bravos,
Vi fortes — escravos!
De estranhos ignavos
Calcados aos pés.

E os campos talados,
E os arcos quebrados,
E os piagas coitados
Sem seus maracás;
E os meigos cantores,
Servindo a senhores,
Que vinham traidores,
Com mostras de paz.

Aos golpes do imigo
Meu último amigo,
Sem lar, sem abrigo
Caiu junto a mi!
Com plácido rosto,
Sereno e composto,
O acerbo desgosto
Comigo sofri.

Meu pai a meu lado
Já cego e quebrado,
De penas ralado,
Firmava-se em mi:
Nós ambos, mesquinhos,
Por ínvios caminhos,
Cobertos d’espinhos
Chegamos aqui!

O velho no entanto
Sofrendo já tanto
De fome e quebranto,
Só queria morrer!
Não mais me contenho,
Nas matas me embrenho,
Das frechas que tenho
Me quero valer.

Então, forasteiro,
Caí prisioneiro
De um troço guerreiro
Com que me encontrei:
O cru dessossego
Do pai fraco e cego,
Enquanto não chego,
Qual seja — dizei!

Eu era o seu guia
Na noite sombria,
A só alegria
Que Deus lhe deixou:
Em mim se apoiava,
Em mim se firmava,
Em mim descansava,
Que filho lhe sou.

Ao velho coitado
De penas ralado,
Já cego e quebrado,
Que resta? - Morrer.
Enquanto descreve
O giro tão breve
Da vida que teve,
Deixa-me viver!

Não vil, não ignavo,
Mas forte, mas bravo,
Serei vosso escravo:
Aqui virei ter.
Guerreiros, não coro
Do pranto que choro;
Se a vida deploro,
Também sei morrer.


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 13:55



I-JUCA-PIRAMA ( poema completo)


V

Soltai-o! — diz o chefe. — Pasma a turba;
Os guerreiros murmuram: mal ouviram,
Nem pôde nunca um chefe dar tal ordem!
Brada segunda vez com voz mais alta,
Afrouxam-se as prisões, a embira cede,
A custo, sim; mas cede: o estranho é salvo.
— Timbira, diz o índio enternecido,
Solto apenas dos nós que o seguravam:
És um guerreiro ilustre, um grande chefe,
Tu que assim do meu mal te comoveste,
Nem sofres que, transposta a natureza,
Com olhos onde a luz já não cintila,
Chore a morte do filho o pai cansado,
Que somente por seu na voz conhece.

— És livre; parte.
— E voltarei.
— Debalde.
— Sim, voltarei, morto meu pai.
— Não voltes!
É bem feliz, se existe, em que não veja,
Que filho tem, qual chora: és livre; parte!
— Acaso tu supões que me acobardo,
Que receio morrer!
— És livre; parte!
— Ora não partirei; quero provar-te
Que um filho dos Tupis vive com honra,
E com honra maior, se acaso o vencem,
Da morte o passo glorioso afronta.
— Mentiste, que um Tupi não chora nunca,
E tu choraste!... parte; não queremos
Com carne vil enfraquecer os fortes.

Sobresteve o Tupi: — arfando em ondas
O rebater do coração se ouvia
Precipite. - Do rosto afogueado
Gélidas bagas de suor corriam:
Talvez que o assaltava um pensamento...
Já não... que na enlutada fantasia,
Um pesar, um martírio ao mesmo tempo,
Do velho pai a moribunda imagem
Quase bradar-lhe ouvia: - Ingrato! ingrato!
Curvado o colo, taciturno e frio,
Espectro d’homem, penetrou no bosque!


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 13:57

I-JUCA-PIRAMA ( poema completo)


VI

— Filho meu, onde estás?
— Ao vosso lado;
Aqui vos trago provisões: tomai-as,
As vossas forças restaurai perdidas,
E a caminho, e já!
— Tardaste muito!
Não era nado o sol, quando partiste,
E frouxo o seu calor já sinto agora!

— Sim, demorei-me a divagar sem rumo,
Perdi-me nestas matas intrincadas,
Reaviei-me e tornei; mas urge o tempo;
Convém partir, e já!
— Que novos males
Nos resta de sofrer? — que novas dores,
No outro fado pior Tupã nos guarda?
— As setas da aflição já se esgotaram,
Nem para novo golpe espaço intacto
Em nossos corpos resta.

— Mas tu tremes!
— Talvez do afã da caça...
— Oh filho caro!
Um quê misterioso aqui me fala,
Aqui no coração; piedosa fraude
Será por certo, que não mentes nunca!
Não conheces temor, e agora temes?
Vejo e sei: é Tupã que nos aflige,
E contra o seu querer não valem brios.
Partamos!... —

E com mão trêmula, incerta
Procura o filho, tateando as trevas
Da sua noite lúgubre e medonha.
Sentindo o acre odor das frescas tintas,
Uma idéia fatal correu-lhe à mente...
Do filho os membros gélidos apalpa,
E a dolorosa maciez das plumas
Conhece estremecendo: — foge, volta,
Encontra sob as mãos o duro crânio,
Despido então do natural ornato!...

Recua aflito e pávido, cobrindo
Às mãos ambas os olhos fulminados,
Como que teme ainda o triste velho
De ver, não mais cruel, porém mais clara,
Daquele exício grande a imagem viva
Ante os olhos do corpo afigurada.

Não era que a verdade conhecesse
Inteira e tão cruel qual tinha sido;
Mas que funesto azar correra o filho,
Ele o via; ele o tinha ali presente;
E era de repetir-se a cada instante.

A dor passada, a previsão futura
E o presente tão negro, ali os tinha;
Ali no coração se concentrava,
Era num ponto só, mas era a morte!

— Tu prisioneiro, tu?
— Vós o dissestes.
— Dos índios?
— Sim.
— De que nação?
— Timbiras.

— E a muçurana funeral rompeste,
Dos falsos manitôs quebraste a maça...
— Nada fiz... aqui estou.
— Nada! —
Emudecem;
Curto instante depois prossegue o velho:
— Tu és valente, bem o sei; confessa,
Fizeste-o, certo, ou já não foras vivo!

— Nada fiz; mas souberam da existência
De um pobre velho, que em mim só vivia...
— E depois?...
—Eis-me aqui.
—Fica essa taba?
— Na direção do sol, quando transmonta.
— Longe?
— Não muito.
— Tens razão: partamos.
— E quereis ir?...
— Na direção do ocaso.


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 14:01

I-JUCA-PIRAMA ( poema completo)


VII

“Por amor de um triste velho,
Que ao termo fatal já chega,
Vós, guerreiros, concedestes
A vida a um prisioneiro.
Ação tão nobre vos honra,
Nem tão alta cortesia
Vi eu jamais praticada
Entre os Tupis, — e mas foram
Senhores em gentileza.

“Eu porém nunca vencido,
Nem os combates por armas,
Nem por nobreza nos atos;
Aqui venho, e o filho trago.
Vós o dizeis prisioneiro,
Seja assim como dizeis;

Mandai vir a lenha, o fogo,
A maça do sacrifício
E a muçurana ligeira:
Em tudo o rito se cumpra!
E quando eu for só na terra,
Certo acharei entre os vossos,
Que tão gentis se revelam,
Alguém que meus passos guie;
Alguém, que vendo o meu peito
Coberto de cicatrizes,
Tomando a vez de meu filho,
De haver-me por pai se ufane!”

Mas o chefe dos Timbiras,
Os sobrolhos encrespando,
Ao velho Tupi guerreiro
Responde com torvo acento:
— Nada farei do que dizes:
É teu filho imbele e fraco!

Aviltaria o triunfo
Da mais guerreira das tribos
Derramar seu ignóbil sangue:
Ele chorou de cobarde;
Nós outros, fortes Timbiras,
Só de heróis fazemos pasto. —
Do velho Tupi guerreiro
A surda voz na garganta
Faz ouvir uns sons confusos,
Como os rugidos de um tigre,
Que pouco a pouco se assanha!


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]
Maria Lua
Maria Lua
Administrador-Moderador
Administrador-Moderador

Cantidad de envíos : 51951
Fecha de inscripción : 12/04/2009
Localización : Nova Friburgo / RJ / Brasil

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Maria Lua Jue 11 Mar 2021, 14:03

I-JUCA-PIRAMA ( poema completo)


VIII

“Tu choraste em presença da morte?
Na presença de estranhos choraste?
Não descende o cobarde do forte;
Pois choraste, meu filho não és!
Possas tu, descendente maldito
De uma tribo de nobres guerreiros,
Implorando cruéis forasteiros,
Seres presa de vis Aimorés.

“Possas tu, isolado na terra,
Sem arrimo e sem pátria vagando,
Rejeitado da morte na guerra,
Rejeitado dos homens na paz,
Ser das gentes o espectro execrado;
Não encontres amor nas mulheres,
Teus amigos, se amigos tiveres,
Tenham alma inconstante e falaz!

“Não encontres doçura no dia,
Nem as cores da aurora te ameiguem,
E entre as larvas da noite sombria
Nunca possas descanso gozar:
Não encontres um tronco, uma pedra,
Posta ao sol, posta às chuvas e aos ventos,
Padecendo os maiores tormentos,
Onde possas a fronte pousar.

“Que a teus passos a relva se torre;
Murchem prados, a flor desfaleça,
E o regato que límpido corre,
Mais te acenda o vesano furor;
Suas águas depressa se tornem,
Ao contacto dos lábios sedentos,
Lago impuro de vermes nojentos,
Donde fujas como asco e terror!

“Sempre o céu, como um teto incendido,
Creste e punja teus membros malditos
E o oceano de pó denegrido
Seja a terra ao ignavo tupi!
Miserável, faminto, sedento,
Manitôs lhe não falem nos sonhos,
E do horror os espectros medonhos
Traga sempre o cobarde após si.

“Um amigo não tenhas piedoso
Que o teu corpo na terra embalsame,
Pondo em vaso d’argila cuidoso
Arco e frecha e tacape a teus pés!
Sê maldito, e sozinho na terra;
Pois que a tanta vileza chegaste,
Que em presença da morte choraste,
Tu, cobarde, meu filho não és.”


_________________



[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]


Te encuentro
tus huellas son tatuajes en mi corazón
intensas e inmensas
como el vino de la pasión
y la rosa roja del amor
eternas y etereas
como los sortilegios de una Luna Creciente... 


Maria Lua




[Tienes que estar registrado y conectado para ver esa imagen]

Contenido patrocinado

ANTÔNIO GONÇALVES DIAS Empty Re: ANTÔNIO GONÇALVES DIAS

Mensaje por Contenido patrocinado


    Fecha y hora actual: Mar 19 Oct 2021, 21:47